Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

GONÇALO VIEIRA NA CONFERÊNCIA DA ADFERSIT:

É fundamental desenvolver a ferrovia a nível interno

A ADFERSIT realizou, esta terça-feira, uma Conferência subordinada ao tema "Transporte Internacional de Mercadorias", a segunda inserida no Ciclo de Conferências "Conectividade e Competitividade".

A representar a Portucel Soporcel, Gonçalo Vieira (na foto) procedeu a uma apresentação centrada no mar de oportunidades que a complementaridade à rodovia representa para o grupo, com agulha apontada para os modos marítimo e ferroviário.

A nível marítimo, lembrou que a Portucel tem vindo a apostar no transporte marítimo de curta distância, "principalmente a partir de portos de maior proximidade às unidades industriais", nomeadamente através das auto-estradas do mar criadas em 2003 na Figueira da Foz, com ligação a Inglaterra, França, Bélgica, Holanda e Alemanha (quatro a cinco ligações por mês) e em 2009 no porto de Setúbal, para os mesmos destinos mais o norte da Alemanha, o centro e sul de Itália, a Grécia, a Turquia e outros destinos do Mediterrâneo e Médio Oriente.

Já a ferrovia foi a segunda fase desta complementaridade à rodovia, sobretudo para destinos no centro da Europa. "Desde 2007 que apostamos na ferrovia para Itália, seguindo-se Alemanha, Espanha e Suíça", lembrou, destacando que, a curto prazo, "é fundamental desenvolver a ferrovia a nível interno". Já a médio e longo prazo "há que eliminar as ineficiências nos fluxos atuais de exportação".

"Entendemos ser importante desenvolver e repensar um eixo a sul, via Caia e Badajoz, e um eixo na região centro, a partir da Pampilhosa", concluiu, desvalorizando a opção de ligação a partir de Aveiro, sobretudo pela falta de procura da parte dos clientes.

VERSÃO INTEGRAL DESTE ARTIGO AQUI