Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Um poema aos «Banhos Quentes» da Praia da Nazaré

“Devo muita obrigação
Aos banhos da Nazaré
E com a ajuda do Senhor
Ainda hoje me tenho de pé"

José Maria Luís nasceu a 6 de Abril de 1907, em Boleiros (freguesia de Fátima).Em 1930, casou com Júlia do Rosário, com quem teve 10 filhos.
Aos 30 anos, sofreu grave doença óssea que o deixou paralítico. Procurou, então, os “Banhos Quentes” da Nazaré, cujo tratamento o curou por completo. Desde esse Verão, todos os anos, vinha passar o Setembro a esta praia piscatória, acompanhado por alguns dos seus filhos – “aqueles que mais necessitavam, por causa da escrofulose”, recorda a filha Olímpia do Rosário Luís (n. 1936).

Ficavam alojados sempre na mesma casa – a “casa da D. Almerinda” – numa rua próxima do Elevador, que deixavam alugada de ano para ano. O banheiro era o João Sales.
Para além dos banhos de praia, José Maria Luís gostava muito da Nazaré pela sua animação e pelas touradas, não perdendo também as Festas de Nossa Senhora.

Embora nunca tenha frequentado a escola, gostava muito de fazer poemas e cantar o fado. A filha dedicou-se a reunir esses poemas, um dos quais é dedicado aos “Banhos Quentes” da Nazaré e que agora foi entregue em cópia ao Museu Dr. Joaquim Manso, no repto da exposição realizada em 2010 sobre “Nazaré: Memórias de uma Praia de Banhos”.

Partilhamos com o público este poema de José Maria Luís, uma singela homenagem a todos aqueles que, até cerca dos anos 1980, vinham à Nazaré durante o Verão não apenas à procura de “sol e mar”, mas também de tratamentos, aliando o lazer à saúde e bem-estar.

Na Nazaré, desde finais do século XIX / início do século XX, havia dois edifícios de Banhos Quentes, cuja terapia à base de água quente salgada era muito procurada por quem padecia de doenças reumáticas. Este poema que agora nos foi apresentado é mais um testemunho da importância desse tratamento, constituindo à época um importante atractivo desta região.

MAIS DETALHES

VEJA A SEGUNDA GALERIA DE FOTOS DO VI CONGRESSO DA APLOP







Artigos relacionados:

  • Inovador Centro de Talassoterapia faz renascer «banhos quentes» na Nazaré
  • A água do mar era puxada através de um cano por cima da areia, durante a maré-cheia, com a ajuda de uma bomba
  • O mar como oportunidade para a Nazaré e para Portugal