Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Guarda costeira dos EUA afunda «navio fantasma» do tsunami do Japão

A Guarda Costeira dos Estados Unidos afundou um navio japonês que estava à deriva há um ano, desde o sismo e tsunami de 11 de Março de 2011 no Japão, e que tinha sido avistado ao largo da costa da Colúmbia Britânica há cerca de duas semanas.

O navio é o maior testemunho até agora da enorme quantidade de destroços que o tsunami varreu do Japão para o Pacífico, e que devem chegar à costa dos Estados Unidos e Canadá nos próximos anos. As autoridades japonesas falam em 1,5 milhões de toneladas de destroços – desde fragmentos de plásticos até navios, como Ryon-Un Maru, agora afundado.

Com 61 metros de comprimento, o navio fora avistado a 23 de Março por uma embarcação de pesca canadiana, que inicialmente pensou em rebocá-lo mas desistiu da ideia. Imediatamente apelidado de “navio fantasma”, o Ryon-Un Maru permaneceu à deriva, num corredor marítimo entre os Estados Unidos e o Canadá.

As autoridades norte-americanas decidiram afundá-lo, como a alternativa mais segura para eliminar o que seria um perigo para a circulação marítima. Uma embarcação da Guarda Costeira abriu fogo sobre o navio, que ainda permaneceu a flutuar por algumas horas. Acabou por ir ao fundo, a pouco mais de 300 quilómetros da costa do Alasca, com cerca de 7500 litros de combustível a bordo.

fonte
 

VISITE OS RECURSOS DA APLOP (ASSOCIAÇÃO DOS PORTOS DE LÍNGUA PORTUGUESA), NA WEB
 

 







Artigos relacionados:

  • Como foram retirados os navios depois do tsunami no Japão
  • Mar junto a Fukushima tem radioactividade 1250 vezes acima do limite de segurança
  • Três portos suspendem serviços
  • A força indómita do tsunami
  • Portos japoneses podem passar meses desactivados
  • O poder avassalador do tsunami