Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Porque é que é melhor comer sardinha do que salmão?

Um peixe dá-nos ómega 3 mas também metilmercúrio. Como avaliar riscos e benefícios?

Comer peixe é bom para a saúde. É. Quer isso dizer que se gostarmos muito de atum e o comermos todos os dias a uma das refeições estamos a ter uma alimentação melhor, mais saudável? Não.

Que o peixe faz bem, sobretudo os mais ricos em ómega 3, é uma mensagem que já interiorizámos. Mas há um outro lado, menos falado: os riscos. E estes prendem-se essencialmente com os contaminantes (como, por exemplo, o metilmercúrio). O que temos de fazer de cada vez que comemos peixe é, dizem os especialistas, encontrar o equilíbrio entre estes riscos e os benefícios.

"As pessoas têm de seleccionar bem o peixe que comem e o tratamento culinário que aplicam", afirma Carlos Cardoso. Nem todos os peixes têm os mesmos níveis de contaminantes, nomeadamente de metilmercúrio. Os que têm níveis mais elevados são os que estão no topo da cadeia alimentar, ou seja, aqueles que se alimentaram de outros peixes e crustáceos que já tinham retido metilmercúrio que, por sua vez, tinham ingerido o do fitoplâncton e zooplâncton. E no topo estão peixes como o peixe-espada preto, os tubarões, as raias, o espadarte e, "em menor grau", o atum.

Se absorvido em quantidades elevadas, o metilmercúrio afecta o sistema neurológico. E, sobretudo, pode ter consequências bastante negativas sobre o feto se as mulheres grávidas ou a amamentar consumirem muito uma determinada espécie de peixe mais contaminado.

José Luís Domingo, o investigador catalão director do Seafood Risk Assessment da Universidade Rovira i Virgili em Tarragona, explica ao PÚBLICO, numa conversa telefónica, que há três coisas fundamentais a ter em conta quando se escolhe um peixe. A primeira é a procedência. "Há mares fechados, como o Báltico, junto a países altamente industrializados, onde os níveis de contaminação são maiores."

O segundo cuidado a ter é o de não consumir sempre a mesma espécie - por exemplo, o atum de que falávamos. E o terceiro é evitar consumir quantidades muito grandes de um tipo de peixe numa refeição. Mas como estas são indicações gerais, uma equipa liderada por Domingo criou um instrumento, o Programa Ribepeix, que permite ao consumidor medir os níveis de contaminação a que está sujeito quando ingere determinado tipo de peixe.

"Fizemos uma lista das 14 espécies mais consumidas em Espanha, que imagino não serão muito diferentes das de Portugal, e, com a ajuda de análises químicas, construímos um simulador", explica o investigador. "Este indica todos os nutrientes, mas também os contaminantes, e, no caso destes, mostra se está a ultrapassar os níveis aconselhados. Se isso acontecer, propõe alternativas."

continue a ler aqu