Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Falta de sardinha faz disparar preços para valores recordes

A sardinha atingiu este ano valores recordes no mercado nacional, com o preço médio, por quilo, a disparar 72,9% até novembro. No verão, os cabazes (22,5 quilos) chegaram a ultrapassar os 300 euros.

Este foi o resultado prático da falta de sardinha no mercado, já que as descargas das embarcações caíram 40,7% no mesmo período. A quota máxima de captura permitida é, este ano, de 36 mil toneladas. Um valor que fica quase a meio das capturas num ano dito normal. Mas a necessidade de proteger a espécie ditou a obrigatoriedade de estabelecer quotas máximas.

Uma decisão que decorre, também, da certificação da sardinha portuguesa, a única espécie de peixe em toda a Península Ibérica que conta com um rótulo de qualidade que atesta a sustentabilidade dos recursos. E que está suspensa, dada o baixo nível dos stocks.

"A certificação obrigou-nos a elaborar um plano de gestão dos recursos e, por isso, em 2011 fixamos já um quota de captura menor e, dado que os parceiros científicos nos deram conta que a biomassa dos ovantes estava a diminuir bastante e que o recrutamento de juvenis não estava a permitir que a população adulta recuperasse para o limite de segurança, tivemos de diminuir, ainda mais, a pesca. Este ano não irá além das 36 mil toneladas", explica o presidente da Associação Nacional de Organizações da Pesca do Cerco, Humberto Jorge.

Para ajudar, os barcos ficaram em terra durante 45 dias entre fevereiro e março, medida que irá ser repetida em 2013. E quanto a quotas? "Ainda não está totalmente definido. Sabemos apenas que, nos primeiros cinco meses do ano as capturas de sardinha estarão limitadas a 12 mil toneladas mais três mil do que este ano]. Para o resto do ano, vai depender da decisão dos parceiros científicos", adianta Humberto Jorge.
 

fonte