Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística




VIAJANDO PELA HISTÓRIA

As Citroen-peixarias do SAPP

(...) Esta iniciativa foi simultânea com a criação de uma frota, de 152 viaturas-peixarias, “Citröen” HY, entre carros frigoríficos e isotérmicos, para venda ambulante de peixe fresco, pelo “SAPP - Serviço de Abastecimento de Peixe ao País” (...)

«Pirata» Henrique Galvão confessou-se a jornalista

Quando no semanário francês Paris Match se soube que Henrique Galvão desviara o paquete Santa Maria, o chefe de redacção enviou um telegrama a Dominique Lapierre, que estava nos EUA, com uma ordem a cumprir "imediatamente": apanhar um avião para o Recife e obter a confissão do homem que capturou um navio com 539 passageiros. O jornalista assim fez e, de posse de dez mil dólares - uma enorme quantia para a época -, tentou entrar pelo navio e entrevistar o moderno "pirata" dos mares. Existia ainda uma segunda ordem, a de ser um "exclusivo mundial".

 

«O Inimigo n.º 1 de Salazar» na TSF

Pedro Jorge Castro, autor de «O Inimigo n.º 1 de Salazar», esteve na TSF para falar do livro. Aconteceu no programa "Mais cedo ou mais tarde", de João Paulo Meneses.
A entrevista está disponível no site da rádio, também em podcast.

"Se a guerra mudara a Europa, tornando-a mais moderna, o Portugal de Salazar resistia à mudança. Na falta de oposição interna a única resistência veio dos militares.
Em Janeiro de 1961, o General Humberto Delgado, um dos grandes opositores ao regime de Salazar, iria apoiar o capitão Henrique Galvão no sequestro do paquete Santa Maria, o primeiro sequestro político de um transatlântico na história contemporânea.
 

REVISTA VISÃO

Infografia sobre o assalto ao «Santa Maria»

A revista semanal "Visão" disponibiliza, no seu site, infografia com os detalhes da operação que abalou o regime de Salazar.

FILME REALIZADO POR FRANCISCO MANSO

«Assalto ao Santa Maria» no cinema

"Assalto ao Santa Maria", filme do realizador Francisco Manso sobre a acção desencadeada pelo capitão Henrique Galvão em 1961 para tentar derrubar o regime de Salazar, estreou a 23 de Setembro de 2010 nas salas portuguesas.
O  filme recorda os dias em que durou o assalto ao navio de luxo "Santa Maria" no começo de 1961 em águas internacionais, uma operação comandada pelo capitão Henrique Galvão que ficou conhecida também como "Operação Dulcineia".

 

Cronologia dos principais acidentes marítimos desde o Titanic

O naufrágio do cruzeiro Costa Concordia traz à liça a memória de outros acidentes marítimos de grande envergadura, começando pelo próprio Titanic, que se afundou nas gélidas águas do Atlântico norte durante a sua viagem inaugural, há precisamente 100 anos. Eis uma cronologia dos principais acidentes marítimos deste então, compilada pela Reuters.

VIAJANDO PELA HISTÓRIA

Tragédia no Mar Báltico - Naufrágio do ferry «Estonia» causa mais de 850 mortos

29 de Setembro de 1994. O ferry Estonia afundou em águas revoltas ao sul da ilha finlandesa de Uto no Mar Báltico, quando ia de Tallin (Estónia) para Estocolmo (Suécia), matando 852 pessoas. Foram disponibilizados 18 helicópteros e mais 10 navios da Finlândia, Suécia e Dinamarca para a busca coordenada da cidade finlandesa de Turku, resgatando 141 pessoas.

Barca Adília, Ano do Senhor de 1909

Barca Adília, navio português, mil cento e vinte toneladas, números redondos, dispondo de quatro embarcações miúdas, sem motor auxiliar, dezassete homens de equipagem, carregado de aduela.
Ano do Senhor de 1909: Derrota que, com favor de Deus, pretendo fazer este porto de Nova-Orleans para Lisboa, etc....
No diário de bordo, em certa página, menciona-se uma avaria de particular gravidade. A redacção da ocorrência é acompanhada de um singular e rápido desabafo, como de quem já vai rilhado de contratempos: «ainda faltava mais esta!»

 

VIAJANDO PELA HISTÓRIA

O dóri de Swampscott

Em meados do séc. XIX, nas aldeias de pescadores ao longo da costa de Massachusetts, era comum a construção de dóris desenhados para serem lançados a partir da praia. Em greal, foram três as áreas que acabariam por dar o nome a cada tipo de dóri; o dóry de Cape Ann, o dóri de Gloucester e o dóri de Swampscott. Estas embarcações eram geralmente construídas pelos pescadores na época baixa e mais tarde passaram a ser feitos por pequenos estaleiros navais.

NAUFRÁGIO DO «AIS GEORGIS»

8 de Janeiro 1974: noite dos horrores

No final de 1973, o cargueiro grego Ais Giorgis atracava no cais do Porto de Santos (Brasil), entre os armazéns 30 e 31, para dar início à descarga de caixas, sacos e tambores, com leite em pó, óleo de pinho, resina, além de diversas qualidades de produtos químicos - entre os quais, nitrato de sódio - transportados num único porão.

Uma semana depois, o navio foi protagonista do maior desastre ocorrido nos últimos tempos no Porto de Santos. Uma combustão espontânea numa carga de produtos químicos, motivada pelos pingos da chuva, deu início, às 21 horas de 8 de Janeiro de 1974, a um incontrolável incêndio na carga dos vagões que, depois, passou para o navio, atingindo porões, resto da carga e quase toda a estrutura do cargueiro. Foram três dias e três noites de incêndio.

ACIDENTES NA CONSTRUÇÃO CAUSARAM 25 MIL MORTOS

7 de Janeiro de 1914 - Realiza-se o primeiro percurso completo pelo Canal do Panamá

O primeiro percurso completo pelo Canal do Panamá realizou-se a 7 de Janeiro de 1914. A partir de 1 de Abril, do mesmo ano, a Comissão do Canal Ístmico deixou de existir, dando lugar a uma nova entidade, o Governador da Zona do Canal, cujo primeiro nomeado foi o coronel norte-americano Goethals. A inauguração oficial, marcada para 15 de Agosto, ficou sem efeito devido à eclosão da Primeira Guerra Mundial.

CAPACIDADE DOS PORÕES PERMITIR-LHE-IA ARMAZENAR 10 000 QUINTAIS DE BACALHAU

O lugre Maria das Flores

Segundo notícias do jornal da época, O Ilhavense, no dia 18 de Fevereiro de 1946, pelas 16 horas, num estaleiro do Bico da Murtosa, ter-se-á consumado o bota-abaixo do lugre de três mastros, com motor, construído em madeira, Maria das Flores. Foi construído por José Maria Lopes de Almeida, construtor de Pardilhó, proprietário do referido estaleiro, para João Carlos Tavares, (de alcunha, João da Albina), residente em Estarreja.

 

HERÓIS DO MAR

Na pesca do bacalhau para fugir à tropa

Aperino Marques Gil nasceu nas Alhadas, Figueira da Foz, a 8 de Agosto de 1938. Com apenas três anos foi viver para a Praia de Mira, onde reside ainda hoje. Como tantos outros, viu na pesca do bacalhau uma fuga ao serviço militar e ao destino quase certo dos jovens naquele tempo: a mobilização para a Guerra do Ultramar.
Seis anos de “Faina Maior”, sem nunca chegar a fazer uma refeição que fosse de batata com bacalhau fresco cozido, o “pão nosso de cada dia” a bordo dos navios bacalhoeiros.

VIAJANDO PELA HISTÓRIA

Pesca do bacalhau em tempo de guerra

Apesar da guerra (1914-18) que condicionava toda a navegação, a pesca do bacalhau foi em certa medida poupada pelos alemães, que não encontravam justificação para atacar os barcos portugueses, enquanto que aos navios oriundos de Inglaterra, Noruega e Dinamarca, donde era importado grande parte do bacalhau que se consumia em Portugal, assim não sucedia, sendo frequentemente atacados.

20 LINHAS COM MIL ANZÓIS

A pesca com dóris

Os dóris eram pequenos botes de madeira com fundo chato que se deslocavam a remos ou à vela e durante a viagem até à Terra Nova iam empilhados no convés.
Pouco depois da partida, fazia-se um sorteio para que cada homem soubesse qual era o seu. O contramestre podia escolher. Os outros ficavam com o que lhes calhasse. Uns dias antes de se iniciar a pesca, cada homem preparava o seu dóri.
A pesca era feita com 20 linhas ligadas entre si formando aquilo a que se chamava um "trol". O "trol" levava mil anzóis com iscos que podiam ser lulas, sardinhas, vísceras de cagarras ou de outras aves marinhas.
 

VIAJANDO PELA HISTÓRIA - 22 DE DEZEMBRO DE 1938

O novo navio-motor «SECIL» demanda a Barra do Douro pela primeira vez

A 22.12.1938, pelas 12h00, demandou a barra do Douro, pela primeira vez, o novo navio-motor português SECIL, que procedia de Setúbal com um carregamento completo de cimento ensacado, tendo sido conduzido pelo piloto Bento da Costa, que o foi amarrar na lingueta do Bicalho, Massarelos.
Após a descarga, passados dois dias, sob as ordens do piloto Tiburso, cambou para o lugar da Carbonífera, a fim de carregar carvão em pó extraído das minas do Pejão, transportado pela via fluvial do Douro, nas típicas embarcações pintadas de cor negra mais conhecidas por “rabões”.

A VISITAR

Farol da Ponta da Ilha, Açores

O Farol da Ponta da Ilha, também denominado Farol da Manhenha, fica na Ponta da Ilha, povoado da Manhenha, Piedade, concelho das Lajes do Pico, ilha do Pico, arquipélago dos Açores.
Apresenta-se como um edifício de arquitectura sóbria, de linhas rectas, cuja construção data do século XX. O edifício e os seus anexos encontram-se dentro da área de Paisagem Protegida de Interesse Regional da ilha do Pico.

EMBARQUE DA FAMÍLIA REAL PARA O EXÍLIO

Desfaz-se uma dúvida que começava a ser histórica

As circunstâncias do embarque da família real para o exílio, após o 5 de Outubro de 1910, revisitadas pelo "Diário de Lisboa" (edição de 10 de Dezembro de 1938), através de entrevista ao comandante do iate real "Amélia".

ASSINADA HÁ 29 ANOS | 10 DE DEZEMBRO DE 1982

Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar

A Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, celebrada em Montego Bay, Jamaica, a 10 de Dezembro de 1982, é um tratado multilateral celebrado sob os auspícios da ONU que define conceitos herdados do direito internacional costumeiro, como mar territorial, zona económica exclusiva, plataforma continental e outros, e estabelece os princípios gerais da exploração dos recursos naturais do mar, como os recursos vivos, os do solo e os do subsolo. A Convenção criou também o Tribunal Internacional do Direito do Mar, competente para julgar as controvérsias relativas à interpretação e à aplicação daquele tratado.

BRASIL

Porque é que Natal se chama Natal?

(...) O forte foi concluído no dia 24 de Junho de 1598 e, nas circunvizinhanças, logo se formou um povoado que, segundo alguns historiadores, foi chamado de "Cidade dos Reis". Tempos depois, o povoado mudou de nome passando a chamar-se "Cidade do Natal". Para alguns escritores, o nome Natal é explicado em duas versões: a primeira refere-se ao dia em que a esquadra penetrou na barra do Potengi; a segunda tem ligação directa com a data da demarcação do sítio primitivo da cidade, realizada por Jerónimo de Albuquerque no dia 25 de Dezembro de 1599.

Total: 721