Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística




03.05.1939

Inaugurado o Arsenal do Alfeite

O Arsenal do Alfeite, criado pelo Decreto-Lei n.º 28 408, de 31 de Dezembro de 1937, iniciou a construção das suas instalações em 1928, financiada pelas indemnizações alemãs da 1ª Guerra Mundial, após a assinatura do acordo de Versalhes. As obras de construção foram concluídas em Dezembro de 1937 e entrou em plena laboração em 1938, mas só em 3 de Maio de 1939, o Arsenal do Alfeite foi formalmente inaugurado.

29 DE JUNHO DE 1961

Inaugurada a Doca de Pesca de Pedrouços

As obras “Doca de Pesca de Pedrouços”, tiveram início em 1961, e em 10 de Janeiro do mesmo ano, o jornal “O Século” anunciava:
«A Doca de Pesca de Pedrouços vai ser explorada durante 25 anos por uma empresa nacional e devem melhorara muito os serviços de distribuição do peixe.» mencionando ser a dita empresa «obrigada a manter, na doca de Pedrouços, os seguintes serviços: instalações frigoríficas; fabricação de ar comprimido, câmaras frias; congelação rápida; transporte de peixe; central térmica; laboratório, estufas; aparelhagem para a depuração de água salgada; armazém de caixotaria e serviço de lavagem e desinfecção; estendal e conserto de redes de pesca; armazenamento e distribuição de combustíveis líquidos e lubrificantes; estação de bombagem; segurança contra incêndios; serviço de saúde; guinchos eléctricos e cabos aéreos para transporte de pescado para o interior da lota.».

VIAJANDO PELA HISTÓRIA

As Citroen-peixarias do SAPP

(...) Esta iniciativa foi simultânea com a criação de uma frota, de 152 viaturas-peixarias, “Citröen” HY, entre carros frigoríficos e isotérmicos, para venda ambulante de peixe fresco, pelo “SAPP - Serviço de Abastecimento de Peixe ao País” (...)

VIAJANDO PELA HISTÓRIA

O dóri de Swampscott

Em meados do séc. XIX, nas aldeias de pescadores ao longo da costa de Massachusetts, era comum a construção de dóris desenhados para serem lançados a partir da praia. Em greal, foram três as áreas que acabariam por dar o nome a cada tipo de dóri; o dóry de Cape Ann, o dóri de Gloucester e o dóri de Swampscott. Estas embarcações eram geralmente construídas pelos pescadores na época baixa e mais tarde passaram a ser feitos por pequenos estaleiros navais.

NAUFRÁGIO DO «AIS GEORGIS»

8 de Janeiro 1974: noite dos horrores

No final de 1973, o cargueiro grego Ais Giorgis atracava no cais do Porto de Santos (Brasil), entre os armazéns 30 e 31, para dar início à descarga de caixas, sacos e tambores, com leite em pó, óleo de pinho, resina, além de diversas qualidades de produtos químicos - entre os quais, nitrato de sódio - transportados num único porão.

Uma semana depois, o navio foi protagonista do maior desastre ocorrido nos últimos tempos no Porto de Santos. Uma combustão espontânea numa carga de produtos químicos, motivada pelos pingos da chuva, deu início, às 21 horas de 8 de Janeiro de 1974, a um incontrolável incêndio na carga dos vagões que, depois, passou para o navio, atingindo porões, resto da carga e quase toda a estrutura do cargueiro. Foram três dias e três noites de incêndio.

HERÓIS DO MAR

Na pesca do bacalhau para fugir à tropa

Aperino Marques Gil nasceu nas Alhadas, Figueira da Foz, a 8 de Agosto de 1938. Com apenas três anos foi viver para a Praia de Mira, onde reside ainda hoje. Como tantos outros, viu na pesca do bacalhau uma fuga ao serviço militar e ao destino quase certo dos jovens naquele tempo: a mobilização para a Guerra do Ultramar.
Seis anos de “Faina Maior”, sem nunca chegar a fazer uma refeição que fosse de batata com bacalhau fresco cozido, o “pão nosso de cada dia” a bordo dos navios bacalhoeiros.

EMBARQUE DA FAMÍLIA REAL PARA O EXÍLIO

Desfaz-se uma dúvida que começava a ser histórica

As circunstâncias do embarque da família real para o exílio, após o 5 de Outubro de 1910, revisitadas pelo "Diário de Lisboa" (edição de 10 de Dezembro de 1938), através de entrevista ao comandante do iate real "Amélia".

BRASIL

Porque é que Natal se chama Natal?

(...) O forte foi concluído no dia 24 de Junho de 1598 e, nas circunvizinhanças, logo se formou um povoado que, segundo alguns historiadores, foi chamado de "Cidade dos Reis". Tempos depois, o povoado mudou de nome passando a chamar-se "Cidade do Natal". Para alguns escritores, o nome Natal é explicado em duas versões: a primeira refere-se ao dia em que a esquadra penetrou na barra do Potengi; a segunda tem ligação directa com a data da demarcação do sítio primitivo da cidade, realizada por Jerónimo de Albuquerque no dia 25 de Dezembro de 1599.

CORREIA DA CUNHA

O padre-marinheiro que adorava o fado

A 23 de Janeiro de 1943, o Padre Correia da Cunha foi admitido ao serviço da Armada como Capelão equiparado a segundo-tenente, onde colaborou até Outubro de 1961.
Capelão da Armada, nos inícios dos anos 40, fundou, em colaboração com o Capelão Perestrelo de Vasconcelos, a Associação dos Marinheiros Católicos Portugueses.
A sua alma de marinheiro-poeta só se podia sentir bem no local donde partiram as caravelas para as conquistas do novo mundo. Alfama era a Lisboa das marinhagens, das varinas cheirando a sol e mar, das gaivotas sobrevoando o seu enamorado Tejo, dos becos e das ruelas, das quimeras de amor.

13 DE NOVEMBRO DE 1923

Navios da «República dos Sovietes» impedidos de entrar no Tejo

A 13 de Novembro de 1923, são tomadas medidas rigorosas para navios que entrem no porto de Lisboa, pertencentes a países que não estejam reconhecidos por Portugal, como os da República dos Sovietes. Assim, estes navios não poderão entrar no Tejo, devendo ficar em Paços de Arcos, sob vigilância da polícia marítima.
Curiosamente, foi nesse preciso dia que a primeira bandeira oficial da União Soviética, que havia sido desfraldada durante curtos quatros meses, foi substituída, passando a ostentar a foice e o martelo.

O perfil da margem ribeirinha de Lisboa em meados do século XIX

“Cidade disposta em anfiteatro, em sucessivos terraços... ora perdendo-se lá longe,... ora avançando sobre o rio como o estreito tombadilho duma nau. [...] Como aproveitou o lisboeta estas condições naturais tão singulares, esta dádiva do céu e da água? Que partido tirou ele do Tejo? Voltou-lhe as costas, simplesmente”. Era neste tom pessimista que o escritor, ensaísta e jornalista Raul Proença (1884-1941) apresentava as suas impressões gerais da cidade no 1º volume do Guia de Portugal, dedicado a Lisboa e arredores, publicado em 1924.

VIAJANDO PELA HISTÓRIA DO PORTO DE LISBOA

Emprehendimento de promover Lisboa á cathegoria de caes da Europa

Na primeira década do século XX, a tendência da municipalidade de tornar a apostar no embelezamento da zona ribeirinha, nomeadamente do Aterro da Boa-Vista e avenida 24 de Julho, continuava na ordem do dia. Em 1906, o vereador Sabino Coelho (1853-1938) colocou na ordem de trabalhos a questão do embelezamento da zona ribeirinha ocidental. A causa desta nova chamada de atenção era o “emprehendimento de promover Lisboa á cathegoria de caes da Europa”, em que estava empenhada a recém-formada Sociedade de Propaganda de Portugal.

 

Porto e Gaia antes das pontes

Ao longo dos séculos as populações ribeirinhas do Porto e Gaia terão tido a necessidade e o desejo de comunicar entre si, de trocar bens e serviços.
O atravessamento, como em toda a parte, fazia-se em barcos e jangadas. A avaliar pelas gravuras antigas o tráfego de embarcações e navios era muito intenso o que denota uma estreita relação entre as populações das duas margens. A partir de 1744 estabelece-se uma carreira regular para passagem entre o Porto e Gaia.
Circunstâncias especiais terão levado à construção de passadiços assentes sobre barcaças, isto é de pontes de barcas.

03.11.1936

Navio-escola Sagres ruma ao Brasil

Antes da partida, o Ministro da Marinha foi a bordo e falou aos oficiais e cadetes, lembrando-lhes a missão honrosa em que iam investidos. O Comandante Ortins de Bettencourt embarcou depois num submarino e fez uma imersão fora da barra.

21 DE OUTUBRO DE 1805

Trafalgar, o histórico combate no mar

Imagine uma fortaleza com muralhas de três andares de altura, armada com 80 canhões. E 60 dessas fortalezas flutuam no mar, manobrando lentamente, trocando tiros a poucos metros de distância e, às vezes, colidindo. Essa cena épica foi o que aconteceu na famosa Batalha do Cabo de Trafalgar, cerca de 30 km a oeste do estreito de Gibraltar. Ali naufragou definitivamente o plano de Napoleão para subjugar a Inglaterra. A 21 de Outubro de 1805, 27 navios britânicos encontraram 33 navios da frota napoleónica - 18 franceses e 15 espanhóis. Seis horas depois, os ingleses haviam capturado 17 navios inimigos e destruído outro sem perder nenhum dos seus. Mas a vitória custou a vida ao vice-almirante Horatio Nelson, o herói mais popular de Inglaterra.

NA GARE MARÍTIMA DA MADEIRA, ATÉ 3 DE JANEIRO

Exposição sobre os 90 anos do Raid Aéreo Lisboa-Funchal

Uma exposição alusiva aos 90 anos do Raid Aéreo Lisboa – Funchal que teve lugar a 22 de Março de 1921 está patente até ao próximo dia três de Janeiro na Gare Marítima da Madeira, integrada nas comemorações do Dia do Mar e por iniciativa da Marinha Portuguesa.
Os oficiais da Marinha Gago Coutinho, Sacadura Cabral e Ortins de Bettencourt, acompanhados do mecânico Roger Soubiran viajaram a bordo do hidroavião Felixtowe F.3, num voo que foi o primeiro entre o Continente e a Madeira e o grande teste para a travessia do Atlântico, conseguida em 1922.

CEGO DO MAIO | NASCEU A 8 DE OUTUBRO DE 1817

Uma história singular

«Nunca receava o perigo, e ainda há poucos dias, quando o grande rolo do mar e a arrebentação na costa da Póvoa expunham a perigo iminente mais de 200 lanchas da pescaria (entrando a do Cego do Maio nesse número), apenas devido à sua coragem e perícia, pôs pé em terra na Cachina, correu para o sítio do salva-vidas, que até então se conservava imóvel, reconhece o grande perigo: nem chores nem lágrimas o detêm, e apenas entra dentro do frágil lenho, encontra companheiros aventurosos, dirigem-se para a barra, transpõem-na, e dirigindo o rumo dos infelizes pescadores, extenuados pela ansiedade, pelo trabalho e pela fome, guia para dentro da barra 60 lanchas, com cerca de 700 tripulantes, e é ele o último que abandona o posto de honra, quando já tinha escurecido!»
 

SEQUESTRO NAS PÁGINAS DO «DIÁRIO DE LISBOA»

«Achille Lauro» levava a bordo 78 portugueses

Segunda-feira, 7 de Outubro de 1985. As manchetes dos jornais portugueses gritavam, em uníssono, a débâcle socialista, e o retumbante aparecimento do epifenómeno PRD.”Eanes é o grande vencedor”, manchetava o “Diário de Lisboa”. No dia seguinte ficava a saber-se que o “Achille Lauro” levava a bordo 78 portugueses.

2 DE OUTUBRO DE 1947

O encalhe do navio hidrográfico «D. João de Castro» nas águas de Cabo Verde

A última missão do navio, que acabou em tragédia, desenrolou-se nas águas de Cabo Verde. A 2 de Outubro de 1947 recebia-se um rádio no ministério da Marinha, em Lisboa, em que se dizia que o «D. João de Castro» encalhara e que em princípio estava perdido, no “litoral da ilha de Santo Antão, no arquipélago dos ‘Açores’ na zona de Janela”. Isto dizia-o o «Diário Popular», no dia seguinte, através da caneta de um jornalista pouco ilustrado nas coisas geográficas. A notícia prosseguia, avançando alguns dados sobre o sinistro.

 

PRÍNCIPE PERFEITO

D. João II - O Rei que deu o nome ao paquete

Filho de D. Afonso V, subiu ao trono em 1481, sendo certo que exercia já há alguns anos o poder de facto. Com efeito, as frequentes ausências do reino, por parte de D. Afonso V, põem-lhe nas mãos o governo do país.
Durante o seu reinado toda a costa ocidental da África foi navegada, dobrou-se o Cabo da Boa Esperança e preparou-se por terra com as viagens de Pêro da Covilhã e Afonso de Paiva, a viagem de Vasco da Gama à índia, a que o monarca já não assistiria. Em 1494, assina-se o tratado de Tordesilhas, dividindo-se a terra em duas zonas de influência, a atribuir a Portugal e à Espanha. Dentro da zona de influência portuguesa ficava o Brasil, o que permite supor que o monarca tinha conhecimento da existência dessas terras.
 

Total: 409
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 [17] 18 19 20 21