Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística




1930

Excursão dos Empregados Superiores do «Diário de Notícias» por Aveiro e Ílhavo

“Os funcionários superiores do ‘Diário de Notícias’, de Lisboa, - Directores de publicações, Chefes de Secção, Chefes districtaes, etc. – recreiam-se da labuta insana dos seus trabalhos fazendo uma formosa excursão através de dois belos districtos – Aveiro e Vizeu – organizada pelos Serviços de Propaganda e Expansão d’este grande jornal”.

Aconteceu em 1930. A excursão do “bando” esteve em Aveiro, “os ‘olhos azues de Portugal”; na Costa Nova subiu ao farol; esteve no Forte da Barra “onde a Junta Autonoma da Ria e da Barra tem a base dos seus importantíssimos trabalhos de abertura de canaes, fixação da entrada da Barra, etc., que sob a presidência inteligente e enérgica do grande jornalista Homem Christo há-de dar realisação ao grande sonho de Aveiro: a construção dos seus portos de comercio e de abrigo”.
 

FAROL DO CABO DA ROCA

Incandescência a petróleo chegou a 26 de Outubro de 1896

Em 1843, segundo uma obra publicada no ano de 1872, pela Impressa Nacional, "Pharoes, Marcas Marítimas, Estações Semaphóricas e Postos Meteorológicos em Portugal", e quando o Serviço de Faróis já se encontrava sob a alçada do Ministério da Fazenda, foi o farol do Cabo da Roca totalmente remodelado e é então que ele apresenta mais ou menos, o aspecto actual.
Funcionamento com incandescência a petróleo, só a 26 de Outubro de 1896, e já quando os faróis haviam passado a depender de outro departamento governamental, a Marinha, o farol do Cabo da Roca recebeu o benefício da energia eléctrica.

21 DE OUTUBRO DE 1805

Trafalgar, o histórico combate no mar

Imagine uma fortaleza com muralhas de três andares de altura, armada com 80 canhões. E 60 dessas fortalezas flutuam no mar, manobrando lentamente, trocando tiros a poucos metros de distância e, às vezes, colidindo. Essa cena épica foi o que aconteceu na famosa Batalha do Cabo de Trafalgar, cerca de 30 km a oeste do estreito de Gibraltar. Ali naufragou definitivamente o plano de Napoleão para subjugar a Inglaterra. A 21 de Outubro de 1805, 27 navios britânicos encontraram 33 navios da frota napoleónica - 18 franceses e 15 espanhóis. Seis horas depois, os ingleses haviam capturado 17 navios inimigos e destruído outro sem perder nenhum dos seus. Mas a vitória custou a vida ao vice-almirante Horatio Nelson, o herói mais popular de Inglaterra.

10 DE OUTUBRO DE 1985

São ilegais os tripulantes portugueses do «Achille Lauro»?

Ponto de interrogação, ou ponto de dúvida do "Diário de Lisboa", que continuava a dar grande destaque ao sequestro do famoso paquete, na sua edição de 10 de Outubro de 1985. Suspeitava-se que alguns dos 78 tripulantes, aqui se incluindo portugueses, tinham conseguido o emprego através de agências de emigração clandestinas. Um fait divers, porque o facto mais importante tinha sido o fim do sequestro. Fim da acção terrorista, mas não o fim das peripécias em torno do sequestro, como se saberá nos dias seguintes.

VIAJANDO PELA HISTÓRIA | 9 DE OUTUBRO DE 1985

«Invincible» no Tejo

O porta-aviões "Invincible", da Royal Navy, com uma tripulação rondando os "mil homens", esteve alguns dias no cais de Alcântara. Partiu a 9 de Outubro de 1985 para manobras no Oceano Atlântico. O "Diário de Lisboa" registou a presença da "cidade flutuante" que chegou a ser dado como perdido na Guerra das Malvinas.

PARTICIPOU NA GUERRA DAS MALVINAS

Porta-aviões à venda na internet

Após 32 anos ao serviço da Royal Navy, a Marinha Real Britânica, o porta-aviões HMS Invincible foi posto à venda através do site da Disposal Service Authority – o equivalente governamental do eBay. Participou na guerra das Malvinas durante o governo de Margaret Thatcher e esteve nos Balcãs e no Iraque, mas após 25 anos de serviço e mais cinco na reserva, o porta-aviões britânico HMS Invincible chegou ao fim da linha.

9 DE OUTUBRO 1985

Odisseia do «Achille Lauro» continua na ordem do dia

O "Diário de Lisboa" rebaixava, a 9 de Outubro, os desenvolvimentos em torno do sequestro do paquete. Uma boa nova, na primeira página: 430 reféns seriam libertados. Na página 11, outra boa notícia: "Não se confirma a execução dos dois reféns americanos". Mais tarde veio a saber-se que um cidadão americano, paraplégico, teria sido executado e lançado à água.

UM ANO DEPOIS

Sequestro do «Achille Lauro» divide media norte-americanos

Em Maio de 1986, o New York Times recusa publicar uma entrevista com Mohammed Abul Abbas, acusado de ter planeado o desvio do navio Achille Lauro. Abbas acabou, porém, por ser entrevistado pela NBC, a 5 de Maio desse ano.
Falando a Mário Mesquita, Spencer Klaw, director da prestigiada Columbia Journalism Review, disse que a NBC «teve toda a razão em transmitir a entrevista, até porque é importante conhecermos a opinião do inimigo».

NA GARE MARÍTIMA DA MADEIRA, ATÉ 3 DE JANEIRO

Exposição sobre os 90 anos do Raid Aéreo Lisboa-Funchal

Uma exposição alusiva aos 90 anos do Raid Aéreo Lisboa – Funchal que teve lugar a 22 de Março de 1921 está patente até ao próximo dia três de Janeiro na Gare Marítima da Madeira, integrada nas comemorações do Dia do Mar e por iniciativa da Marinha Portuguesa.
Os oficiais da Marinha Gago Coutinho, Sacadura Cabral e Ortins de Bettencourt, acompanhados do mecânico Roger Soubiran viajaram a bordo do hidroavião Felixtowe F.3, num voo que foi o primeiro entre o Continente e a Madeira e o grande teste para a travessia do Atlântico, conseguida em 1922.

FAROL DE CACILHAS

Sou como um anjo da guarda, num rio cheio de viagens...

O Farol de Cacilhas teve direito a música, música e letra de Francisco Naia. Canção ilustrada com dezenas de postais antigos do farol e algumas fotografias mais recentes.

Farol da Ponta da Serreta

O Farol da Ponta da Serreta localiza-se no alto de uma falésia, a ponta do Queimado, freguesia da Serreta, na costa norte da ilha Terceira, nos Açores. O farol actual é uma moderna torre de fibra de vidro com 14 metros de altura, branca com barras horizontais vermelhas, alimentada a energia solar.

Evolução dos navios-tanque – Os primórdios

Navios que surgiram adaptados no fim do século XIX, e foram crescendo de ciclo a ciclo do desenvolvimento comercial e industrial, tornaram-se gigantes até aos nossos dias com adopção de sistemas avançados de propulsão e segurança.

OS ARGONAUTAS MODERNOS

Evolução dos navios-tanque – A era dos gigantes

A fome do mundo por mais petróleo crescia e crescia a cada dia mais e mais; nos anos 50 e 60, o crescimento económico das nações surge atrelado ao “Ouro Negro”, e conforme Oliver Cromwell disse, no século XVII: “Quem dominar os mares controlará o mundo”. Estas palavras talvez nunca tenham tido um significado com tal importância para a Indústria Marítima, e para toda economia mundial, quando em 1956, o Canal do Suez é fechado, dando início a Crise do Canal do Suez .

CEGO DO MAIO | NASCEU A 8 DE OUTUBRO DE 1817

Uma história singular

«Nunca receava o perigo, e ainda há poucos dias, quando o grande rolo do mar e a arrebentação na costa da Póvoa expunham a perigo iminente mais de 200 lanchas da pescaria (entrando a do Cego do Maio nesse número), apenas devido à sua coragem e perícia, pôs pé em terra na Cachina, correu para o sítio do salva-vidas, que até então se conservava imóvel, reconhece o grande perigo: nem chores nem lágrimas o detêm, e apenas entra dentro do frágil lenho, encontra companheiros aventurosos, dirigem-se para a barra, transpõem-na, e dirigindo o rumo dos infelizes pescadores, extenuados pela ansiedade, pelo trabalho e pela fome, guia para dentro da barra 60 lanchas, com cerca de 700 tripulantes, e é ele o último que abandona o posto de honra, quando já tinha escurecido!»
 

24 ANOS DEPOIS

Sequestro do «ACHILLE LAURO» decide liderança da UNESCO

O egípcio Farouk Hosni tentou a liderança da UNESCO, em 2009. Mas as suas ligações ao sequestro do paquete "Achille Lauro" ditaram a vitória da diplomata búlgara Irina Bokova, que passou a ser a nova directora-geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura. Portugal mudou de posição à última hora, tendo passado a apoiar o Ministro da Cultura egípcio.

Sequestrador do «Achille Lauro» libertado em 2009

Youssef Magied al-Molqui, líder do comando palestiniano que, em Outubro de 1985, tomou de assaltou o paquete "Achile Lauro" e matou um passageiro judeu norte-americano, foi posto em liberdade em Maio de 2009 pelas autoridades italianas, por bom comportamento, tendo recebido ordem de expulsão do país.

VEJA OS VÍDEOS

Sequestro do «Achille Lauro»

O sequestro do «Achille Lauro» mereceu, naturalmente, ampla cobertura da comunicação social. Divulgamos alguns vídeos com notícias da televisão referentes ao sequestro, assim como excerto de filme tendo como tema o sequestro do paquete.

SEQUESTRO NAS PÁGINAS DO «DIÁRIO DE LISBOA»

«Achille Lauro» levava a bordo 78 portugueses

Segunda-feira, 7 de Outubro de 1985. As manchetes dos jornais portugueses gritavam, em uníssono, a débâcle socialista, e o retumbante aparecimento do epifenómeno PRD.”Eanes é o grande vencedor”, manchetava o “Diário de Lisboa”. No dia seguinte ficava a saber-se que o “Achille Lauro” levava a bordo 78 portugueses.

2 DE OUTUBRO DE 1947

O encalhe do navio hidrográfico «D. João de Castro» nas águas de Cabo Verde

A última missão do navio, que acabou em tragédia, desenrolou-se nas águas de Cabo Verde. A 2 de Outubro de 1947 recebia-se um rádio no ministério da Marinha, em Lisboa, em que se dizia que o «D. João de Castro» encalhara e que em princípio estava perdido, no “litoral da ilha de Santo Antão, no arquipélago dos ‘Açores’ na zona de Janela”. Isto dizia-o o «Diário Popular», no dia seguinte, através da caneta de um jornalista pouco ilustrado nas coisas geográficas. A notícia prosseguia, avançando alguns dados sobre o sinistro.

 

HOJE, NO PADRÃO DOS DESCOBRIMENTOS

Conferência «Conservação in-situ de âncoras, armas e navios de guerra»

A beneficiar do encontro do ICOM-CC realizam-se outros eventos em paralelo, como a conferência de Ian MacLeod intitulada “Conservação in-situ de âncoras, armas e navios de guerra/In-situ conservation of anchors, guns and warships”, que se realiza no Padrão dos Descobrimentos. É hoje, sexta-feira, pelas 18h30.

Total: 721