Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Projecto de hidrogénio verde em Sines entra em operação no ano de 2025

O projecto de hidrogénio verde em Sines (GreenH2Atlantic) começa a ser construído em 2023 e entra em operação em 2025 no local da antiga central a carvão da EDP nesta cidade do distrito de Setúbal.

Este projecto consiste num eletrolisador de 100 megawatts (MW) que “será composto por módulos inovadores e escaláveis de 8 MW, com elevada capacidade, para atingir a máxima eficiência, dimensão, vida útil e flexibilidade. Outras características inovadoras incluem o sistema de interface composto por tecnologias de gestão avançada que permitirão a ligação direta do eletrolisador a energia renovável híbrida local (solar e eólica)”.

O projecto de hidrogénio verde de Sines vai representar um investimento total de 76,6 milhões de euros, com os fundos europeus a contribuírem com 30 milhões, segundo documentos da Comissão Europeia, tal como o JE revelou a 9 de novembro.

O consórcio é formado por 13 entidades, incluindo a EDP, Galp, ENGIE, Bondalti, Martifer, Vestas Wind Systems A/S, McPhy e Efacec, e parceiros académicos e de investigação como ISQ, INESC-TEC, DLR e CEA, e do cluster público-privado Axelera.

“O GreenH2Atlantic foi um dos três projetos selecionados no âmbito do Horizon 2020 – Green Deal para demonstrar a viabilidade do hidrogénio verde numa escala de produção e aplicação tecnológica sem precedentes. O fundo de 30 milhões de euros irá contribuir para financiar a construção da unidade de hidrogénio, localizada na central termoelétrica de Sines”, disse hoje em comunicado a EDP.

“Este projeto contribuirá significativamente para a criação de um ‘cluster’ de hidrogénio em Sines, bem como para os objetivos de sustentabilidade da região e de Portugal e para cumprir o roteiro de transição energética”, segundo a energética.

Dos fundos europeus, a maior fatia (19 milhões) destina-se à MCPHY Energy, uma empresa francesa que produz eletrolisadores e equipamentos para armazenar energia. A companhia conta com três fábricas em França.

Segue-se a também francesa Engie com 2,7 milhões de fundos europeus, EDP Renováveis (dois milhões), a Galp (1,5 milhões), a Vestas (um milhão), a francesa Axelera (647 mil euros), o INESC TEC, ISQ e Martifer (cada um com mais de 500 mil euros), Deutsches Zentrum fur Luft und Raumfahrt (Centro Aeroespacial Alemão com 428 mil), Commissariat a l’Energia Atomique et aux Energies Alternatives (Comissariado francês para a Energia Atómica e Energias Alternativas com 342 mil euros), Bondalti Chemicals (328 mil) e Efacec (139 mil).

Além de Sines, existem outros projetos em dois países europeus (Dinamarca e Alemanha) com vista a construir eletrolisadores de 100 MW.

A 14 de outubro, a EDP e a espanhola Repsol anunciaram uma parceria para o hidrogénio verde na Península Ibérica. As companhias vão avaliar oportunidades em Sines, Astúrias e País Basco.

A ideia de construir um centro de produção de hidrogénio verde em Sines começou a ser noticiada no início de 2020 através da voz do empresário holandês Marc Rechter e do seu Resilient Group. Este projeto de 3,5 mil milhões de euros visava a exportação de hidrogénio verde (em estado líquido) produzido em Sines para a Holanda em navios para abastecer a indústria química da Holanda e da Alemanha. Mais tarde, o Resilient Group forjou um consórcio com a EDP e a Galp, mas acabou por apresentar uma proposta em separado no processo lançado pelo Governo em 2020.

Em julho de 2020, a EDP, Galp, Martifer, REN e a Vestas anunciavam a criação de um consórcio para a instalação de um projeto-piloto de 10 megawatts de eletrólise que poderia evoluir até 1 gigawatt de capacidade até ao final da década, o projeto H2 Sines. Deste consórcio anunciado em 2020, a REN é a única que não integra agora o Green H2 Atlantic.

fonte