Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Estivadores encaram paragem de greves como «manifestação de boa vontade»

Os estivadores da Frente Comum decidiram parar as greves nos portos como “manifestação de boa vontade” e como forma de “construir espaço negocial” com os parceiros portuários, afirmou esta quinta-feira ao PÚBLICO o presidente do Sindicato de Estivadores da Aveiro, Eduardo Marques.

Este espaço negocial, afirmou o líder do sindicato afecto à Frente Comum, tem vindo a ser “reclamado por várias entidades, incluindo o próprio Governo”. Agora, com a supressão das greves, os trabalhadores pretendem ver se passa a existir margem de negociação no que toca à entrada em vigor da lei nos portos.

Estas negociações ficam agora praticamente limitadas aos novos contratos colectivos de trabalho (CCT), que serão elaborados para cada porto e que podem limitar alguns aspectos da nova lei do trabalho nos portos.

Já se as vagas de greve estão encerradas em definitivo Eduardo Marques afirma que não é possível dizer, até porque reconhece que podem existir diferentes conclusões das conversas entre estivadores e empresas portuárias que levem à retoma das paralisações. “Naturalmente que seria bom que essa figura [greves] pudesse não existir para o bem de todos”, diz o dirigente sindical.

Com esta nova “mesa negocial”, afirmou Eduardo Marques, os estivadores pretendem chegar a acordo com os parceiros portuários para um CCT mais favorável aos trabalhadores, ainda que existam aspectos da nova lei que não podem ser mudados.

Neste campo, a luta dos trabalhadores portuários da Frente Comum “mantém-se”, diz o presidente do Sindicato dos Estivadores de Aveiro. Os estivadores continuam a afirmar que “a nova lei, assim que estiver aplicada, vai levar trabalhadores para o desemprego”. Os sindicatos da Frente Comum já pediram à Presidência da República a requisição de inconstitucionalidade da nova lei dos portos e mantêm a decisão de enviar uma queixa à Organização Internacional do Trabalho (OIT) logo que a nova lei seja publicada em Diário da República.

Ao PÚBLICO Eduardo Marques rejeitou que os estivadores estejam a interromper as greves por terem chegado “ao limite” no que toca à acumulação de prejuízos, ou que estejam a interromper esta forma de luta porque a nova lei vem permitir que sejam contratados trabalhadores fora dos actuais quadros, o que limitaria a capacidade de luta dos estivadores da Frente Comum. “A decisão tem exclusivamente que ver com a abertura de uma mesa negocial”, afirma o presidente do Sindicato dos Estivadores de Aveiro, que classifica as outras possibilidades como um “profundo disparate” e como exemplo de “mais intoxicação” para a imagem dos trabalhadores.

Depois de quatro meses de paralisações nos portos de Frente Comum, os estivadores anunciaram nesta quinta-feira que iriam suspender os pré-avisos de greve que estão lançados até dia 14 de Janeiro.

fonte

VEJA A TERCEIRA GALERIA DE FOTOS DO VI CONGRESSO DA APLOP







Artigos relacionados:

  • Empresas denunciam perda de vendas com greve nos portos
  • Estivadores estudam contra-proposta ao acordo de compromisso
  • Movimento cresce em Outubro apesar da greve
  • Estivadores antecipam novas formas de luta
  • Estivadores pedem inconstitucionalidade da nova lei
  • A greve dos estivadores
  • Lei laboral dos portos ainda pode entrar em vigor este ano
  • Transporte de mercadorias caiu 6,3% no terceiro trimestre
  • Podem faltar bens de Natal nas lojas este ano
  • Estivadores estrangeiros aderem ao protesto de quinta-feira
  • Governo, patronato e sindicatos defendem a actual Lei de Portos em Bruxelas
  • Mais um prolongamento
  • Greve nos portos prolongada por mais uma semana
  • Carga movimentada por portos do continente aumentou 2,29% em Outubro
  • Movimento dos portos caiu 10% em Setembro com as greves
  • A estiva
  • Guerra no Cais
  • Greve nos portos do continente afecta Boxlines
  • Porto de Vigo a lucrar com a greve em Portugal
  • Porto de Viana do Castelo a funcionar em pleno
  • Em Espanha corre tudo mal, excepto a greve nos portos portugueses
  • Autoeuropa e Mitsubishi admitem recorrer a portos em Espanha