Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Peixes reproduzidos em cativeiro voltam ao meio natural

No âmbito do projeto de reprodução de peixes em cativeiro o Aquário Vasco da Gama libertou 446 ruivacos do oeste (Achondrostoma occidentale) no rio Alcabrichel, perto da povoação do Ramalhal e, mais recentemente, no dia 16 de abril, libertou 290 bogas portuguesas (Iberochondrostoma lusitanicum) na ribeira de Grândola, perto de Canal Caveira.


Os exemplares libertados, pertencentes a duas espécies de peixes de água doce que só existem em Portugal, foram reproduzidos em cativeiro, em condições próximas das que existem na natureza, no âmbito da colaboração do AVG no projeto “Conservação de organismos fluviais ex-situ” que reúne também a participação da Quercus, da Unidade de Investigação em Eco-Etologia do Instituto Superior de Psicologia Aplicada e da Faculdade de Medicina Veterinária de Lisboa.

Estas espécies são atualmente consideradas como estando criticamente em perigo de extinção devido à combinação negativa de vários fatores: descargas de poluentes, ocorrência cada vez mais frequente de verões prolongados e secos, destruição da vegetação das margens e proliferação de espécies invasoras vegetais e animais. A reprodução em cativeiro, a posterior libertação na época de desova em anos de maior pluviosidade e a sensibilização das autoridades e populações locais, pretendem contrariar a tendência de redução dos efetivos destas espécies.

TEJO TABLET - GALERIA FOTOGRÁFICA