Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Porto de Lisboa promove workshop de stakeholders do Projecto MIELE

Dia 9 de Maio, a Administração do Porto de Lisboa promoveu a realização de um workshop para os stakeholders do projecto Miele. Trata-se de um projecto estratégico de interesse prioritário das Redes Transeuropeias de Transporte, em que participam, para além de Portugal, a Alemanha, a Espanha, a Itália e o Chipre.

Em Portugal, os parceiros do projecto são a Administração do Porto de Lisboa, Administração do Porto de Douro e Leixões e o IPTM, que é o coordenador nacional. O workshop, destinado aos stakeholders do projecto, foi muito participado e teve como objectivo informar os vários parceiros sobre os principais resultados alcançados e recolher contributos para a definição das novas soluções a construir até final de dezembro de 2013. Dessas novas soluções destaca-se o desenvolvimento dum demonstrador da Janela Única Logística, (JUL), a nível europeu.

redes de transporte de mercadoria de grande capacidade, as melhores práticas de outros sectores de actividade, como é o caso das redes privadas de correio urgente, acrescentando a medição do desempenho e do custo ambiental.

Pretende-se que a Janela Única Logística, JUL, contribua para potenciar a oferta de serviços logísticos favorecendo desse modo uma oferta porta-a-porta numa perspectiva multimodal. Assim, a JUL deverá vir a ser utilizada por integradores logísticos ou de transporte, restantes prestadores de serviços e também importadores e exportadores, contribuindo para dar visibilidade à cadeia logística tanto no hinterland como foreland.

É também objectivo do projecto a construção de uma plataforma electrónica de serviços comerciais a nível de cada porto, o Sistema de Comunidade Portuária (PCS- Port Community System) e de uma Janela Única Nacional (NSW – National Single Window), cumprindo a directiva 2010/65 da UE para a simplificação dos actos declarativos à chegada e partida de portos dos estados membros e a criação de um espaço marítimo europeu sem barreiras.

A abertura da sessão de trabalho esteve a cargo da Sra. presidente do conselho de administração do porto de Lisboa, Engª Natércia Cabral que destacou a importância para o porto de Lisboa deste projecto MIELE que sucede naturalmente ao projecto de que resultou o sistema Janela Única Portuária (JUP), sistema que já simplifica a relação entre privados e autoridades públicas, que evoluirá para um novo conceito de simplificação das relações entre as entidades privadas no porto, o Sistema de Comunidade Portuária (PCS).

Com esta plataforma pretende-se tornar o porto mais transparente e mais simples de percepcionar pelos clientes mas também que ela seja o suporte de mais serviços comerciais. Entre outros, integrará serviços ligados ao meio de transporte (navio, comboio, camião e barcaça) e serviços à carga (rastreio e localização e de contentores e da carga, em geral, e agendamento de inspecções).


O presidente do IPTM, coordenador nacional, Dr. João Carvalho também durante a abertura proferiu palavras relativas ao impacto do projecto e sua importância para Portugal.

Dos stakeholders presentes, operadores e entidades oficiais, a Drª Ana Paula Raposo e a Drª. Paula Mota, respectivamente subdirectora geral da Autoridade Tributária e Aduaneira e a responsável pela regulação aduaneira, o Engº Eduardo Pimentel e o Eng. Morais Rocha, respectivamente presidente e administrador da Liscont, SA, o Engº Luis Figueiredo, Administrador do Grupo ETE, o Dr. Manuel Baptista, administrador da MacAndrews, o Dr. Fernando Lima e Dr. Carlos Duarte, respectivamente administrador e director geral da Transitex, SA, o Dr. José Melo, diretor de desenvolvimento estratégico e adjunto da administração da Luís Simões, SA, Susana Santos, Diretora da Transinsular, Dr. Francisco Santos e Alina Espinha da DGV e coordenadores do PIF de Lisboa, Dr Mario Rui de Sá da AGEPOR e a coordenadora do projecto pelo IPTM, Engª. Heloisa Cid, e pela APDL, Eng. Marinho Dias, entre outros participantes.

O programa do workshop e as apresentações realizadas, que se encontram disponíveis no portal da APL, foram desenvolvidos pelo coordenador do projecto da APL, e por membros da equipa, técnico /cientifica do projecto em que se incluem, por parte da APL, o ISEL, a Marlo e a Indra e por parte da APDL, a EGP e o INESC Porto.

O debate, foi muito participado por parte dos stakeholders, que manifestaram uma apreciação muito positiva sobre o que lhes foi apresentado demonstrando interesse e empenho na participação futura no mesmo.

Para o encerramento da sessão foi convidado o professor Dr. Augusto Mateus numa interessante dissertação sobre vários temas relacionados com o objecto desta sessão. Começou por sublinhar a estreita relação de complementaridade que sempre existiu entre o porto e a cidade de Lisboa, realçou a enorme importância deste projeto para a economia portuguesa, em geral, pelo seu grau de inovação, mas também para a afirmação do porto, enquanto fator de desenvolvimento. Afirmou, ainda, ser este projeto um exemplo de como Portugal pode mobilizar múltiplas valências de parceria técnico cientifica, ao funcionar em rede com os parceiros, podendo vir a exportar o seu “know-how” num momento em que a globalização põe uma grande pressão sobre a redução de custos e uma cada vez maior fiabilidade nos processos de transporte.