Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

D. MANUEL I E FERNÃO DE MAGALHÃES

Evocação de dois homens nos quinhentos anos das suas mortes

Há quinhentos anos morreram dois homens notáveis que mudaram o mundo ao terem sido decisivos para que em 1521 a Terra tivesse ficado completamente conhecida tal como ela é.

Um deles foi D. Manuel I, que morreu pelas 21 horas de uma sexta-feira, 13 de dezembro de 1521, no seu Paço da Ribeira, em Lisboa, com uma encefalite letárgica, epidemia que então grassava na capital portuguesa. Tinha então 52 anos e governara Portugal durante metade desse seu tempo de vida, num período em que os portugueses haviam descoberto metade do mundo desde o Brasil até às Molucas, na Indonésia.

O outro homem foi Fernão de Magalhães, que tinha sido morto oito meses antes numa batalha travada na manhã de 27 de abril de 1521, na ilha de Mactan, nas Filipinas. Nessa altura ele tinha acabado de conhecer experimentalmente a esfericidade da Terra ao ter descoberto por ocidente as Filipinas, as quais estavam numa longitude idêntica às ilhas Molucas, onde em 1512 os portugueses haviam chegado por oriente.

É bom invocar tais figuras neste nosso tempo pois, assim, preservarmos a memória de uma História em que os portugueses contribuíram decisivamente para o progresso da Humanidade ao permitirem o início de uma mundialização que condiciona as nossas vidas.

POR JOSÉ MANUEL GARCIA

fonte