Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

TERMINA HOJE, EM ÍLHAVO

Festival do Bacalhau alia tradição e modernidade

Aliar a tradição às novas regras (de sanidade, salubridade e qualidade) destes tempos modernos é a principal lógica da edição deste ano do Festival do Bacalhau, que termina este domingo, no Jardim Oudinot.
“A nossa grande aposta com este evento é honrar e multiplicar os valores da tradição ilhavense, ligados à cultura do bacalhau, mas com a qualidade que os tempos modernos exigem”, afirmava o presidente da Câmara Municipal de Ílhavo, Ribau Esteves, na sessão de abertura do evento.

Uma modernidade que João Madalena, grão-mestre da Confraria Gastronómica do Bacalhau (grande parceira da autarquia na organização deste festival), espera, contudo, que não se exceda, pedindo “que não se transforme o Jardim Oudinot no Hotel Oudinot”. “Não podemos, com esta ânsia da qualidade, esquecer-nos que este festival nasceu das tasquinhas do bacalhau, com a tradição de comer nas mesas corridas, nos bancos corridos e até das filas para as tasquinhas; são estas características que definem este festival”, frisava João Madalena.

Este será um festival “de muita qualidade” graças, afirma o confrade, ao esforço que todos os anos tem vindo a ser feito pelas associações participantes, com vista a melhorar as condições apresentadas aos visitantes. “Quando um evento desta envergadura dura há já quatro anos é porque existe um grande empenhamento de todas as pessoas envolvidas na sua organização, contribuindo para que tenha atingido este patamar de qualidade”, considera João Madalena.

FONTE: DIÁRIO DE AVEIRO


 







Artigos relacionados:

  • «Iguarias do Centro» é sobre bacalhau