Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

8 DE MARÇO DE 1992

«Lusitânia Expresso» chega a Darwin

Na sequência do massacre levado a cabo por militares indonésios a 12 de Novembro de 1991 no cemitério de Santa Cruz em Díli, Timor Leste, estudantes de vários países do mundo realizaram uma arriscada viagem marítima que ficou conhecida por missão “Paz em Timor”.

VEJA O DOCUMENTÁRIO DA RTP

A missão, uma iniciativa da equipa da revista “Fórum Estudante”, liderada por Rui Marques, foi levada a cabo no ferryboat “Lusitânia Expresso”, que transportava habitualmente veículos. Um navio com muitas limitações, sem quilha, iria fazer uma enorme viagem até à Austrália. Partindo de Lisboa com 15 tripulantes a bordo, chega a Darwin a 8/3/1992, de onde parte no dia seguinte, em direção a Díli, com cerca de 120 passageiros a bordo, a maioria estudantes, de vinte e três países.

O objetivo declarado desta viagem era depor uma coroa de flores no cemitério de Santa Cruz, em memória do massacre aí ocorrido no ano anterior.
Mas o objetivo principal era, obviamente, denunciar ao mundo a violência que estava a ser cometida pelo Indonésia em Timor Leste.

Para além dos jovens estudantes, seguiam a bordo jornalistas, homens de rádio e de televisão (a RTP estava a bordo), políticos e outras figuras públicas. Entre eles um ex-presidente da república portuguesa, o General Ramalho Eanes.
As bandeiras de muitos países e a das Nações Unidas içadas no navio, ilustravam o espírito internacional desta missão de paz.
Uma missão de paz num cenário de guerra, pois que o “Lusitânia Expresso” era sobrevoado por aviões e helicópteros e cercado por navios de guerra indonésios.

Já próximo do limite do mar territorial de Timor Leste, o comando da flotilha indonésia ameaçou afundar o “Lusitânia Expresso”, caso este persistisse na vontade de entrar em águas territoriais de Timor. Estavam pois impedidos de chegar a Díli.

Á vista das montanhas de Timor Leste, e por impossibilidade de continuar, numa breve e sentida cerimónia, em vários idiomas, foram lançadas á água as flores que se destinavam a serem colocadas no cemitério de Santa Cruz.

A viagem atribulada do “Lusitânia Expresso” ficou como um marco na história da luta pela libertação e pela independência de Timor Leste, que se concretizou dez anos depois, em 2002 .

Os timorenses não esquecem a viagem do “Lusitânia Expresso”.

VISITE OS RECURSOS DA APLOP (ASSOCIAÇÃO DOS PORTOS DE LÍNGUA PORTUGUESA), NA WEB