Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística




VIAJANDO PELA HISTÓRIA

Ligação ferroviária ao Porto da Figueira da Foz

O actual acesso ferroviário ao Porto Comercial da Figueira da Foz, o primeiro da Região Centro e um dos três primeiros do paÍs, foi inaugurado no início da década de 2000. Não se tratou de uma novidade absoluta, uma vez que a infraestrutura portuária figueirense já utilizara o comboio como meio de transporte de mercadorias no início do século XX.

VIAJANDO PELA HISTÓRIA

Carvoeiro em 1918

Carvoeiro constituía a terceira praia sugerida pelo guia "“As nossas Praias – indicações gerais para uso de banhistas e turistas”. Povoação piscatória, com “uma bela praia de banhos e excelentes casas de habitação, tanto permanente como temporária”.

Durante o Verão, funcionava um casino com interessantes diversões e com todas as comodidades para os banhistas. Construído por Patrício Eugénio Júdice, era então, em 1918, explorado pela sua viúva. Nas imediações, localizavam-se quatro armações de sardinha e uma de atum. O principal comércio da área era vinho, figo, amêndoa e alfarroba, que exportava com profusão.

VIAJANDO PELA HISTÓRIA

«Praia de Santa Catharina» ou «Praia da Rocha»

Já nos finais do século XIX muitos banhistas se hospedavam nas casas e quintas que rodeavam a costa, desfrutando da grande atracção que era “Praia de Santa Catharina” ou “Praia da Rocha”. Em 1894 Julião Lourenço Pinto faz uma das primeiras descrições da «singular e pitoresca praia, como certamente não há outra no país em equivalência de encantos e em condições hidrográficas tão vantajosas».

VIAJANDO PELA HISTÓRIA

Albufeira em 1918

Albufeira era considerada regular, muito concorrida, principalmente nos meses de Setembro e Outubro. Na vila, não obstante ser reconhecida como uma das “mais comerciais de toda a província”, não existiam hotéis, apenas duas hospedarias modestas, pertença de António Vieira e Bernardino da Silva.

O aglomerado urbano encontrava-se dividido pela ribeira, em duas partes, comunicando ambas por uma ponte de apenas um arco. O peixe era muito abundante e saboroso, pelo que ali demandavam pescadores do Algarve e do Alentejo.

VIAJANDO PELA HISTÓRIA

«Casino da Praia» em Cascais

O “Casino da Praia” localizava-se em Cascais, na Praça Miguel Bombarda, a que corresponde o actual Passeio D. Luís I. Propriedade da “Comissão de Propaganda de Cascais”, teve origem no “Club de Cascaes”, também referenciado como «Casino de Cascaes», cuja abertura terá ocorrido em 1873.

VIAJANDO PELA HISTÓRIA | PRAIA DA LUZ, LAGOS, 1918

«Uma das mais lindas e desafogadas praias do nosso litoral»

A Praia da Luz, em Lagos, era tida como “sobremaneira interessante”, “uma das mais lindas e desafogadas praias do nosso litoral”, ou não apresentasse “pontos de vista de uma superior beleza, que jamais nos podem esquecer”. Motivos que ali levavam extraordinária concorrência, não só de algarvios, famílias do Baixo Alentejo, mas de Espanha, também.

Existia um casino, de iniciativa de António Santos, no qual eram promovidas as diversões típicas. Aos domingos e dias de folga, decorriam “bailaricos e descantes”.

Os elefantes da costa Vicentina

Na Praia do Malhão e noutras praias do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, o Verão costuma trazer milhares de visitantes. Poucos sabem, porém, que esta região já era popular há cem mil anos. Os visitantes de então eram mais robustos, verdadeiros pesos-pesados, mas percorreram os mesmos campos dunares (então mais extensos) que hoje delimitam as praias bravias do Alentejo.

VIAJANDO PELA HISTÓRIA | 1918

«As nossas Praias - indicações gerais para uso de banhistas e turistas»

A Sociedade de Propaganda de Portugal, criada em 1906, deu à estampa, em 1918, um guia intitulado “As nossas Praias – indicações gerais para uso de banhistas e turistas”.

O pequeno livro de quase 100 páginas tinha como objetivo “chamar as atenções gerais para as utilidades e belezas naturais do nosso país” e logo de coligir e coordenar “dados e informações [que] por aí correm dispersos acerca das praias de Portugal, (…) tudo quanto possa elucidar sucintamente, a portugueses e a estrangeiros, acerca do número, do valor e da variedade das nossas estações balneares, muitas das quais, sem nada ficarem a dever às mais afamadas praias do estrangeiro”.

VIAJANDO PELA HISTÓRIA | 1846

De Lisboa a Faro, por Castro Verde: 41 léguas

Três dos itinerários propostos no «Guide du Voyageur en Espagne et en Portugal», de 1846, cruzam o Algarve: de Lisboa a Faro, por Castro Verde; De Faro a Castro Marim, por Tavira; e de Faro a Lagos.

A viagem de Lisboa a Faro, por Castro Verde, compreendia 41 léguas. Depois de sair da capital do reino, o passageiro aportava na pequena aldeia da Moita, onde os habitantes se dedicavam à pesca e à agricultura, produtos que vendiam depois em Lisboa.

VIAJANDO PELA HISTÓRIA

O Algarve em 1846, num Guia de Viagens francês!

As praias algarvias apenas começaram a ser frequentadas nas primeiras décadas do século XX. Antes, os banhos de mar não atraíam gentes à província sulina. Na verdade, não havia com assiduidade «passagem de pessoas estranhas» pela região, como referia, em 1841, o lacobrigense João Baptista Lopes, na sua «Corografia do Reino do Algarve».

Pese embora esta realidade, o Algarve já era incluído nos guias dos viajantes europeus, como o publicado em Paris, por Richard et Quétin, em 1846, intitulado «Guide du Voyageur en Espagne et en Portugal», numa edição de L. Maison.

VIAJANDO PELA HISTÓRIA

Ir à praia: como tudo começou

Banho frio de mar era bom para a saúde. Os primeiros registos sobre os banhos referiam as suas funções terapêuticas e a receita terá chegado a Portugal em 1753. Há mesmo descrições de que o rei D. João VI, que cruzou o Atlântico em 1808 com a corte, usou-os depois no Brasil e, escrevem os historiadores, estes são os únicos registos de banho que existem dos 13 anos que viveu naquele país.

30 DE JULHO DE 1922

O comboio chega a Lagos

A inauguração do caminho de ferro de Portimão a Lagos aconteceu a 30 de Julho de 1922. Foi um verdadeiro momento de júbilo para as populações servidas pela nova linha.
O dia amanheceu em Lagos com uma arruada da banda de música e com salvas de morteiros. Para o jornal “O Século”, a população vivia “horas d’um entusiasmo delirante, chegando a todo o momento forasteiros”.

VIAJANDO PELA HISTÓRIA

Os primeiros dias dos portugueses na praia

As primeiras aventuras balneares em Portugal incluíram dramas, medo, recomendações médicas, fatos-de-banho pÚdicos e flirts com espanholas.

A praia começou por ser um drama. O escritor Gervásio Lobato não conseguiu esquecer os dias negros que viveu aos 5 anos, em Setembro de 1855, quando a família o arrastava para o areal que então existia em frente à Torre de Belém, em Lisboa. "Eu tremia como varas verdes, chorava, gritava, rebolava-me pela areia, fingia doenças, mas era tudo em vão. Vinha o Roque, um banheiro muito alto, muito forte, muito vermelho de cabelos ruivos, pegava em mim e zás! Água te valha. Lembro-me ainda desse tempo com terror. O mês de Setembro era para mim um mês de suplício. Não tinha um minuto de felicidade nos 43.200 minutos desse negregado mês", escreveu na Ilustração Portuguesa em 1885.

O turismo no litoral alentejano - do início aos anos 60 do século XX

O Exemplo de Milfontes

Desde há muito, a população camponesa descia até ao mar nos dias 24 de Junho (nascimento de S. João) e 29 de Agosto (martírio de S. João) para banhos, em que incluíam os gados, cumprindo a velha tradição dos banhos santos. A presença dos animais acabaria por ser proibida por motivos higiénicos, já entrada a segunda metade do século XX.
Em Milfontes, Almograve e Zambujeira, e em toda costa entre Porto Covo e Aljezur, estes banhos têm antiga lembrança. Especialmente o “banho do 29” (que valia por nove) constituía uma prática e um ritual anualmente repetidos. Ao banho na manhã de S. João acorria, por exemplo, à Zambujeira gente de várias freguesias do concelho; e o “do 29” acabaria por dar origem a uma feira, que contribuiu para a formação desta povoação.

Algarve: a história de um sucesso anunciado

Um presidente da República confundido com o homem dos gelados, os ingleses aos magotes a hastearem a bandeira britânica na Praia da Luz, os pescadores que, no verão, encostavam os barcos e viravam banheiros, um “brasileiro maluco” que - imagine-se - se lembrou de construir um campo de golfe com 27 buracos, um aeroporto que mudou para sempre o destino de uma região. Como o Algarve se tornou... o Algarve.

VIAJANDO PELA HISTÓRIA

Barca das Armações

A barca da armação, provida de vela latina, foi aperfeiçoada ao longo de anos e, embora preparada para recurso aos remos, era capaz de navegar à bolina cerrada. O formato do casco, quase chato, resultava da necessidade de vará-la nas praias, onde se situavam os arraiais das armações, ou para a proteger dos vendavais que assolavam a costa, ou ainda para demandar a lota de Lagos, de acesso difícil a embarcações com quilha muito pronunciada, na baixa-mar.

VIAJANDO PELA HISTÓRIA

Apontamentos sobre a Indústria Conserveira em Lagos

Na segunda metade do século XIX o progresso tecnológico da nova vaga de industrialização traduz-se no aparecimento de um novo conceito, a fábrica. A instalação de centros industriais no Algarve, iniciada na década de oitenta desse século, veio operar uma enorme transformação social e económica, e a indústria conserveira foi um dos sectores que contribuiu para essa transformação. A primeira fábrica de conservas de atum em azeite, implantada em Portugal, surgiu em 1879, em Vila Real de Santo António.

Os 40 pescadores que mais ensinam sobre a história de Lagos

Na Avenida dos Descobrimentos, a sabedoria do mar e da história de Lagos está patente em fontes vivas – na imensidão de vivências de 40 pescadores lacobrigenses. Lagos, terra de descobrimentos, de homens do mar, de enseadas douradas e águas cristalinas, conta com estes pescadores para partilhar as histórias de autenticidade vividas a bordo dos seus pequenos barcos tradicionais.

Na década de 60, para complementar a vida difícil da faina, alguns destes homens do mar limpavam cuidadosamente os seus barcos de madeira e começaram a dar a conhecer a costa d’oiro de Lagos, através de passeios às grutas.

ARQUIVO HISTÓRICO DO PORTO DE AVEIRO | 18 DE JULHO DE 1929

A ronda por Salreu e a pedra da Câmara Municipal de Estarreja

O fiscal lembrou-se de rondar o Cais de Salreu, vai daí encontrou grande porção de pedra britada pertença da Câmara Municipal de Estarreja.
Acontece que a pedra não deixava descarregar o moliço na ribeira…
 

PENICHE

Rendas em terra, pescadores no mar

De 18 a 21 de Julho regressa a Peniche, o porto de partida para as Berlengas, a Mostra Internacional de Rendas de Bilros – uma das maiores do mundo – para não deixar morrer aos olhos um ofício secular.

Total: 801