Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística




VIAJANDO PELA HISTÓRIA, EM VÍDEO

Salinas e moliceiros pela Ria de Aveiro, 1935

Salinas e moliceiros pela ria de Aveiro, nos idos de 1935. Filme do valioso espólio que a British Pathé disponibiliza online, aqui integrando a série “CAUGHT BY THE CAMERA”. Nota para o facto de Aveiro aparecer na locução e na descrição como “Aviero”!...

ESTAÇÃO DGPS INAUGURADA EM DEZEMBRO DE 2002

FAROL DO CABO CARVOEIRO - Um dos mais antigos de Portugal | Alvará pombalino de 1 de Fevereiro de 1758

O Farol do Cabo Carvoeiro faz parte do grupo de seis faróis mandados edificar pelo Alvará pombalino de 1 de Fevereiro de 1758 que criou o Serviço de Faróis em Portugal. Localiza-se no Cabo de mesmo nome, península de Peniche, distrito de Leiria.
Torre quadrangular de alvenaria, branca, com edifícios anexos. Lanterna e varandim de serviço, vermelhos. Entrou em funcionamento em 1790, sendo um dos mais antigos da costa portuguesa.

CAMINHO MARÍTIMO PARA A ÍNDIA - FEITO COMEÇOU A 8 DE JULHO DE 1497

Vasco da Gama partiu do Restelo há 521 anos

Vasco da Gama foi o capitão escolhido por D. Manuel I para comandar a expedição que tinha como missão encontrar o caminho marítimo para a Índia. A armada de Vasco da Gama partiu do Restelo no dia 8 de Julho de 1497 e chegou a Calecute, na Índia, no dia 20 de Maio de 1498.
A frota era constituída por um navio de transporte de mantimentos, a caravela Bérrio, a nau S. Gabriel – capitaneada por Vasco da Gama – e a nau S. Rafael. A viagem inaugural da que viria a ser conhecida como a «Carreira da Índia», abriu uma rota directa entre a Europa e o Oriente.

VIAJANDO PELA HISTÓRIA - 1956

Os mirones da Piscina Municipal

O problema é que a mancha azul ficava defronte do Liceu Feminino. O problema é que a piscina era a céu aberto, e com as paredes de sustentação do céu ainda por construir…
"Situada mesmo em frente do Liceu Feminino e da sua entrada única, a Piscina é panorama forçoso para os milhares de jovens do 1º ao 7º ano quer dizer, dos 10 aos 19 anos, que, a pé ou nos carros, passam todos os dias, uma e mais vezes, mesmo rente às grades largas que deixam ver tudo o que ali se passa, edificante ou não".

5 DE JULHO DE 1901

Rei D. Carlos nos Açores

Depois de uma curta estadia na Madeira, o Rei D. Carlos e a sua comitiva partem, a 24 de Junho de 1901, rumo aos Açores, aqui aportando no primeiro dia de Julho. Uma comitiva de peso, viajando nos cruzadores S. Gabriel, D. Amélia e D. Carlos. Jornada histórica, em muitos sentidos, também pelo facto de tudo indicar que as primeiras filmagens feitas nos Açores ocorrem com a visita ao arquipélago do Rei D. Carlos e da Rainha D. Amélia.

NAVIO «PORTO DE AVEIRO» INAUGURADO A 5 DE JULHO DE 1968

Levando vinho a granel para o Ultramar Português

Mais uma vez o porto de Aveiro esteve em festa com um acontecimento de certa envergadura não só para a região mas também para o país, aconteceu isso a 05/07/1968. Iniciou pela primeira vez, um barco nacional, baptizado com o nome de PORTO DE AVEIRO carreira para o Ultramar Português, levando vinho a granel. Como não podia deixar de ser, as autoridades mais representativas do distrito e dos dois concelhos ligados mais directamente ao porto, estiveram presentes e rejubilaram pelo acontecimento, não pelo esplendor de que a cerimónia se revestiu, mas pelo alcance social que representava para a vida portuária.

POR LUÍS MIGUEL CORREIA

Companhia Colonial constituída há 90 anos

Os primeiros dias de Julho de 1922 foram de grande preocupação para a administração da Companhia Nacional de Navegação: ao escritório desta empresa chegou um telegrama de Angola a anunciar a formação de uma nova concorrente denominada Companhia Colonial de Navegação. Acabava o monopólio da Nacional nas carreiras da África Portuguesa.
 

«VERA CRUZ», «INFANTE D. HENRIQUE», «SANTA MARIA», ENTRE OUTROS

Companhia Colonial de Navegação fundada a 3 de Julho de 1922

A Companhia Colonial de Navegação (CCN) foi uma das novas Companhias de Navegação do período após I Guerra Mundial. Foi constituída em Angola a 3 de Julho de 1922. Iniciou desde logo a sua actividade de transportadora com a aquisição do paquete "Guiné" e do cargueiro "Ganda", destinados às carreiras de Angola, Cabo Verde e Guiné.

PARA INTEGRAR O PROJECTO DE RECIFES ARTIFICIAIS MARINHOS

Naufrágio provocado do «Victory 8B», em 2003, no Brasil

Foi o mais esperado naufrágio controlado do Brasil, afundado a 3 de Julho de 2003, entre as Ilhas Rasas e Escalvada, em frente ao Siribeira Iate Clube. O cargueiro foi totalmente limpo e preparado para possibilitar aos mergulhadores segurança tanto nas visitas externas como nas internas (mergulhadores especialistas em Naufrágio) e para se tornar um enorme berço para vida marinha. Com 89 metros de comprimento e 30 metros de altura é o maior naufrágio controlado da América Latina.

VEJA OS VÍDEOS

Naufrágio provocado do «Victory 8B»

Cinco vídeos reportando o naufrágio provocado do «Victory 8B», também de mergulhos efectuados anos depois. Há imagens fantásticas captadas dentro do navio afundado.

AÇORES

Programa de reabilitação do património baleeiro recuperou 40 botes e 10 lanchas na última década

O programa de reabilitação do património baleeiro nos Açores permitiu recuperar na última década 40 botes e 10 lanchas, num investimento de dois milhões de euros. Este projecto é considerado um dos mais emblemáticos do país na área da reabilitação patrimonial.
“É um programa notável de capacidade de recuperação de um património que estava a apodrecer em barracões e em casas de botes”, afirmou Manuel Costa, presidente da Comissão Consultiva do Património Baleeiro Regional.

VIAJANDO PELA HISTÓRIA - 27 DE JUNHO DE 1930

Adjudicação das obras do Pôrto de Setúbal

20 de Maio de 1934 foi dia de festa para o Porto de Setúbal. A inauguração de obras de vulto contou com a presença do Presidente da República, Oscar Carmona. O recheado programa incluiu regatas, um "Setúbal de Honra", festas populares e até uma tourada de gala. As obras do porto foram adjudicadas em 27 de Junho de 1930 à Hojgaard & Schultz, de Copenhaga, com a colaboração para os trabalhos de dragagem da Van den Bosch & De Vries, de Ultrecht.

1901

Rei D. Carlos despede-se da Madeira, para rumar aos Açores

Depois de uma curta estadia na Madeira, o Rei D. Carlos e a sua comitiva partem, a 24 de Junho de 1901, rumo aos Açores. Uma comitiva de peso, viajando nos cruzadores S. Gabriel, D. Amélia e D. Carlos. Jornada histórica, em muitos sentidos, também pelo facto de tudo indicar que as primeiras filmagens feitas nos Açores ocorrem com a visita ao arquipélago do Rei D. Carlos e da Rainha D. Amélia.

HÁ 119 ANOS

Rei D. Carlos iniciava visita à Madeira

Passam hoje, 22 de Junho de 2019, 119 anos da chegada do Rei D. Carlos e da sua comitiva à Madeira. O monarca este na ilha até dia 24, rumando depois aos Açores.
Uma comitiva de peso, viajando nos cruzadores S. Gabriel, D. Amélia e D. Carlos. Percorreram a Madeira e todas as ilhas dos Açores. Rezam as crónicas que foram recebidos com grande entusiasmo, organizando-se várias festas em homenagem dos reis.

VIAJANDO PELA HISTÓRIA

Reinaldo Oudinot por Aveiro, Póvoa do Varzim e Funchal

A ideia de construção da Barra de Aveiro surgiu pelo facto de, noutros tempos, os rigorosos Invernos degradarem a Barra de Aveiro com areia, afectando os campos e salinas tornando-os em pântanos levando à decadência da economia da região, uma vez que da Barra dependiam o sal, a pesca na ria, o tráfego comercial, o movimento da frota bacalhoeira e, em tempos mais remotos, a apanha do moliço.
Em 1802, o Coronel Engenheiro Reinaldo Oudinot e o Capitão Engenheiro Luís Gomes de Carvalho, foram encarregados de elaborar um plano para a criação de uma nova Barra. Os planos foram feitos e aprovados ainda nesse mesmo ano.

MAUNSELL MORREU HÁ 51 ANOS

Os fantasmagóricos fortes de Guy Maunsell no Tamisa

A 20 de Junho de 2012 passam cinquenta e um anos sobre a morte de Guy Maunsell, o autor dos fantasmagóricos fortes no Tamisa, no decorrer da II Guerra Mundial. Um deles deu origem, anos depois, ao mais pequeno «país» do mundo.

Encontraram o barco do capitão de «Moby Dick»

Um grupo de arqueólogos marinhos encontrou junto à costa do Honolulu, no Havai, vestígios de um baleeiro do século XIX - um dos famosos barcos conduzidos pelo capitão George Pollard, que inspirou o filme Moby Dick de Herman Melville.
Arpões, lanças de caça, âncoras e utensílios de cozinha estavam entre as peças descobertas e mostradas ao público na última sexta-feira pela National Oceanic and Atmospheric Administration.
 

BALEEIRO KARLUK PARTIU A 17 DE JUNHO DE 1913 PARA NÃO MAIS VOLTAR

Inferno no gelo

A trágica história da expedição canadiana que naufragou no Ártico em busca de um continente escondido entre o Alasca e o Pólo Norte. Havia 25 pessoas a bordo – 22 homens, incluindo dois caçadores esquimós que se tinham juntado à expedição em Point Barrow, Alasca, com a esposa e duas filhas de um deles. Todos estavam aterrorizados perante a perspectiva do navio ser esmagado pelo gelo.
 

A «depravação sexual» dos pinguins ficou um século no armário

George Murray Levick foi um pioneiro no estudo dos pinguins-de-Adélia. Entre 1911 e 1912, acompanhou um ciclo inteiro de reprodução desta espécie, na Antárctida, algo que até hoje mais ninguém fez. Mas não publicou todas as suas descobertas: o capítulo sobre os hábitos sexuais destes pinguins foi deliberadamente escondido, devido aos “horrores” que continha.

Os Barcos e o Tejo

Chata, Saveiro, Varino, Batel, Barcos do alto de Sesimbra, Canoa do alto, Muleta, Bote do Seixal, Canoa do Seixal, Galeão a remos, Buque, Galeão a vapor, Caíque, Canoa da Picada, Enviada...

Total: 801