Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Bacalhaus destinados ao aquário do Museu de Ílhavo chegaram... congelados

Os trinta bacalhaus que partiram segunda-feira da Noruega - para uma longa viagem, de avião e de transporte rodoviário -, saíram de Alesund, passaram por Oslo, aterraram em Lisboa e seguiram daqui por estrada até à cidade de Ílhavo, onde, por esta hora, já deviam estar a nadar, nos tanques de quarentena. Destinavam-se ao primeiro aquário de bacalhaus do país. Mas chegaram mortos.

A expectativa era grande, mas rapidamente passou a desilusão. Assim que se abriu a primeira caixa de transporte, já depois das 23h, a consternação tomou conta da equipa do Museu Marítimo de Ílhavo e da empresa ADN – que está a proceder à montagem do aquário com inauguração anunciada para breve na unidade museológica. Dentro das caixas, opacas, os peixes, com cerca de 30 centímetros e 1,5 quilos, em média, estavam completamente envoltos por blocos de gelo. “Só pode ter sido falta de cuidado da parte da carga no avião”, atirava um dos técnicos que acompanhou a operação, que devia ter culminado com a entrada dos bacalhaus nos tanques de água onde iriam ficar em quarentena até entrarem no aquário.

“Nunca aconteceu uma coisa destas. Transportamos peixes vindos da Indonésia, em viagens muito mais longas, e corre sempre tudo bem”, comentava Luís Câncio, biólogo da ADN. Resta, agora, apurar responsabilidades pela morte dos peixes, embora esta noite, no museu, toda a gente apostasse que a falha ocorreu a grande altitude, entre Oslo e Lisboa. “Os animais vivos têm de ser transportados em porões climatizados. Estes bacalhaus de certeza que vieram no porão de baixo e foram sujeitos a uns 50.º negativos”, atirava João Correia, da empresa Flying Sharks.

Uma coisa é certa: estes peixes que eram aguardados com grande expectativa já não vão povoar o futuro aquário de bacalhaus – com inauguração marcada para dia 16. Fica a promessa da Câmara de Ílhavo de fazer tudo para evitar que este revés adie os planos de abrir aquele novo equipamento ao público ainda no decorrer deste mês. “É uma desilusão, mas faremos de tudo para trazer novos bacalhaus o quanto antes”, assegurou Fernando Caçoilo, vereador da autarquia, que acompanhava a operação.

O aquário de bacalhaus foi construído no âmbito da ampliação do Museu Marítimo de Ílhavo – um investimento de 2,8 milhões de euros, financiado pelo Programa Operacional da Região Centro em 85%. O aquário, especificamente, resulta de uma parceria com o Museu Marítimo de Alesund, na Noruega. A inauguração do tanque de bacalhaus, animais que os portugueses estão habituados a ver no prato mas raramente conseguem ver com vida, deverá encerrar o programa da comemoração dos 75 anos do Museu Marítimo de Ílhavo.

fonte

















Artigos relacionados:

  • Inauguração este domingo, 16 de Dezembro