Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística




Primeiro petroleiro português inaugurado a 17 de Março de 1942

A 17 de Março de 1942 foi lançado à água, no Arsenal do Alfeite, o "Sam Brás", o primeiro petroleiro português. Este navio tinha uma capacidade de 7.000 toneladas e tanques para cerca de 3.500 toneladas de combustível.

Foi a quarta unidade naval construída por este estaleiro para a Marinha de Guerra Portuguesa e um dos seus maiores navios construídos, em termos de dimensão e deslocamento.

Escavações da Linha Circular trazem à luz do dia velhos pedaços da história naval de Lisboa

As escavações revelaram, entre outras coisas, uma rampa de acesso a estaleiro naval de barcos de grandes dimensões. Elas ajudam a dar uma “amplitude maior” sobre parte da história da capital.

Nos últimos dias de Dezembro e nos primeiros de Janeiro, por entre a quase incessante laboração no estaleiro da construção da Linha Circular do metro de Lisboa, na zona de Santos, uma imagem começava a ganhar nitidez. Num canal com aproximadamente 80 metros de comprimento, escavado a pouco mais de dez metros de profundidade e identificado como “troço 1D” pelos responsáveis pelo acompanhamento arqueológico das obras, descobriam-se diversos elementos patrimoniais a comprovar a intensa actividade náutica na zona, noutros tempos.

A 3 DE ABRIL

COMEMORAÇÕES DO DIA DO PORTO DE AVEIRO

A 3 de abril comemora-se o Dia do Porto de Aveiro, assinalando-se a reabertura da barra, em 1808.
As comemorações deste ano decorrem entre os dias 3 e 7 de abril, com destaque para a história e o futuro do Porto de Aveiro, envolvendo os trabalhadores, a comunidade portuária e a população em geral.

As iniciativas preconizadas visam reforçar a ligação do Porto à comunidade, às empresas e ao território.

8 DE FEVEREIRO

Navio-escola Sagres, da Marinha, celebra 62 anos com a Bandeira Portuguesa

Foi no dia 8 de fevereiro de 1962 que o NRP Sagres içou, pela primeira vez, a Bandeira Portuguesa. Faz esta quinta-feira sessenta e dois anos. O momento teve lugar, à época, no Rio de Janeiro, na sequência do processo de aquisição ao Brasil.

​São 62 anos a cumprir a missão de Escola de Mar dos futuros oficiais da Marinha e a contribuir para a Política Externa Portuguesa, de onde se destaca “o mundo de expressão portuguesa”; “o acompanhamento e a valorização das comunidades portuguesas” e a “internacionalização da economia”.

A primeira viagem efectuada com Bandeira Portuguesa realizou-se entre o Rio de Janeiro e Lisboa, de 25 abril a 23 junho de 1962, com escalas em Recife (Brasil), Mindelo (Cabo Verde) e Funchal.

 

Ligados (ou não) ao mundo por debaixo de água

Em 1914, a última notícia que o cabo submarino alemão trouxe à cidade da Horta, foi a de que a Alemanha tinha começado a guerra.

É claro que o cabo, que ligava a Horta a Emden, foi cortado poucas horas depois, pelo navio britânico Telconia e o pessoal da AtlantischeTelegraphen-Gesellshaft (ou simplesmente D.A.T.) obrigado a abandonar a operating room, ou sala comum, da Trinity House.

Porto fluvial romano descoberto no concelho do Cartaxo

A importância da actividade portuária desenvolvida ao longo da história nesta zona do Tejo já fora referida por alguns estudiosos da matéria. Mas só agora foram devidamente identificadas estruturas do grande porto fluvial que terá existido desde a época romana na zona de Porto de Muge, no concelho ribatejano do Cartaxo. O sítio arqueológico agora descoberto está em grande parte submerso pelas águas do rio e só em situações excepcionais de maré baixa e de recuo das águas do Tejo é que fica mais visível. Também por isso já está a ser desenvolvido com o Centro Nacional de Arqueologia Subaquática um projecto de investigação e salvaguarda deste antigo porto do Tejo.

Jovens ambientalistas refazem expedição marítima de Darwin

Charles Darwin tinha apenas 22 anos quando, em 1831, iniciou uma viagem que marcaria a sua vida e a forma como entendia a natureza. Essa mesma aventura está agora a ser reeditada pelo projecto Darwin200

A centenária escuna holandesa Oosterschelde zarpou em agosto de 2023 de Plymouth, na Inglaterra, rumo a uma expedição que deverá percorrer 40 mil milhas náuticas (74 mil km) em dois anos – quase seis vezes o diâmetro da terra.

REPORTAGEM DO «EXPRESSO»

O último transatlântico

Ao longo de 183 anos, a Cunard construiu alguns dos navios de passageiros mais importantes da história. Este é o ágil, robusto e luxuoso “Queen Mary 2”, que agora comemora o seu 20.º aniversário. O termo navio de cruzeiro não lhe faz justiça é um puro-sangue.

AÇORES

Recuperada uma das locomotivas que esteve na construção do Porto de Ponta Delgada

Foi com “grande satisfação” que a empresa Portos dos Açores S. A. anunciou a “bem-sucedida” recuperação de uma das locomotivas que desempenharam “um papel crucial” na construção do Porto de Ponta Delgada, na década de 50 do século XX.

Esta foi uma iniciativa do XIII Governo dos Açores através de um contrato-programa celebrado entre a Secretaria Regional da Cultura, Ciência e Transição Digital e a Portos dos Açores S. A.

Meteorito gigante pôs oceano primitivo a ferver, mas também ajudou a vida a prosperar

Quando era jovem, a Terra levou muita pancada, incluindo um dia, há 3260 milhões de anos, em que uma rocha com quatro vezes o tamanho do monte Evereste embateu no planeta. Os cientistas acreditam que provavelmente essa rocha, muito maior do que o objecto de Chicxulub [originando uma cratera na Península do Iucatão, México] que pôs fim ao reinado dos dinossauros, aterrou no oceano, até porque os continentes ainda mal tinham começado a formar-se.
 

CONSULTE O PROGRAMA

Porto de Lisboa celebra 136 anos com um mês de comemorações

Começou este domingo, dia 1 de Outubro, o programa especial de aniversário que o Porto de Lisboa tem preparado para a comemoração dos seus 136 anos, com actividades durante todo o mês de outubro. A manhã ficou marcada pelo passeio pelo rio Tejo na Caravela Vera Cruz que assinalou também o Dia Nacional da Água.

 

Os gatos do mar assinavam os seus «passaportes» com a pata e embarcavam com uma missão

500 mil corajosos felinos serviram na Primeira Guerra Mundial e tinham credenciais oficiais para embarcar nos navios, carinhosamente assinadas com a sua pata.

Além de mascotes e animais de estimação, estes corajosos felinos estiveram de serviço oficial na Primeira Guerra Mundial e viajavam com a Marinha nos seus barcos com uma missão: livrar-se dos ratos e ratazanas, que ao propagar pragas e destruindo carga, representavam um enorme problema nas embarcações.

CAMINHO MARÍTIMO PARA A ÍNDIA - FEITO COMEÇOU A 8 DE JULHO DE 1497

Vasco da Gama parte do Restelo

Vasco da Gama foi o capitão escolhido por D. Manuel I para comandar a expedição que tinha como missão encontrar o caminho marítimo para a Índia. A armada de Vasco da Gama partiu do Restelo no dia 8 de Julho de 1497 e chegou a Calecute, na Índia, no dia 20 de Maio de 1498.
A frota era constituída por um navio de transporte de mantimentos, a caravela Bérrio, a nau S. Gabriel – capitaneada por Vasco da Gama – e a nau S. Rafael. A viagem inaugural da que viria a ser conhecida como a «Carreira da Índia», abriu uma rota directa entre a Europa e o Oriente.

Navio naufragado há 340 anos pode mudar o que sabemos sobre a história do século XVII

Um navio de guerra britânico afundou em 1682 enquanto transportava um futuro rei. A embarcação foi agora localizada no leste da Inglaterra.

O navio em causa é o Gloucester, que ficou meio enterrado no fundo do mar sem ser detectado até que os irmãos Julian e Lincoln Barnwell e James Little o descobriram em 2007, após uma busca de quatro anos na costa de Norfolk.

EÇA DE QUEIROZ

Um diplomata à beira-mar

Existe uma fotografia de Eça de Queiroz – o maior escritor do país, um dos maiores da Europa, diplomata e amigo pessoal do Rei - na praia, a divertir-se com a filha e uma amiga desta.

Tal como nos aparece na fotografia, não é difícil imaginar a sensação de levar com uma pazada em cheio de areia, e ficar a senti-la a descer, grão a grão, da maçã de Adão até à ponta do dedo grande do pé, depois de passar por colarinhos revirados, plastron, ceroulas e polainas.

José Maria Eça de Queiroz iniciou a sua carreira de diplomata em 1872, quando um despacho de dezasseis de março daquele ano, do Ministro e Secretário dos Negócios Estrangeiros, João Andrade Corvo, de um governo chefiado por Fontes Pereira de Melo, o nomeou Cônsul de primeira classe em Havana.

VIAJANDO PELA HISTÓRIA

Quando os ancestrais dos elefantes viviam junto às margens do Tejo

Não muito longe do campus da Alameda do Técnico foram encontrados “dentes muito grandes” de antepassados de mastodontes, com cerca de 20 milhões de anos, época em que estes ancestrais dos elefantes viviam junto às margens do rio Tejo. Estão atualmente no Museu Décio Thadeu, do Técnico, dirigido por Manuel Francisco, que lhes atribui “um significado particular”: mostram que existiram aqui, no exato local onde milhares de alunos se formam, elefantes durante muitos milhões de anos.

A Volta ao Mundo em 200 mensagens

Bem vindos a 1519. Esta é a grande viagem que o português Fernão de Magalhães fez aos 39 anos, partindo de Sevilha com 237 homens ao encontro de lugares da Terra que poucos tinham visto e onde existiam coisas raras e valiosas.

PORTO DE LEIXÕES

Conheça a história dos titans

Tal como o antigo porto de Rodes, que possuía à entrada uma gigantesca estátua em bronze de Apolo (uma das famosas e desaparecidas Sete Maravilhas do Mundo Antigo), também Matosinhos e o seu porto de Leixões possuíam os seus “colossos”. Metálicos. Dois. Um em cada molhe. Únicos no mundo, os “titans” são monumentais guindastes que documentam de forma privilegiada a época da arquitectura e engenharia do ferro e da energia a vapor.

O discreto armazém de Lisboa onde se recuperam tesouros náuticos nacionais

É no Centro Nacional de Arqueologia Náutica e Subaquática que se estudam, identificam a recuperam as peças encontradas em contextos aquáticos ou ligadas ao mar. A cidade de Lisboa e o rio Arade, no Algarve, são dois dos locais ricos neste tipo de arqueologia.

DOCUMENTÁRIO

Fernão de Magalhães e o Algarve na Primeira Viagem à Volta do Mundo (1519-1522)

Antes da preparação da Armada das Especiarias ou das Molucas, a qual partiu do porto de SanLucar de Barrameda, no dia 20 de setembro de 1519, o Capitão geral da Armada, Fernão de Magalhães, anos antes, participou em várias viagens que o levariam ao Oriente e ao norte de Marrocos. Numa dessas viagens, participou na conquista de Azamor, colocando-se a seguinte interrogação: Terá Fernão de Magalhães permanecido na área geográfica da Carrapateira e Bordeira, localidades atualmente incluídas no Município de Aljezur, quando do regresso de Marrocos, a caminho de Lisboa?

Total: 429
1 [2] 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22