Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística




PAQUETE «FUNCHAL»

Viagem inaugural a 4 de Novembro de 1961

Ao fim da manhã de 4 de Novembro de 1961, o então novo paquete FUNCHAL largou do cais da Gare Marítima de Alcântara no início da sua primeira viagem, com destino ao Funchal, Ponta Delgada, Horta e Angra do Heroísmo.
Construído em Elsinore, na Dinamarca, por encomenda da Empresa Insulana de Navegação, o FUNCHAL representou uma melhoria muito significativa na carreira de Lisboa para os Açores e Madeira. Para além da grande velocidade, superior a 20 nós, o FUNCHAL proporcionava modernidade e conforto nas viagens insulares, tendo em vista fomentar o turismo.

17 DE DEZEMBRO DE 1929

Lançado à água o paquete «Carvalho Araújo»

Em 1930, a Empresa Insulana de Navegação, agradecida pelo facto do primeiro-tenente Carvalho Araújo ter salvo com o sacrifício da sua vida o paquete "SAN MIGUEL", decidiu baptizar o seu novo paquete, construído em Italia, no estaleiro Cantiere Navale Triestino, em Monfalcone, com o nome "CARVALHO ARAÚJO". Foi uma justa homenagem ao valoroso Marinheiro que, interpondo o navio do seu comando, o patrulha de alto mar "AUGUSTO DE CASTILHO", entre o submarino alemão "U-139" e o paquete "SAN MIGUEL" conseguiu que aquele chegasse a salvo ao porto de Ponta Delgada.
Tendo sido lançado à agua em Monfalcone, em 17 de Dezembro de 1929, a sua construção ficou terminada em Março de 1930 e iniciou a sua viagem inaugural à Madeira e aos Açores, em 23 de Abril daquele ano.

ARTIGO DA «REVISTA DE MARINHA»

Quatro navios com o nome de «CARVALHO ARAÚJO»

Não restam quaisquer dúvidas de que o primeiro-tenente Carvalho Araújo, comandante do patrulha de alto mar "AUGUSTO DE CASTILHO", foi o herói máximo da Armada Portuguesa durante a Grande Guerra, sendo por demais conhecido o episódio do combate com o cruzador-submarino alemão "U-139", em que Carvalho Araújo deu a sua vida para salvar o paquete "SAN MIGUEL", da Empresa Insulana de Navegação, por si escoltado, que tinha a bordo 54 tripulantes e transportava 206 passageiros e muitas toneladas de carga.
Por tudo isso foram justas homenagens atribuir o seu nome, em épocas diferentes, a quatro navios Portugueses, dois de guerra e dois de comércio.

7 DE DEZEMBRO DE 1941

Pearl Harbor: a vitória enganadora da marinha japonesa

A 7 de Dezembro de 1941 uma força aeronaval japonesa atacou de surpresa a frota norte-americana do Pacífico fundeada no Hawai. Destruiu 360 aviões e 18 navios de guerra mas a base naval continuou operacional e nenhum porta-aviões foi afundado. Recorde o histórico ataque a Pearl Harbor.

GERALDO COELHO DIAS

O Mar e os Portos como catalisadores de religiosidade

Ao longo da costa, quantas Capelas da Senhora da Bonança ou do Facho, sabendo-se que os fachos ou marcas marítimas prestavam ajuda à orientação dos barcos de pesca na cerração da noite ou nas preocupações dos nevoeiros marítimos.

ALVES DOS REIS PRESO A 6 DE DEZEMBRO DE 1925

«SS ADOLPH WOERMAN» - O navio-refúgio do maior burlão português de todos os tempos

SS Adolph Woerman?! O que tem de especial este navio?
Pelo nome aparentemente nada mas se dissermos que foi o navio onde foi capturado o maior burlão português (de todos os tempos) - Artur Virgílio Alves dos Reis - muda completamente de figura.
Durante o ano de 1925, por investigações do mais importante diário da época, "O Século", foram surgindo afirmações e notícias, desde logo desmentidas por especialistas na detecção de notas falsas dos bancos, sobre a possibilidade da circulação de notas falsas em Portugal.

Achado arqueológico ao largo de Leixões

No passado dia 21 de Setembro, foi apanhada uma âncora muito antiga pelas redes de um arrastão não identificado, da praça de Leixões, que inicialmente se supôs, pela natural ausência de avaliação científica, poder pertencer a uma nau ou galeão do século XVI ou XVII. O achado foi participado à Autoridade Marítima – Capitania do Porto de Leixões, que a mantém sob a sua guarda, em local não divulgado.

TOLLAN NO «DIÁRIO DE LISBOA» | 3 DE DEZEMBRO DE 1983

Uma cambalhota que ficou cara

Os relógios marcavam 20:20, noite de 2 de Dezembro de 1983. As ondas alterosas que se esperavam não apareceram porque o fim da cambalhota foi calmo e remansoso, com o “Tollan” a refastelar-se sobre o lodo do Tejo.
Os mirones que cederam aos apelos da comunicação social terão adivinhado mais do que visto. Mas ouviram claramente os apitos de muitos barcos que comemoraram o acontecimento, do mesmo modo que abrem caminho em manhãs de nevoeiro.
Diário de Lisboa, 3 de Dezembro, reportando a ansiada cambalhota do Tollan, pirueta que custou 130 mil contos, 985 mil dólares, 650 mil euros.
O “Tollan” voltou ao normal…
 

«SOBREVIVENTES» | SIC

Em 1947 naufragaram 4 traineiras de Matosinhos | Morreram 152 homens

A 2 de Dezembro de 1947, durante uma violenta tempestade, naufragaram quatro traineiras de Matosinhos. Perderam a vida 152 homens. No programa "Sobreviventes", emitido pela SIC, os testemunhos históricos dos pescadores que travaram uma batalha contra a fúria do mar.

2 DE DEZEMBRO DE 1994

Achille Lauro afunda-se

Dois dias depois de se ter incendiado, o transatlântico italiano Achille Lauro veio a afundar-se, a cerca de 100 milhas da costa da Somália. Estávamos a 2 de Dezembro de 1994; o navio transportava 579 passageiros. Pelo menos três pessoas morreram e oito ficaram feridas.
Terminava assim, sem glória, a vida de um paquete que tinha tanto de famoso como de azarado: em 1985, o navio fora sequestrado por terroristas palestinianos no Mediterrâneo.Pelo meio, ainda serviu de inspiração a uma ópera.

FAROL DE ALFANZINA - A FUNCIONAR DESDE 1 DE DEZEMBRO DE 1920

O farol do outro Cabo Carvoeiro

Foi construído num promontório rochoso no lugar de Alfanzina, Praia do Carvoeiro, sobre o oceano Atlântico, no concelho de Lagoa, conhecido à data da sua implantação em 1920, como 'Cabo Carvoeiro do Algarve'. Trata-se de uma torre branca, quadrangular, em alvenaria, com edifício anexo encimada por uma lanterna cilíndrica vermelha.

30 DE NOVEMBRO DE 1994

Paquete Achille Lauro em fogo

O transatlântico italiano Achille Lauro pegou fogo quando viajava com 579 passageiros pela costa Leste de África, em direcção às Ilhas Seychelles. Pelo menos três pessoas morreram e oito ficaram feridas.
Um paquete deveras azarado: Em 1985, o navio fora sequestrado por terroristas palestinianos no Mediterrâneo.

HÁ UM ANO FOI NOTÍCIA

GOOGLE HOMENAGEIA MARK TWAIN - O escritor que começou por ser condutor de barcos a vapor

O Google lembra esta quarta-feira o escritor e jornalista americano Samuel Clemens, conhecido como Mark Twain, no dia que marca 176 anos de seu nascimento. No cabeçalho da página do motor de busca aparece um desenho de crianças pintando a palavra "Google", uma referência aos personagens infantis que povoavam os romances de Twain.
Numa viagem de barco pelo Mississippi em direcção a Nova Orleans, Twain, inspirado pelo trabalho do piloto Horace E. Bixby, decidiu seguir a carreira de condutor de barco a vapor. Era uma ocupação bem remunerada, com salário estimado em 72.400 dólares anuais, mas que exigia amplo conhecimento do rio e seus diversos portos e paragens. Twain estudou meticulosamente os 3.200 km do Mississippi por mais de dois anos, até finalmente receber a sua licença de piloto em 1859.
 

CONSTRUÇÃO DA PONTE SOBRE O TEJO

O pontão da ponte (lado de Lisboa), terá a altura da Torre dos Clérigos

A 29 de Novembro de 1962, o "Diário de Lisboa" trazia a construção da ponte sobre o Tejo à primeira página. Destacava-se, em manchete, o facto de 1.500 pessoas trabalharem já nos estaleiros, visitados nesse dia por comitiva governamental.
A página 12 surgia pejada de pormenores sobre esta obra de grande envergadura.

27 DE NOVEMBRO DE 1807

Família real portuguesa embarca para o Brasil

Em Lisboa, a movimentação no porto era mais intensa a cada dia. Carruagens, arcas e caixotes cheios de louças, documentos, a baixela real e mais tesouros. Centros de mesa, jóias e metade de todo o dinheiro que circulava no país.
"Naquele 27 de Novembro, amanheceu chovendo em Lisboa e as carruagens tiveram dificuldade para atravessar as ruas cheias de lama até o cais de Belém, onde tinham poucos navios para tantos passageiros.
Foi um grande tumulto, com caixas e bagagens para todos os lados. No fim embarcaram a Família Real, com os nobres, os ministros, juízes, alguns padres e soldados.
Foi um dia de dolorosas separações para as famílias que depois disso ficaram divididas por um oceano".


 

SETÚBAL NA BAIXA IDADE MÉDIA

Intervenientes e protagonistas da actividade económica num núcleo portuário urbano

O destaque alcançado no contexto regional tornou-se ainda evidente em 1343, quando o rei Afonso IV lhe delimitou o termo, subtraído aos concelhos vizinhos de Alcácer do Sal e de Palmela. Dotada a partir de então de um alfoz com abundantes recursos naturais e dispondo de um porto activo e de grande importância geoestratégica, podemos questionar-nos relativamente à dinâmica imprimida pela vila sadina ao território circundante (...)

VIAJANDO PELA HISTÓRIA DO PORTO DE LISBOA - 1902

Quando os passageiros dos vapores viam a capital ao longe

"Hoje, temos a noticiar a pratica de uma louvavel iniciativa, que se refere ao desembarque dos passageiros de todos os grandes vapores que, passando pelo nosso porto, apenas aqui se demoram algumas horas, sem que, até agora, fosse possivle proporcionar aos seus passageiros a facilidade e commodidade de desembarcarque, que lhes permitisse o virem a terra e em terra se demorarem as horas que o vapor estivesse no Tejo"

22 DE NOVEMBRO DE 1497

Vasco da Gama dobra o Cabo da Boa Esperança

A armada de Vasco da Gama iniciou a viagem que viria a imortalizar o seu nome num sábado, 8 de Julho de 1497, depois de uma missa solene celebrada no Restelo: cerca de 150 homens da armada embarcaram em quatro navios, sendo duas naus construídas especialmente para esta viagem.
No dia 4 de Novembro a armada atingiu a África do Sul e três dias depois chegou à angra de Santa Helena, onde fez uma escala. Dobrou o cabo da Boa Esperança a 22 de Novembro e a 25 deteve-se de novo na angra de São Brás, onde foi desmantelada a nau dos mantimentos.
 

FAROL DO CABO MONDEGO - A FUNCIONAR DESDE 20 DE NOVEMBRO DE 1922

Simplicidade e simetria arquitectónica

A iniciativa de edificação do farol do Cabo Mondego data de 1835, ficando encarregue do projecto o engenheiro Gaudêncio Fontana, responsável pelo serviço de faróis nos meados do século XIX. A conclusão do projecto ocorreu apenas em 1858, já sob direcção de Francisco Maria Pereira da Silva, posteriormente designado Inspector dos Faróis. A torre então construída tinha 17,72 metros de altura, cujo topo suportava um óptico lenticular de Fresnel de 2ª ordem, cujo candeeiro era alimentado a azeite.
 

«Farol Velho» - Cabo Mondego

O pharol do Cabo Mondego, que está situado na extremidade SO da Serra de Buarcos, a 3 milhas ao NNO da barra d'esta vila, principiou a funccionar de 2ª ordem, do systema Fresnel, com candieiro de Carcel, de luz fixa e branca. A sua luz alcança a 20 milhas, em boas condições atmosphericas, e tem o foco elevado a 79 metros sobre o nível medio do oceano. A altura do foco luminoso sobre a base do edifício é de 44,55 metros. A lanterna é composta de um corpo de 7,65 metros com 6 faces de 1,98 de largo, tendo no vértice da cupula, que é de metal, uma chaminé resguardada por um capacete espherico, do centro do qual sae a haste do para-raios....".
 

Total: 721