Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Antárctida por baixo do gelo como nunca foi mostrada

O mapa mais pormenorizado da Antárctida por baixo do gelo, com as suas montanhas e vales, acaba de ser divulgado por um consórcio internacional. Chama-se BEDMAP2 e resulta de levantamentos da paisagem escondida por tanto gelo, realizados ao longo de décadas, em aviões, satélites, navios e até pessoas em trenós puxados por cães.

Divulgado por Hamish Pritchard, do British Antarctic Survey, na reunião anual da União Americana de Geofísica, que decorre em São Francisco (Califórnia), o novo mapa da paisagem do grande continente branco incorporou mais de 27 milhões de medições. A primeira versão do mapa, divulgada em 2001, incorporava 1,9 milhões de medições.

“É como se tivéssemos tornado tudo muito mais focado”, disse Hamish Pritchard à BBC online, que noticiou a conclusão do novo mapa digital da Antárctida. “Em muitas áreas, pudemos agora ver depressões, vales e montanhas como se estivéssemos a olhar para a Terra a que estamos habituados exposta ao ar.”

Menos de um por cento do relevo rochoso da Antárctida sobressai acima do gelo. Ao contrário da rocha, o gelo é transparente às ondas do radar, pelo que através da emissão de microondas para o gelo e consequente recepção dos seus ecos é possível ter informação sobre o relevo e a profundidade da camada de gelo.

Ter um mapa deste género é importante para perceber como é que a Antárctida está a responder ao aquecimento global e ajuda os cientistas a perceber o que poderá vir a acontecer. Nas margens da Antárctida estão a verificar-se grandes alterações, com a queda de gelo que vem do interior do continente para o mar, o que aumenta o nível global dos oceanos. “A cobertura de gelo está constantemente a ser alimentada pela queda de neve, e o gelo desce até à costa, onde se libertam grandes blocos no mar ou se derretem. É um grande e lento ciclo hidrológico”, explicou Hamish Pritchard à BBC online. “Modelar este processo requer conhecimentos da complexa física do gelo, mas também da topografia onde está a mover-se – e isso é o BEDMAP.”

Mas há mais trabalho pela frente, pois duas grandes áreas da topografia do continente gelado continuam pouco nítidas. Uma é nos Montes Subglaciares de Gamburtsev, a outra é a Cordilheira de Shackleton.

fonte