Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Navio da Greenpeace no Funchal

O mais novo e maior navio da frota da associação ambientalista Greenpeace, o "Esperanza" esteve sexta feira, no Porto do Funchal, para reabastecimento e descanso dos seus 20 tripulantes.

Este é o navio que mais tem participado em missões contra as prospeções petrolíferas nos oceanos, nomeadamente no Ártico.
Proveniente de Amsterdão, porto de registo do navio, o "Esperanza" vai agora a caminho de Cristobal, no Panamá.

Tem 72 metros de comprimento e atinge uma velocidade máxima de 16 nós, ideal para missões de resposta rápida ou que impliquem uma permanência longa em campo, inclusive no gelo.

Tem capacidade para ter 40 pessoas a bordo, normalmente investigadores, ativistas e cientistas.

A vinda do "Esperanza" ao Funchal surge na mesma altura em que a campanha "Save the Artic" ultrapassou um milhão de assinaturas, uma campanha que tem por objetivo demover as grandes companhias internacionais de avançar com planos de perfuração para exploração petrolífera no Ártico.

Segundo a Greenpeace, no Ártico existem reservas para apenas três anos e nesta corrida estão empresas como a Shell, BP, Exxon, Gazprom e Rosneft, insensíveis ao impacto e consequência ambiental de um derrame de petróleo naquela zona que colocaria em risco a vida animal como por exemplo, o urso polar que já vem sofrendo as consequências do degelo e do aquecimento global.