Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Areias acumuladas nos portos são solução para erosão

O Secretário de Estado do Ambiente considera que as areias acumuladas nos portos portugueses serão a solução para repor a deriva litoral de sedimentos e, deste modo, combater a erosão na costa portuguesa.

Em declarações à agência Lusa, à margem de uma visita, na Figueira da Foz, a obras de proteção costeira, Paulo Lemos (na foto) afirmou que "dados preliminares" do grupo de trabalho nomeado pelo Governo para apresentar soluções para o litoral apontam para a utilização de areias acumuladas nos portos.

Se conseguíssemos que as dragagens dos portos ajudassem a repor o trânsito sedimentar, quer colocando diretamente na praia, quer colocando em batimétricas [no mar, a diferentes profundidades] que permita depois o retorno, conseguíamos, de certa maneira, retomar o equilíbrio [da deriva]", afirmou Paulo Lemos.

A solução será idêntica à ocorrida este verão na Costa da Caparica, cujas praias foram alvo de reenchimento com areia proveniente do canal do porto de Lisboa, ou na Figueira da Foz, onde estão decorreram dragagens do canal interior do porto com deposição em alto mar, a sul.

No entanto, o secretário de Estado avisou que a solução só será efetiva a médio prazo.

"Não estou a dizer que para o ano isso vai acontecer, mas num prazo relativo conseguíamos que o trânsito sedimentar que foi quebrado nos rios e ao longo da costa pelas obras de proteção fosse retomado", frisou.

Já um sistema de "bypass" [sistema que permite a transferência de areias de uma lado para o outro, por exemplo por debaixo do leito de um rio], solução preconizada, na Figueira da Foz, pelo movimento de cidadãos SOS Cabedelo, por outras organizações nacionais ligadas ao surf e por investigadores da área, "pode ser uma solução, está em avaliação", sustentou Paulo Lemos.

Paulo Lemos disse ainda que o projeto da autarquia da Figueira da Foz em reclamar para o domínio municipal parte do areal, pertencente atualmente ao domínio privado do Estado, sob jurisdição do ministério do Ambiente, já foi apresentado à Agência Portuguesa do Ambiente.

"Estamos a avaliar essa possibilidade", reconheceu.

Questionado sobre se a areia proveniente da deriva litoral, que se acumula em praias como São Jacinto (Aveiro) ou na Figueira da Foz - o maior areal urbano da Europa, que retém , anualmente, cerca de 230 mil metros cúbicos de sedimentos - pode também constituir solução, Paulo Lemos admitiu como possível um cenário dessa natureza.

"Ir buscar areia a esses depósitos também poderá ser uma solução, se virmos que a deriva, per si, não ajuda. Mas o que nos diz é que a areia que se acumula nos portos poderá ser suficiente para essa situação e como os portos necessitam de dragagens é uma questão de conjugar essas duas intervenções", afirmou o governante.

No entanto, acrescentou que as conclusões finais do Grupo de Trabalho Litoral ainda não são conhecidas e o relatório só deverá ser entregue ao ministro do Ambiente no final do mês de outubro, sendo de prever, no início de novembro, uma "avaliação política" do documento por parte de Jorge Moreira da Silva.