Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística




MAIS DE 5 MIL MORTOS

30 de Janeiro de 1945: Naufrágio do navio Wilhelm Gustloff

No final de Janeiro de 1945, a poucas semanas do fim da Segunda Guerra Mundial, multidões de alemães estavam em fuga do cerco soviético no centro da Europa. Enfrentando temperaturas de 20 graus Celsius negativos, o formigueiro humano vinha em direcção à costa do Mar Báltico. Na maioria eram mulheres e crianças, com a expectativa de entrar num navio com destino ao Ocidente.

24 DE JANEIRO DE 1808

Família Real chega ao Brasil

A 29 de Novembro de 1807, a família real, acompanhada de um imenso séquito de fidalgos, de altos funcionários, e da tropa que havia disponível na capital, embarca para o Brasil. No dia seguinte, o general Junot entrava em Lisboa, ainda a tempo de aprisionar alguns navios do comboio real, mais retardatários na partida, e que não tiveram oportunidade de escapar. A viagem foi cheia de peripécias, devidas ao pavor que se apoderou dos fugitivos. Por último, ainda, fortes temporais dispersaram a frota, sendo parte dela obrigada a aportar na Bahia, onde a corte desembarcou. a 24 de Janeiro de 1808.

ENTROU EM FUNCIONAMENTO A 23 DE JANEIRO DE 1923

Farol de Vila Real de Sto. António

Ligado à rede de distribuição pública de energia eléctrica em 1947, viu a máquina de relojoaria que movimentava o aparelho substituída por motores de rotação; em 1950 foram-lhe instalados vários sistemas de alarmes automáticos sonoros e luminosos, a exemplo do que pouco antes se fizera em Aveiro, no Cabo da Roca e no Cabo de Santa Maria. Dez anos mais tarde recebeu o ascensor para acesso à lanterna.
 

QUANDO UM NAVIO FICA PARA A HISTÓRIA

Desvio do «Santa Maria» a 22 de Janeiro de 1961

O desvio do paquete 'Santa Maria' começa na madrugada de 22 de Janeiro de 1961, com a entrada de vários membros na ponte de comando do navio, e durante vários dias vai concentrar as atenções de todo o mundo para a primeira acção política deste género. Inicia-se um acontecimento que vai marcar o tom da contestação a Salazar, ao regime e à política colonial.

 

VIAJANDO PELA HISTÓRIA

Latas de conserva da Ramirez encontradas na despensa de Hitler

No ano em que morreria Dona Maria II e rebentava a guerra da Crimeia, o andaluz Sebastian Ramirez descia o Guadiana e fundava em Vila Real de Santo António a primeira conserveira portuguesa. O investimento combinava a preparação de atum em salmoura com a produção de tecidos e fardas. Mas depressa a família abandonou o têxtil e se concentrou no negócio que lhe daria fama e proveito.

«DORI» afundou a 16 de Janeiro de 1964

O "Edwin L. Drake", agora "Dori", não tem nada a ver com os “nossos” dóris da pesca do bacalhau. Lançado à água em 1943, pela War Shipping Administration (International Freighting Corp) dos Estados Unidos da América, com o nome de Edwin L. Drake, começou por ser um Liberty-ship, participando na "Operação Overlord", o desembarque na Normandia, a 6 de Junho de 1944 (Dia D).

A 15 DE JANEIRO DE 1950 PASSOU A FUNCIONAR COMO FAROL AERO-MARÍTIMO

Farol de Sines

Este farol foi estabelecido no fim da primeira quinzena do mês de abril de 1880.
O edifício do farol era composto de três corpos, sendo os dois inferiores compostos, cada um, de um pavimento, e o superior constituído por uma torre cilíndrica, tendo no coroamento uma varanda de ferro, e na parte superior um corpo cilíndrico de menor diâmetro, sobre o qual assentava a lanterna.

REGRESSO A ALMADA A 18 DE JULHO DE 2009

CACILHAS - O farol-ambulante

A 18 de Julho de 2009 realizou-se a cerimónia de recolocação e cedência ao município de Almada, do antigo Farol de Cacilhas.
O ex-Farol de Cacilhas, no período entre finais de 1983 e o ano de 2004, substituiu o Farol da Serreta (parcialmente destruído por um forte sismo) e, a pedido da autarquia de Almada que considerava o Farol de Cacilhas como parte da história e do património cultural daquela edilidade, foi em 4 de Outubro de 2007, celebrado um protocolo com a Marinha conducente à execução pela Direcção de Faróis da recuperação da estrutura metálica do farol, sua montagem em local a definir e instalação de um sistema de iluminação de baixa intensidade, passando a constituir uma nova “conhecença”, embora sem funções de Ajuda à Navegação.
 

COSTA CONCORDIA

Simbolismo e comoção na cerimónia do primeiro aniversário da tragédia

Sobreviventes e familiares de vítimas do naufrágio do Costa Concordia lembraram este domingo na ilha de Giglio, em Itália, o primeiro aniversário da tragédia, tendo como pano de fundo o próprio navio, que continua encalhado no mesmo local onde afundou parcialmente. Algumas daquelas pessoas que viveram de perto o naufrágio na fria noite de 13 de janeiro de 2012 voltaram à pequena ilha italiana para homenagear os 30 mortos e dois desaparecidos.

Destroços do «Costa Concordia» removidos em Setembro

A remoção dos destroços do "Costa Concordia", o navio encalhado há um ano no pequeno porto da ilha toscana de Giglio, ocorrerá o mais tardar em Setembro, prometeu este sábado o chefe da protecção civil italiana.
"O programa prevê a retirada definitiva do navio em Setembro", declarou Franco Gabrielli durante uma conferência de imprensa na ilha de Giglio, onde este domingo, 13 de Janeiro de 2013, se assinala o naufrágio que causou 32 mortos.

9 DE JANEIRO DE 1970

Avaria grave no paquete IMPÉRIO

A 9 de Janeiro de 1970, quando o IMPÉRIO se dirigia para Angola e Moçambique, com a sua sempre excessiva lotação de militares, as máquinas pararam, deixando o navio à deriva e a meter água. A preocupação começou a manifestar-se entre os soldados (que, na sua esmagadora maioria, nunca haviam utilizado tal meio de transporte), pelo facto de ter faltado a energia eléctrica e, também, por não receberem informaçõesa dignas de fé sobre o que realmente se passava a bordo.

VIAJANDO PELA HISTÓRIA DO PORTO DE AVEIRO - 1948

A cortar ervagens em maninhos não arrematados

Ofício n,º 487, de João Ribeiro Coutinho de Lima, Engenheiro Diretor da JARBA, dirigido a Joaquim Francisco de Melo, guarda, a solicitar informação e levantar autos a Artur da Silva Tavares Espeta, do lugar da Cavada, e Augusto Soares de Andrade, da Rua do Cabeço de Baixo, por terem cortado ervagens “em maninhos não arrematados”.

O «BEAGLE», TENDO DARWIN COMO PASSAGEIRO, NA ILHA TERCEIRA | 20.09.1836

«Gostei imenso da visita, mas não encontrei nada digno de registo»

A 27 de Dezembro de 1831 o “Beagle” partia de Plymouht Harbor, na Inglaterra, para uma expedição que devia demorar dois anos, mas que acabou por demorar quase cinco. A bordo ia Charles Darwin.
A última escala, antes de chegar a casa, ocorreu há 175 anos. A 20 de Setembro de 1836, o Beagle chegava à Ilha Terceira.
Da visita à ilha açoriana o autor da Teoria da Evolução relata um passeio pelo interior da Terceira que lhe foi oferecido pelo cônsul inglês, deixando uma frase polémica: “"Gostei imenso da visita, mas não encontrei nada digno de registo".
Uma frase que os cientistas açorianos têm vindo desde então a considerar totalmente errada.

EM 2013

Marinha celebra centenário dos submarinos em Portugal

Em 2013 a Marinha celebra o centenário dos submarinos em Portugal. Para assinalar tão importante data vão decorrer diversas actividades de natureza social e cultural ao longo do ano.

POLÉMICA EM SANTOS, NO BRASIL

Um navio sem apito é como um jardim sem flores

Nas primeiras sete décadas do século 20, a cidade de Santos era um verdadeiro cenário de um grande desfile de navios de passageiros (foram mais de 1.500 transatlânticos diferentes), durante o ano todo. Era comum atracarem num mesmo dia até cinco transatlânticos. Esses navios de várias nacionalidades somavam-se aos cargueiros, navios-tanques (como eram chamados os petroleiros) e embarcações portuárias, como lanchas de serviços gerais, rebocadores, dragas, batelões, cábreas, barcaças de abastecimento de água e de transportes de bananas (o Brasil foi um grande exportador de bananas para o mercado europeu). Faziam um grande tráfego no canal do Estuário. O meio de comunicação entre essas embarcações era o código de apitos, o que tornava uma verdadeira sinfonia desses sinais sonoros.

ERA UM ESTRIDENTE E INCOMODATIVO SINAL SONORO, DO TIPO «MUUUUU MUUUU»

A «Vaca da Azóia»

Para muitos que nunca a ouviram, resta relembrar a “Ronca do Farol” [do Cabo da Roca] ou também chamada “Vaca da Azóia”. Era um estridente e incomodativo sinal sonoro, do tipo “Muuuuu…Muuuuu…”, que tocava ininterruptamente em altura de nevoeiro, de forma a avisar os navios da proximidade da costa e podia ser ouvido a largos quilómetros de distância. Felizmente, com a utilização das novas tecnologias de navegação, já não é necessário usar a “Vaca”.
 

29 DE DEZEMBRO DE 2006

Naufrágio do «Luz do Sameiro»

"Vi-os morrer, um de cada vez...". As mãos no rosto tapam as lágrimas a correr. A frase é interrompida pela dor. Um dia depois, Vasyl Huryn, de 46 anos, o único sobrevivente do naufrágio do "Luz do Sameiro", anteontem, na praia da Légua, em Alcobaça, sete milhas a norte da Nazaré, não esconde a revolta cinco horas dentro de água a dez graus, o desespero a pedir socorro que, para os seis colegas - todos das Caxinas (Vila do Conde) -, chegou tarde de mais, a dor de quem os viu morrer sem conseguir impedir, a 50 metros da praia.

Um poema aos «Banhos Quentes» da Praia da Nazaré

“Devo muita obrigação | Aos banhos da Nazaré | E com a ajuda do Senhor | Ainda hoje me tenho de pé".
Na Nazaré, desde finais do século XIX / início do século XX, havia dois edifícios de Banhos Quentes, cuja terapia à base de água quente salgada era muito procurada por quem padecia de doenças reumáticas. Este poema que agora nos foi apresentado é mais um testemunho da importância desse tratamento, constituindo à época um importante atractivo desta região.
 

VIAJANDO PELA HISTÓRIA

A água do mar era puxada através de um cano por cima da areia, durante a maré-cheia, com a ajuda de uma bomba

Na Nazaré, construíram-se entre Janeiro e Abril de 1875 mais de 20 prédios para acolher turistas, que tanto chegavam de comboio como de camioneta, e eram esperados pelos banheiros, que ajudavam a transportar as bagagens cheias de roupa e alimentos para toda a estação. Nalguns casos, os visitantes ficavam em casa dos próprios banheiros e estes, para ganharem mais dinheiro, mudavam-se durante o Verão para pequenas cabanas sem condições.

Arqueólogos investigam naufrágio e querem fazer dele um museu em Tróia

Terá sido um dos últimos navios à vela portugueses em funções, provavelmente do final do século XIX, e antes de naufragar ao largo da península de Tróia, no distrito de Setúbal, deveria transportar sal ou ser usado para a pesca. Ainda não há certezas sobre a história deste barco, baptizado de Tróia 1, mas uma equipa de investigadores está perto de desvendar o mistério.

Total: 721