Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

VIAJANDO PELA HISTÓRIA

Rei D. Carlos - Os quatro iates e as campanhas no mar

O principal passatempo do Rei em Cascais era explorar o mar no seu iate. A partir de 1896 desenvolveu 12 expedições para inventariar a fauna subaquática na costa portuguesa.

As campanhas oceanográficas, pelo espaço que exigiam em alto mar para ter, por exemplo, um laboratório a bordo, levaram o Rei a adquirir sucessivamente quatro iates, todos baptizados com o nome da mulher. O Amélia I tinha apenas 34 metros de comprimento, menos de metade do que media o Amélia IV, comprado em 1901, que atingia 70 metros e 1.370 toneladas.

Comprou outros dois iates para oferecer à Rainha: o Lia, em 1893, e o Maris Stella, em 1905. D. Amélia chegou aliás a fazer um cruzeiro no Mediterrâneo com os filhos, durante o qual se encontrou com vários membros da realeza europeia e pôde desfrutar do conforto do seu iate, que tinha piano, aquecimento central, várias lareiras e água canalizada, doce ou salgada.

Quando recebeu o novo veleiro como prenda de aniversário, a Rainha cedeu o Lia à Corporação dos Pilotos do Rio e Barra do Tejo, conta Eduardo Nobre no livro Amélia, Rainha de Portugal.

mais detalhes