Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

1910

A rádio ajuda a apanhar tenebroso assassino em alto mar

A rádio era uma invenção assombrosa e recente há 100 anos, mas já era usada há meia década como meio de comunicação de longa distância em alto mar. Foi a rádio a principal responsável pela captura do Dr. Hawley Harvey Crippen e da sua amante, que tentavam realizar uma discreta fuga para a América. No seu plano de fuga, Crippen não contava com o avanço tecnológico.

Em 31 de janeiro de 1910, Crippen (50) envenenou sua mulher, a polonesa Cora Henrietta e, vai anotando aí, desmembrou seu corpo, queimou os ossos e enterrou o que restou do cadáver em vários pontos do porão de sua casa na zona norte de Londres. Para quem estranhava seu misterioso sumiço, ele dizia que a mulher tinha viajado para a América, para depois dizer que Cora havia falecido nos Estados Unidos.

Os vizinhos estranharam a história e a estranha presença de sua secretária (na verdade a amante, Ethel le Neve, de 27 anos) instalada na casa e usando as roupas e joias da falecida. Chamaram a polícia, que revirou a casa e acabou encontrando os restos mortais da esposa do Dr. Crippen, já na Bélgica àquela altura. A famosa Scotland Yard empreendeu uma verdadeira caçada ao assassino e sua amante que só teve sucesso pela participação de uma discreta aliada: a tecnologia.

Entra em cena o capitão Kendall, Comandante do SS Montrose, entusiasta de histórias policiais e do avanço da ciência. Foi ele quem reconheceu Clipper e sua amante (disfarçados de pai e “filho”) a bordo do navio que rumava para o novo continente. Suas pistas foram um bigode recém raspado, marcas de um par de óculos que o suspeito não usava e o fato dele andar pelo convés de mãos dadas com o “rapaz”, o que já levanta suspeitas hoje, imaginem há cem anos.

Capitão Kendall correu para o rádio e avisou a Scotland Yard por telegrama. Seguiu-se uma alucinante (lembrem-se, estamos em 1910) perseguição naval com o Laurentic, uma embarcação menor e mais ágil, e com o inspetor Walter Drew a bordo, partindo a toda velocidade. Encontraram-se já na costa canadense, onde, disfarçado, o inspetor finalmente capturou o maníaco e sua amante.

O mais interessante: dias antes, o próprio Clippen, disfarçado, havia comentado com o Capitão que “invenção notável” era a tal rádio. Invento esse que pouco depois providenciaria sua prisão. A história acabou no cinema quatro vezes: os alemães “Dr. Crippen an Bord (1942), Dr. Crippen Lebt (1958), o americano “Dr. Crippen” (1962) e o inglês "The Last Secret of Dr. Crippen" (2004). Hawley Crippen não assistiu a nenhum deles. Acabou enforcado.

fonte

 

VISITE OS RECURSOS DA APLOP (ASSOCIAÇÃO DOS PORTOS DE LÍNGUA PORTUGUESA), NA WEB
 

 







Artigos relacionados:

  • «Hoje ninguém se conforma com viagens mudas»
  • Desarranjo no leme e sinais marcónicos
  • O posto radiotelefónico do Arsenal falou ontem com o «yacht» «Electra», a bordo do qual viaja o célebre inventor da T.S.F., Marconi
  • O Titanic e a rádio