Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

28 DE JULHO DE 1941

Navio hidrográfico «D. João de Castro» descobre baixio lendário nos Açores

O Banco D. João de Castro é um grande vulcão submarino localizado nas coordenadas geográficas 38° 14' 0" N e 26° 38' 0" W, sensivelmente a meia distância entre as ilhas Terceira e São Miguel, no arquipélago dos Açores.

Após quase dois séculos de acesa disputa quanto à existência ou não da ilha ou de um baixio dela resultante, a 28 de Julho de 1941, o navio hidrográfico português D. João de Castro descobriu o baixio, ao qual foi dado o nome do navio.

A formação delimita as regiões norte e sul da fossa Hirondelle e insere-se num alinhamento vulcano-tectónico subsidiário do rift da Terceira, constituído por uma série de falhas normais e cones vulcânicos de orientação 145º NNW-SSE que se desenvolvem desde o sul da ilha de Santa Maria até à Dorsal Média do Atlântico a noroeste da ilha Graciosa.

O edifício vulcânico é constituído por escoadas lávicas e depósitos vulcanoclásticos submarinos sobrepostos e tem o seu cume a apenas 12 metros abaixo do nível médio do mar. A região central do vulcão é ocupada por um extenso campo fumarólico que emite grande quantidade de gases que borbulham até à superfície do mar. Actividade sísmica continuada na região faz prever que uma nova ilha poderá formar-se num futuro não muito distante.

No flanco noroeste do vulcão existem dois cones parasitas, ambos com cerca de 90 x 45 m de dimensão. A cratera mais recente está recoberta por uma superfície constituída por um lago de lava solidificada marcado por fracturas de contracção poligonais, enquanto a cratera mais antiga, menos distinta por estar modificada pelo tectonismo local, está recoberta por depósitos de tefra.

O Banco D. João de Castro é sísmica e vulcanicamente muito activo, com formas secundárias de vulcanismo muito evidentes que se traduzem em numerosas fumarolas e nascentes termais submarinas e num gradiente geotérmico muito elevado. São comuns as crises sísmicas centradas neste vulcão, prolongando-se por algumas semanas e produzindo muitos milhares de sismos, em geral de pequena intensidade, alguns dos quais são sentidos com intensidade II/III da escala de Mercalli no sueste da Terceira e na região oeste da ilha de São Miguel.

MAIS DETALHES

LEIA TAMBÉM: Sobre uma possível erupção submarina no Banco D. João de Castro em 1997
 












Artigos relacionados:

  • Primeiro navio construído no Alfeite
  • O encalhe do navio hidrográfico «D. João de Castro» nas águas de Cabo Verde
  • D. João de Castro também deu nome a um Banco
  • Oceana identifica mais de 100 espécies marinhas na montanha submarina de Gorringe (Portugal)
  • Inaugurado o Arsenal do Alfeite