Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

2 DE NOVEMBRO DE 1901

Iate real Amélia IV chega a Cascais

O Amélia IV foi um navio comprado pelo Rei D. Carlos I, em 1901, para servir de iate Real, de navio de guerra e de navio hidrográfico.

Originalmente chamado Banshee, o Amélia IV foi o quarto iate, baptizado com este nome, adquirido pelo Rei D. Carlos I, para ser usado nas suas campanhas oceanográficas. Tal com os três primeiros iates, este foi também rebaptizado em homenagem à sua mulher, a rainha D. Amélia de Orleães. O navio chegou a Cascais a 2 de Novembro de 1901.

Como os anteriores, o Amélia IV foi projectado para servir não só de iate, mas para ser multifunções. No entanto, a multifuncionalidade no Amélia IV ia bastante mais além do que nos antecessores, já que o projecto do navio era o de um cruzador de 2ª classe que, além de poder servir de navio de guerra para a Marinha Portuguesa, tinha instalações para ser utilizado como iate Real e como navio de investigação ocenográfica.

O navio foi construído com o casco em aço. Tinha seis embarcações miúdas, uma das quais era movida a eletricidade e, a outra, a vapor. Dispunha de todos os equipamentos necessários para trabalhos oceanográficos.

Com este navio, D. Carlos I continuou as campanhas de investigação no mar.

MAIS DETALHES

















Artigos relacionados:

  • Rei D. Carlos nos Açores
  • Rei D. Carlos despede-se da Madeira, para rumar aos Açores
  • Rei D. Carlos iniciava visita à Madeira
  • Museu do Mar-Rei D. Carlos