Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Capitão do cargueiro que causou derrame na Nova Zelândia condenado a prisão

O capitão e o primeiro-oficial do Rena, cargueiro que naufragou em Outubro último e que causou um derrame de combustível na Nova Zelândia, foram condenados a sete meses de prisão por navegação perigosa e entraves à Justiça.

Mauro Balomaga (à direita na foto), e Leonil Relon estavam ao comando do cargueiro, com pavilhão da Libéria, quando, a 5 de Outubro, este encalhou no recife Astrolábio, a 22 quilómetros de Tauranga, Nova Zelândia. Dia 25, ambos compareceram no Tribunal de Tauranga para ouvirem a sentença.

Num dia de mar calmo, o Rena encalhou numa das mais belas baías do país com 1673 toneladas de combustível nos seus tanques. O ministro do Ambiente neozelandês considerou que se estava perante “a mais grave catástrofe marítima” da história do país.

Em Fevereiro, os oficiais deram-se como culpados por terem destruído os livros com os registos de bordo e por terem sido responsáveis pelo derrame de materiais perigosos.

Segundo o director dos Serviços Marítimos da Nova Zelândia, Keith Manch, o navio optou por uma rota mais próxima da costa para ganhar tempo, sem identificar a existência de um recife, que os seus instrumentos tomaram como um pequeno navio. Quando se aperceberam do erro, os dois oficiais tentaram alterar os registos a bordo. “Este é um delito muito grave porque semeou a confusão entre os investigadores que tentavam reconstituir os acontecimentos que levaram ao naufrágio”, disse Keith Manch.

O Rena derramou mais de 300 toneladas de combustível que poluíram as praias, ricas em flora e fauna marinhas, afectando baleias, golfinhos, pinguins e focas.

Cerca de 5000 voluntários participaram nas operações de limpeza dos areais mas não conseguiram impedir a morte de centenas de aves.

O navio quebrou-se em dois no mês de Janeiro. Oito meses depois de ter encalhado, as equipas ainda tentam retirar centenas de contentores dos destroços do navio, encalhado no recife.

fonte
 







Artigos relacionados:

  • Rena continua encalhado no litoral de Tauranga
  • James Cook nas Ilhas Motiti
  • Navio encalhado derrama combustível sobre recife