Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

PROJECTO-PILOTO VAI ARRANCAR NA MOITA

Ostras estão de volta ao Tejo

O rio Tejo pode voltar a ter produção de ostras. Governo, Câmara Municipal da Moita e o empresário Samuel Pacheco assinaram um protocolo para o desenvolvimento de um projecto-piloto de investigação sobre a viabilidade de produção de ostras no Estuário do Tejo.

De acordo com um comunicado da autarquia, o objectivo é perceber se a qualidade da água é adequada à "produção de bivalves" e verificar a "taxa de sobrevivência", com vista a uma "futura exploração comercial".

Já o secretário de Estado do Ambiente e Ordenamento do Território, Pedro Afonso Paulo, deu como certo que a produção de ostras vai mesmo avançar, graças à diminuição dos níveis de poluição das águas. Segundo o governante, será criada uma zona de monitorização, a ser protocolada entre as várias instituições envolvidas, e que "permitirá uma produção [de ostras] em que estejam asseguradas todas as condições, em termos de saúde pública".

A ostra portuguesa teve grande importância comercial entre as décadas de 50 e 70 do século passado, antes de ser dizimada pela chamada ‘doença das brânquias', com origem na poluição da água. No Tejo e no Sado chegaram a produzir-se dezenas de toneladas de ostras, que eram exportadas para França, onde ganharam reputação, sendo conhecidas por ‘Les portugaises'.

fonte



Visite o Canal da Associação
dos Portos de Portugal no YOUTUBE

 

Estamos no Facebook, no Twitter e no Slideshare.


Conheça o portal da Associação dos Portos de Língua Portuguesa (APLOP)







Artigos relacionados:

  • Conchas, ostras, tubarões e até sereias inspiram desfiles internacionais de moda
  • Ostras com pérolas na ria Formosa, do Alvor e do Guadiana
  • Ostras do Sado | «Rosários» de estórias e memórias