Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística




VIAJANDO PELA HISTÓRIA

Algarve nos inícios do século XX

De entre os portos, destacava-se o de Vila Real, nunca assoreado devido às contínuas dragagens realizadas pela Companhia das Minas de São Domingos, para garantir o escoamento de minério, bem como pela exportação de conservas e outros produtos regionais.
Os de Vila Nova de Portimão (só seria cidade em 1924), Faro e Tavira estavam muito assoreados, pelo “abandono a que têm sido votados e em que provavelmente continuarão”.

As gentes do mar tinham uma vida monótona, “o tempo não lhe sobeja para divertimentos, só o mau tempo lhes dá folga participando então em feiras e romarias, tal como as gentes do campo”. Viviam a maior parte do tempo afastados dos povoados, estabelecidos em cabanas de colmo “que se vêem ao longo da costa, em frente das suas armações”. Os pescadores são arrojados e os de Olhão têm justificada celebridade.
 

VIAJANDO PELA HISTÓRIA | 1941

A indústria conserveira em Portimão

Frequentes em Portimão eram os bairros destinados aos trabalhadores conserveiros: “Portimão tem ainda digno de menção um lindo Bairro Operário para os trabalhadores das suas Fábricas com 100 moradias de 3 tipos, cujas rendas são de 45$00, 55$00 e 65$00”. Apesar de concluído com o apoio do Estado, obairro fora da iniciativa de Caetano Feu. Outros bairros privativos existiam, como o das firmas Fialho, Feu, Facho e Sociedade Peninsular.

O litoral português, percepções e transformações na época contemporânea:

De espaço natural a território humanizado

Território ignorado e evitado, durante muitosséculos, o litoral permaneceu entregue aqueles que se dedicavam à pesca, à navegação de cabotagem ou à defesa da fronteira marítima, até ao despertar do desejo colectivo da praia, fenómeno que se iniciou em Inglaterra e França a partir meados do século XVIII e um pouco mais tarde em Portugal (segunda metade do século XIX).

VIAJANDO PELA HISTÓRIA

Ligação ferroviária ao Porto da Figueira da Foz

O actual acesso ferroviário ao Porto Comercial da Figueira da Foz, o primeiro da Região Centro e um dos três primeiros do paÍs, foi inaugurado no início da década de 2000. Não se tratou de uma novidade absoluta, uma vez que a infraestrutura portuária figueirense já utilizara o comboio como meio de transporte de mercadorias no início do século XX.

VIAJANDO PELA HISTÓRIA

Carvoeiro em 1918

Carvoeiro constituía a terceira praia sugerida pelo guia "“As nossas Praias – indicações gerais para uso de banhistas e turistas”. Povoação piscatória, com “uma bela praia de banhos e excelentes casas de habitação, tanto permanente como temporária”.

Durante o Verão, funcionava um casino com interessantes diversões e com todas as comodidades para os banhistas. Construído por Patrício Eugénio Júdice, era então, em 1918, explorado pela sua viúva. Nas imediações, localizavam-se quatro armações de sardinha e uma de atum. O principal comércio da área era vinho, figo, amêndoa e alfarroba, que exportava com profusão.

VIAJANDO PELA HISTÓRIA

«Praia de Santa Catharina» ou «Praia da Rocha»

Já nos finais do século XIX muitos banhistas se hospedavam nas casas e quintas que rodeavam a costa, desfrutando da grande atracção que era “Praia de Santa Catharina” ou “Praia da Rocha”. Em 1894 Julião Lourenço Pinto faz uma das primeiras descrições da «singular e pitoresca praia, como certamente não há outra no país em equivalência de encantos e em condições hidrográficas tão vantajosas».

VIAJANDO PELA HISTÓRIA

Albufeira em 1918

Albufeira era considerada regular, muito concorrida, principalmente nos meses de Setembro e Outubro. Na vila, não obstante ser reconhecida como uma das “mais comerciais de toda a província”, não existiam hotéis, apenas duas hospedarias modestas, pertença de António Vieira e Bernardino da Silva.

O aglomerado urbano encontrava-se dividido pela ribeira, em duas partes, comunicando ambas por uma ponte de apenas um arco. O peixe era muito abundante e saboroso, pelo que ali demandavam pescadores do Algarve e do Alentejo.

VIAJANDO PELA HISTÓRIA

«Casino da Praia» em Cascais

O “Casino da Praia” localizava-se em Cascais, na Praça Miguel Bombarda, a que corresponde o actual Passeio D. Luís I. Propriedade da “Comissão de Propaganda de Cascais”, teve origem no “Club de Cascaes”, também referenciado como «Casino de Cascaes», cuja abertura terá ocorrido em 1873.

VIAJANDO PELA HISTÓRIA | PRAIA DA LUZ, LAGOS, 1918

«Uma das mais lindas e desafogadas praias do nosso litoral»

A Praia da Luz, em Lagos, era tida como “sobremaneira interessante”, “uma das mais lindas e desafogadas praias do nosso litoral”, ou não apresentasse “pontos de vista de uma superior beleza, que jamais nos podem esquecer”. Motivos que ali levavam extraordinária concorrência, não só de algarvios, famílias do Baixo Alentejo, mas de Espanha, também.

Existia um casino, de iniciativa de António Santos, no qual eram promovidas as diversões típicas. Aos domingos e dias de folga, decorriam “bailaricos e descantes”.

Os elefantes da costa Vicentina

Na Praia do Malhão e noutras praias do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, o Verão costuma trazer milhares de visitantes. Poucos sabem, porém, que esta região já era popular há cem mil anos. Os visitantes de então eram mais robustos, verdadeiros pesos-pesados, mas percorreram os mesmos campos dunares (então mais extensos) que hoje delimitam as praias bravias do Alentejo.

VIAJANDO PELA HISTÓRIA | 1918

«As nossas Praias - indicações gerais para uso de banhistas e turistas»

A Sociedade de Propaganda de Portugal, criada em 1906, deu à estampa, em 1918, um guia intitulado “As nossas Praias – indicações gerais para uso de banhistas e turistas”.

O pequeno livro de quase 100 páginas tinha como objetivo “chamar as atenções gerais para as utilidades e belezas naturais do nosso país” e logo de coligir e coordenar “dados e informações [que] por aí correm dispersos acerca das praias de Portugal, (…) tudo quanto possa elucidar sucintamente, a portugueses e a estrangeiros, acerca do número, do valor e da variedade das nossas estações balneares, muitas das quais, sem nada ficarem a dever às mais afamadas praias do estrangeiro”.

VIAJANDO PELA HISTÓRIA | 1846

De Lisboa a Faro, por Castro Verde: 41 léguas

Três dos itinerários propostos no «Guide du Voyageur en Espagne et en Portugal», de 1846, cruzam o Algarve: de Lisboa a Faro, por Castro Verde; De Faro a Castro Marim, por Tavira; e de Faro a Lagos.

A viagem de Lisboa a Faro, por Castro Verde, compreendia 41 léguas. Depois de sair da capital do reino, o passageiro aportava na pequena aldeia da Moita, onde os habitantes se dedicavam à pesca e à agricultura, produtos que vendiam depois em Lisboa.

VIAJANDO PELA HISTÓRIA

O Algarve em 1846, num Guia de Viagens francês!

As praias algarvias apenas começaram a ser frequentadas nas primeiras décadas do século XX. Antes, os banhos de mar não atraíam gentes à província sulina. Na verdade, não havia com assiduidade «passagem de pessoas estranhas» pela região, como referia, em 1841, o lacobrigense João Baptista Lopes, na sua «Corografia do Reino do Algarve».

Pese embora esta realidade, o Algarve já era incluído nos guias dos viajantes europeus, como o publicado em Paris, por Richard et Quétin, em 1846, intitulado «Guide du Voyageur en Espagne et en Portugal», numa edição de L. Maison.

VIAJANDO PELA HISTÓRIA

Ir à praia: como tudo começou

Banho frio de mar era bom para a saúde. Os primeiros registos sobre os banhos referiam as suas funções terapêuticas e a receita terá chegado a Portugal em 1753. Há mesmo descrições de que o rei D. João VI, que cruzou o Atlântico em 1808 com a corte, usou-os depois no Brasil e, escrevem os historiadores, estes são os únicos registos de banho que existem dos 13 anos que viveu naquele país.

30 DE JULHO DE 1922

O comboio chega a Lagos

A inauguração do caminho de ferro de Portimão a Lagos aconteceu a 30 de Julho de 1922. Foi um verdadeiro momento de júbilo para as populações servidas pela nova linha.
O dia amanheceu em Lagos com uma arruada da banda de música e com salvas de morteiros. Para o jornal “O Século”, a população vivia “horas d’um entusiasmo delirante, chegando a todo o momento forasteiros”.

VIAJANDO PELA HISTÓRIA

Os primeiros dias dos portugueses na praia

As primeiras aventuras balneares em Portugal incluíram dramas, medo, recomendações médicas, fatos-de-banho pÚdicos e flirts com espanholas.

A praia começou por ser um drama. O escritor Gervásio Lobato não conseguiu esquecer os dias negros que viveu aos 5 anos, em Setembro de 1855, quando a família o arrastava para o areal que então existia em frente à Torre de Belém, em Lisboa. "Eu tremia como varas verdes, chorava, gritava, rebolava-me pela areia, fingia doenças, mas era tudo em vão. Vinha o Roque, um banheiro muito alto, muito forte, muito vermelho de cabelos ruivos, pegava em mim e zás! Água te valha. Lembro-me ainda desse tempo com terror. O mês de Setembro era para mim um mês de suplício. Não tinha um minuto de felicidade nos 43.200 minutos desse negregado mês", escreveu na Ilustração Portuguesa em 1885.

O turismo no litoral alentejano - do início aos anos 60 do século XX

O Exemplo de Milfontes

Desde há muito, a população camponesa descia até ao mar nos dias 24 de Junho (nascimento de S. João) e 29 de Agosto (martírio de S. João) para banhos, em que incluíam os gados, cumprindo a velha tradição dos banhos santos. A presença dos animais acabaria por ser proibida por motivos higiénicos, já entrada a segunda metade do século XX.
Em Milfontes, Almograve e Zambujeira, e em toda costa entre Porto Covo e Aljezur, estes banhos têm antiga lembrança. Especialmente o “banho do 29” (que valia por nove) constituía uma prática e um ritual anualmente repetidos. Ao banho na manhã de S. João acorria, por exemplo, à Zambujeira gente de várias freguesias do concelho; e o “do 29” acabaria por dar origem a uma feira, que contribuiu para a formação desta povoação.

Aconteceu em 1962

O Verão chegou e a temperatura arrasou

"Lisboa ficou deserta e as praias quase à cunha... " Noticiava o DN sobre aquele que foi o primeiro fim de semana do Verão de 1962. E, ao contrário do outros anos - o que prova que a sua indefinição não é de agora - veio para arrasar.

"Surgiu assim, no seu dia próprio, marcando de forma déspota o início do seu reinado que vai durar três meses. O lisboeta esperava-o, sabia que no dia 21 de junho, como invariavelmente sucede em todos os dias 21 de todos os meses de junho, o calendário lhe imporia o verão. O que não sabia é que este apareceria tão cioso das suas prerrogativas e tão poderoso para as fazer valer. É que, em outras vezes, o verão, nos primeiros dias do seu mando, nem parece verão. Sem personalidade própria, já tem mesmo começado a reinar pelas mãos do inverno."

ESTA SEGUNDA-FEIRA, 24 DE JUNHO

Inauguração do Centro de Documentação dos Portos de Lisboa, Setúbal e Sesimbra no Barreiro

As ministras do Mar e da Cultura, Ana Paula Vitorino e Graça Fonseca, inauguram esta segunda-feira, dia 24, o Centro de Documentação dos Portos de Lisboa, Setúbal e Sesimbra.
Fazendo parte do projeto de requalificação dos espaços da antiga zona industrial do Barreiro - agora gerido pela “Baía do Tejo”, parceria constituída por diversas entidades, entre elas a Câmara Municipal do Barreiro e a Administração do Porto de Lisboa – este Centro está vocacionado para ser a “torre do tombo” das memórias daqueles três portos e, simultaneamente, um espaço de atualidade que possa refletir o dia a dia da vida dos portos através de notícias, de circuitos audiovisuais e, sobretudo, da presença de trabalhadores portuários, de pescadores, dos clubes desportivos que nasceram com os portos como os de remo e de vela, e com todos aqueles que sentem afinidade com a vivência dos portos.

Ministra do Mar recupera o Titan de Leixões

No quadro dos projetos anunciados por Ana Paula Vitorino, o emblemático Titan de Leixões, que desempenhou um papel principal na génese do porto, vai ser reconstruído tendo sido lançado o concurso internacional para a sua concretização.
Os portos marítimos, a par dos faróis, fazem parte do imaginário coletivo português e a ministra do Mar vem-se empenhando em que a história da construção e evolução das estruturas portuárias, bem como a daqueles que a têm protagonizado, seja mais conhecida e integre a literacia do mar português.

Total: 745