Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

ANÁLISE NOVO BANCO

Porto de Sines tem «posicionamento geoestratégico» no gás natural

O departamento de Estratégia e Research Económico do Novo Banco considera que o Porto de Sines tem um “posicionamento estratégico” no transporte e distribuição de gás natural.

“O terminal de Sines desempenha importantes funções, permitindo a recepção e descarga de navios metaneiros de qualquer origem; a posterior armazenagem do GNL [gás natural liquefeito]; e a emissão para a Rede Nacional de Transporte de Gás Natural (RNTGN)”.

Destacam os analistas do Novo Banco (Susana Barros e Tiago Lavrador) que o Porto de Sines tem também outras valências como: a possibilidade de importar GNL de qualquer proveniência, o que aumenta a segurança no abastecimento; e a possibilidade de fornecimento de GNL por camião cisterna, viabilizando o fornecimento a locais remotos do País.

No contexto da guerra na Ucrânia, com a União Europeia (UE) “focada na redução da dependência do gás russo e com o aumento das importações” oriundas dos Estados Unidos da América, o Porto de Sines “apresenta algumas vantagens competitivas relativamente a outros portos”, nomeadamente “a maior proximidade a mercados que se espera aumentem o seu fornecimento à UE (e.g. EUA)”.

E também a “localização na costa Atlântica, próxima dos maiores portos da Península Ibérica” e ser o “maior porto de águas profundas da costa atlântica, não tendo o congestionamento dos portos do Norte da Europa”.

“Pode ser um local para o transhipping – permitindo a chegada de grandes navios petroleiros e a transferência para navios de pequeno ou médio porte, com maior facilidade para fazer essa distribuição”, dizem Susana Barros e Tiago Lavrador no seu “Research Económico e Sectorial — O Gás Natural em Portugal e o Porto de Sines”.

Interligação entre Espanha e França exige novos investimentos

No entanto, acrescentam, “existem limitações de capacidade de interligação entre Espanha e França, que exigem novos investimentos, pois a mesma é insuficiente para possibilitar a chegada deste GN à Europa”.

Em Portugal, o gás natural (GN) é uma fonte energética com bastante expressão, representando 25% do consumo primário de energia e 11% do consumo final de energia. É usado para a produção de electricidade (54%), pela indústria (36%) e também para o consumo doméstico (6%). O país não possui este recurso endogenamente, pelo que o importa na sua totalidade.

Por terra, através do gasoduto que tem origem na Argélia, passa por Marrocos, Estreito de Gibraltar, Tarifa (Espanha), Córdoba, Badajoz e chegando a Portugal em Campo Maior e em Valença do Minho. A partir daí, o GN, a alta pressão, entra no gasoduto nacional.

Por mar, o gás natural liquefeito (GNL) chega ao Porto de Sines, transportado por navios metaneiros, tendo a sua origem sobretudo na Nigéria (49% das importações portuguesas de GN em 2021) e nos EUA (31%), entre outros países.

Para além destes pontos de entrada na rede, para aqueles analistas merecem referência também o ponto de ligação à instalação de armazenamento subterrâneo do Carriço (concelho de Pombal); o gasoduto principal que se estende ao longo da zona oeste do país, entre Sines e Valença do Minho; e o gasoduto de trânsito que liga a zona central do sistema na região de Leiria-Pombal com a fronteira Leste com Espanha.

A actividade de armazenamento em Portugal divide-se entre o armazenamento subterrâneo de gás na sua forma gasosa (obedecendo ao estipulado num contrato de concessão, em regime de serviço público, estabelecido entre a REN e o Estado Português) e o armazenamento de GNL realizado pela REN Atlântico, que procede às operações de recepção do GNL, sua regaseificação e posterior entrega à rede de alta pressão.

Pode ler a análise completa departamento de Estratégia e Research Económico do Novo Banco aqui

fonte