Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística




Naufrágio do «Amoco Cadiz» no Diário de Lisboa

O "Diário de Lisboa" de 17 de Março de 1978 dedicou apenas uma breve ao acidente com o "Amoco Cadiz". Na página 12, outro tema em foco era o Canal do Panamá. No dia do desastre com o petroleiro, a manchete era dedicada ao rapto de Aldo Moro.

14 DE MARÇO DE 1934

Morre o Contra-Almirante João do Canto e Castro Silva

O contra-almirante João de Canto e Castro Silva Antunes foi eleito Presidente da República a 16 de Dezembro de 1918, em substituição de Sidónio Pais e logo após o assassinato deste, num momento em que Bernardino Machado, no exílio, era ainda, à luz da Constituição, o legítimo Presidente.

João do Canto e Castro Silva nasceu em Lisboa a 19 de Maio de 1862 e morreu a 14 de Março de 1934.
Oficial da Marinha, foi promovido a contra-almirante em 1917.

4 DE MARÇO DE 1394

Nasce o Infante D.Henrique

Quinto filho do Rei D. João I e de D. Filipa de Lencastre, D. Henrique (O Navegador) nasceu a 4 de Março de 1394 na cidade do Porto, tendo vindo a falecer, na vila de Sagres, a 13 de Novembro de 1460.

O navegador inglês James Cook descobre o território da Austrália

No dia 21 de agosto de 1770, o capitão James Cook reivindica o território da ctual Austrália para a coroa do Reino Unido, dando-lhe o nome de Nova Gales do Sul.

REUTERS

Mapa prova que os portugueses descobriram a Austrália

Não foram os britânicos nem os holandeses que descobriram a Austrália, mas sim os portugueses. Assim o prova o mapa encontrado numa biblioteca em Los Angeles. Cristovão de Mendonça foi o lider de uma expedição de quatro barcos em 1522 que chegou a Botany Bay na Austrália. Quase 250 anos depois chegava o capitão James Cook.

«Os portugueses estiveram na Austrália; os ingleses descobriram-na»

Há onze anos, João Oliveira e Costa foi à Austrália em trabalho. Querendo avaliar as necessidades da comunidade portuguesa instalada nos nossos antípodas, o historiador da Universidade de Lisboa resolveu perguntar aos compatriotas o que é que eles precisavam. “Equipamentos de mergulho”, responderam. “Porquê?”, terá perguntado. “Queremos ir buscar ao fundo do mar as provas de que os portugueses foram os primeiros a chegar cá”, responderam eles.

22 DE FEVEREIRO DE 1943

Hidroavião Yankee Clipper afunda-se no Tejo

No final da tarde do dia 22 de Fevereiro de 1943 o hidroavião Yankee Clipper afundou-se no Tejo quando se preparava para amarar no aeroporto de Cabo Ruivo.
Vindo dos Estados Unidos, o Clipper, como ficou conhecido, tinha feito escala nos Açores, numa rotina que durava há já 4 anos sem que se verificasse qualquer acidente.
Apesar do rápido accionamento das equipas de socorro, tanto das companhias de aviação presentes no aeroporto como dos bombeiros e de outras corporações de assistência, foi elevado o número de desaparecidos.
 

19 DE FEVEREIRO DE 1855 - Primeira previsão internacional do tempo

Em Novembro de 1854, um forte vendaval no Mar Negro destruiu completamente a frota conjunta da Inglaterra, França e Turquia, países que lutavam na Guerra da Crimeia. Eram as forças da natureza guiando os destinos do homem. Para evitar novas surpresas meteorológicas no futuro, Napoleão III encarregou Urbain Leverrier, astrónomo e director do Observatório de Paris, de estudar o fenómeno.

17 DE FEVEREIRO DE 1869

Nasce Gago Coutinho

Gago Coutinho concebeu o primeiro sextante com horizonte artificial a ser usado a bordo das aeronaves. Com o apoio desse instrumento, realizou a primeira travessia aérea do Atlântico Sul, entre Lisboa e o Rio de Janeiro, na companhia de Sacadura Cabral. Executou levantamentos geográficos dos territórios ultramarinos determinantes para a cartografia. Ficou célebre. “É um apaixonado pela vida e pelo saber. Um homem à frente do seu tempo”*.
Passam hoje 143 anos do nascimento de um homem que integra, de pleno direito, lugar de honra na Galeria dos Grandes Portugueses.

ODISSEIA COMEÇOU A 16 DE FEVEREIRO DE 1980

2 DE DEZEMBRO DE 1983 - Tollan: finalmente a cambalhota

A 16 de Fevereiro de 1980, no meio de um cerrado nevoeiro no estuário do Tejo, o cargueiro sueco Barranduna colide, junto do Cais do Tabaco, com o porta-contentores inglês Tollan. Este último vira-se, com a quilha para cima, tendo, mais tarde, flutuado até junto ao Cais das Colunas. Durante três anos, oito meses e quinze dias, todas as tentativas realizadas no sentido de o por novamente a flutuar revelam-se infrutíferas. Os lisboetas passam a viver na expectativa de que uma dessas tentativas consiga fazer com que a quilha do navio naufragado dê a volta, ficando novamente em posição de poder navegar. Inúmeras anedotas e rábulas são criadas tendo por tema o Tollan. Até que, a 2 de Dezembro de 1983, uma grua gigante consegue finalmente voltá-lo.

Experiências de TSF no Cruzador D. Carlos

A 26 de Maio de 1902, são efectuadas mais algumas experiências de T.S.F. Trocaram-se mensagens entre a estação de semáforos de Cascais e o cruzador “D. Carlos”; a estação estava apetrechada com um equipamento da marca Slaby & Arco.
Esta experiência de T.S.F. apenas mereceu umas linhas explicativas do feito na imprensa da época. Entre outras noticias apenas o título «Telegraphia sem fios» se destacava.

VEJA UM FILME DE 1913

O Naufrágio de Veronese

Vídeo da Invicta Film disponibilizado pela Cinemateca Nacional.

1934

Londrinos ficam com o Tejo... e com o Douro também

"Está concluído mais um navio do programa naval em execução: o contra-torpedeiro «Tejo», construído em Portugal e por operários portugueses, nos estaleiros da Sociedade de Construções Navais, navio que, por sinal, não ficará, bem como o «Douro», pertencendo à Armada Portuguesa, pois foram os dois cedidos, em condições especiais, à casa inglesa Vickers, que assim o pediu ao govêrno português, para satisfazer uma encomenda urgente que teve de um país sul-americano".

3 DE FEVEREIRO DE 2006

Al Salam Boccaccio 98 afunda-se devido a incêndio no porão - Mais de 1000 mortos

Um incêndio a bordo do ferry egípcio Al Salam Boccaccio 98 [IMO nb - 6921282] espoletou uma série de incidentes que levaram ao seu naufrágio no Mar Vermelho, a 3 de Fevereiro de 2006, causando mais de 1 000 mortos.
As investigações preliminares indicavam que um camião havia irrompido em chamas no porão de carga do navio Ro-Ro. Após tentativas da tripulação para extinguir o fogo, os esforços do capitão para rodar o navio de volta fez com que este adornasse e afundasse, já que na altura tanto o vento como o mar estavam muito agitados. Alguns dos sobreviventes afirmam que o adornamento ocorreu pouco antes do naufrágio.

A 15 DE JANEIRO DE 1950 PASSOU A FUNCIONAR COMO FAROL AERO-MARÍTIMO

Farol de Sines

Este farol foi estabelecido no fim da primeira quinzena do mês de abril de 1880.
O edifício do farol era composto de três corpos, sendo os dois inferiores compostos, cada um, de um pavimento, e o superior constituído por uma torre cilíndrica, tendo no coroamento uma varanda de ferro, e na parte superior um corpo cilíndrico de menor diâmetro, sobre o qual assentava a lanterna.

REGRESSO A ALMADA A 18 DE JULHO DE 2009

CACILHAS - O farol-ambulante

A 18 de Julho de 2009 realizou-se a cerimónia de recolocação e cedência ao município de Almada, do antigo Farol de Cacilhas.
O ex-Farol de Cacilhas, no período entre finais de 1983 e o ano de 2004, substituiu o Farol da Serreta (parcialmente destruído por um forte sismo) e, a pedido da autarquia de Almada que considerava o Farol de Cacilhas como parte da história e do património cultural daquela edilidade, foi em 4 de Outubro de 2007, celebrado um protocolo com a Marinha conducente à execução pela Direcção de Faróis da recuperação da estrutura metálica do farol, sua montagem em local a definir e instalação de um sistema de iluminação de baixa intensidade, passando a constituir uma nova “conhecença”, embora sem funções de Ajuda à Navegação.
 

9 DE JANEIRO DE 1970

Avaria grave no paquete IMPÉRIO

A 9 de Janeiro de 1970, quando o IMPÉRIO se dirigia para Angola e Moçambique, com a sua sempre excessiva lotação de militares, as máquinas pararam, deixando o navio à deriva e a meter água. A preocupação começou a manifestar-se entre os soldados (que, na sua esmagadora maioria, nunca haviam utilizado tal meio de transporte), pelo facto de ter faltado a energia eléctrica e, também, por não receberem informaçõesa dignas de fé sobre o que realmente se passava a bordo.

PAQUETE «FUNCHAL»

Viagem inaugural a 4 de Novembro de 1961

Ao fim da manhã de 4 de Novembro de 1961, o então novo paquete FUNCHAL largou do cais da Gare Marítima de Alcântara no início da sua primeira viagem, com destino ao Funchal, Ponta Delgada, Horta e Angra do Heroísmo.
Construído em Elsinore, na Dinamarca, por encomenda da Empresa Insulana de Navegação, o FUNCHAL representou uma melhoria muito significativa na carreira de Lisboa para os Açores e Madeira. Para além da grande velocidade, superior a 20 nós, o FUNCHAL proporcionava modernidade e conforto nas viagens insulares, tendo em vista fomentar o turismo.

17 DE DEZEMBRO DE 1929

Lançado à água o paquete «Carvalho Araújo»

Em 1930, a Empresa Insulana de Navegação, agradecida pelo facto do primeiro-tenente Carvalho Araújo ter salvo com o sacrifício da sua vida o paquete "SAN MIGUEL", decidiu baptizar o seu novo paquete, construído em Italia, no estaleiro Cantiere Navale Triestino, em Monfalcone, com o nome "CARVALHO ARAÚJO". Foi uma justa homenagem ao valoroso Marinheiro que, interpondo o navio do seu comando, o patrulha de alto mar "AUGUSTO DE CASTILHO", entre o submarino alemão "U-139" e o paquete "SAN MIGUEL" conseguiu que aquele chegasse a salvo ao porto de Ponta Delgada.
Tendo sido lançado à agua em Monfalcone, em 17 de Dezembro de 1929, a sua construção ficou terminada em Março de 1930 e iniciou a sua viagem inaugural à Madeira e aos Açores, em 23 de Abril daquele ano.

ARTIGO DA «REVISTA DE MARINHA»

Quatro navios com o nome de «CARVALHO ARAÚJO»

Não restam quaisquer dúvidas de que o primeiro-tenente Carvalho Araújo, comandante do patrulha de alto mar "AUGUSTO DE CASTILHO", foi o herói máximo da Armada Portuguesa durante a Grande Guerra, sendo por demais conhecido o episódio do combate com o cruzador-submarino alemão "U-139", em que Carvalho Araújo deu a sua vida para salvar o paquete "SAN MIGUEL", da Empresa Insulana de Navegação, por si escoltado, que tinha a bordo 54 tripulantes e transportava 206 passageiros e muitas toneladas de carga.
Por tudo isso foram justas homenagens atribuir o seu nome, em épocas diferentes, a quatro navios Portugueses, dois de guerra e dois de comércio.

Total: 422
1 2 3 4 5 6 7 8 [9] 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22