Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Bruxelas quer ferrovia entre Sines e Madrid que suporte velocidade de 200 km/h

A Comissão Europeia enviou uma carta aos governos de Portugal e de Espanha a defender a construção de uma linha ferroviária, quanto antes, entre Sines, Lisboa e Madrid, que possa suportar velocidades de, pelo menos, 200 quilómetros por hora, segundo o jornal El Periódico de Extremadura.

O jornal refere que a carta, datada de 18 de Maio, foi enviada pelo coordenador de Transportes da Comissão Europeia, o italiano Carlo Sechhi (na foto), ao ministro português da Economia, Álvaro Santos Pereira, e à ministra espanhola do Fomento, Ana Pastor.

Os planos portugueses para a ferrovia, que se traduzem numa linha de velocidade elevada para transporte de mercadorias, estiveram em cima da mesa numa reunião, em Fevereiro, entre o ministro português e a homóloga espanhola.

Portugal tem insistido na construção de uma linha de bitola europeia, dedicada ao transporte de mercadorias, entre Sines e Badajoz, para facilitar as exportações portuguesas para a Europa, o que o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, defendeu em Março ser desejável estar pronta até 2014.

Na carta citada pelo jornal espanhol, o coordenador de Transportes da Comissão Europeia defende a construção da ligação entre Lisboa e Madrid, quanto antes e independentemente se a linha é para comboios convencionais ou de alta velocidade, que una as duas capitais em menos de cinco horas com comboios a 200 quilómetros por hora.

A linha suportaria mercadorias de Sines e, refere a Comissão Europeia, poderia ser adaptada, a médio prazo, a alta velocidade. Bruxelas defende a construção de uma ligação entre Évora e a fronteira espanhola para garantir uma ligação mais directa do que a actual.

Declarando-se consciente das dificuldades financeiras que atravessa Portugal, Sechhi refere, ainda segundo o mesmo jornal, que uma das hipóteses poderia ser construir uma linha convencional.

Posteriormente, e quando a conjuntura económica melhore, modernizar-se-ia o traçado para aguentar comboios de 250 ou 300 quilómetros por hora.

Detalhando a sua proposta, Secchi refere que, numa primeira fase, seria construída a plataforma do traçado Évora-Caia com via dupla, com linhas de bitola ibérica (1,666 metros) como os existentes em toda a rede convencional dos dois países.

Esta “seria adaptada a bitola internacional [1,435 metros e usado na maior parte da Europa para a alta velocidade] no futuro”, refere.

Isso “permitiria garantir de forma relativamente rápida o funcionamento da linha de mercadorias entre Sines e Madrid e, ao mesmo tempo, efectuar a conexão entre Lisboa e Madrid em quatro horas e meia ou cinco com velocidades de 200 quilómetros por hora”.

Desta forma, Portugal poderia garantir “em um relativamente curto espaço de tempo, ligar o porto de Sines com Espanha e até França, proporcionando, além disso, uma melhor conexão de passageiros” entre as duas capitais e “permitindo fechar o ramal de Cáceres”.

Para uma fase posterior, à espera de que Espanha termine as obras do TGV até Badajoz, ficaria pendente a electrificação da linha e a instalação dos sistemas de segurança e sinalização para comboios de alta prestação.

Contempla também a proposta, quando “a disponibilidade financeira o permita”, realizar a modernização dos traçados actuais de Évora a Lisboa e a Sines.

Secchi defende a viabilidade económica da proposta já que a curto prazo se reduziriam os custos face ao abandonado TGV e sendo que o grosso das obras seriam co-financiadas “até 95%” – com fundos europeus.

Sem referir o custo estimado da infra-estrutura, o responsável europeu defende que o desenvolvimento da linha por fases “possibilitaria minimizar as necessidades de financiamento próprio” por parte de Portugal, utilizando Fundos de Coesão do período 2007-2014, parte das ajudas concedidas pela Rede Transeuropeia de Transportes ao troço Caia-Poceirão (245 milhões de euros) e com fundos adicionais do próximo orçamento 2014-2020.

Carlo Sechhi pede uma reunião das três partes para discutir a proposta e assegura que, com este plano, Espanha teria garantida a obtenção de fundos europeus aprovados para o AVE a Badajoz no período 2007-2014.

fonte