Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Os caçadores de tesouros do fundo do mar

Dois submarinos holandeses naufragados durante da II Guerra Mundial desapareceram dos mares da China Meridional. Em Portugal, também há caçadores de tesouros marítimos que pilham, sobretudo, ouro, prata e porcelana chinesa

Na costa portuguesa estão contabilizados seis mil navios naufragados e, destes, 320 têm, de certeza, tesouros. Alexandre Monteiro, arqueólogo subaquático, é o homem por detrás desta contabilidade e convicção.

Há 20 anos a lutar contra os caça tesouros que pilham os navios afundados, o, também, investigador da Universidade Nova de Lisboa com projetos arqueológicos em vários cantos do mundo, listou estas relíquias e secularizou-as: “deste o ano 1 500 até agora”.

Os que estão afundados ao largo dos Açores, Berlengas e cabo de São Vicente são os que mais interessam aos “caçadores de tesouros por terem a mercadoria mais importante”, ouro, prata e porcelana chinesa. Alexandre refere que hoje em dia já não há tantos roubos porque o que “interessava já foi tirado”. Mas há, ainda, muitos navios ainda por descobrir. “Em frente à Comporta há um que tem 22 toneladas de ouro dentro, está debaixo da areia – o que acontece quando se afundam por causa de grandes tempestades – mas ainda não foi feita a localização exata.”

Quando se fala de caçadores de tesouros e de arqueólogos subaquáticos é de antípodas que se trata. Enquanto um caçador tem como único intuito o lucro que pode obter, uma visão mercantilista, o arqueólogo estuda, através dos achados, as sociedades de então. É como se, ilustra o investigador, num cenário de crime, o “caçador tirasse a aliança da vítima só para a derreter” e fazer dinheiro com o ouro enquanto o arqueólogo iria ter o papel de polícia, “olhando para a aliança à procura de marcas que pudessem ajudar a identificar a pessoa”.

Os “piratas” subaquáticos de hoje são empresas. Grandes empresas que contratam mão de obra barata para saquear navios afundados.

continue a ler aqui