Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

POR RICARDO PAULO

You´ll never walk alone

Todos os amantes de futebol sabem a importância que os adeptos têm para um clube. Cada vez mais, treinadores, dirigentes e jogadores, apelam aos adeptos para comparecerem nos jogos por forma a apoiar a sua equipa. Um dos maiores exemplos do sucesso resultante da união entre adeptos e clube é o Liverpool, cujo estádio é conhecido pelo “inferno de Anfield”. Não foi portanto por acaso que o hino adoptado pelo clube tenha sido a famosa música cantada por vozes como Frank Sinatra, Ray Charles ou Pink Floyd: You'll Never Walk Alone. Sintomático!

Os portos há muito deixaram de atrair somente cargas de proximidade geográfica. Com o desenvolvimento das acessibilidades terrestres, as áreas de influência de um porto alteraram-se significativamente, sendo agora delimitadas pela capacidade de penetração no mercado. Temas como a fluidez de tráfegos, eficiência e intermodalidade ganharam preponderância; mais ainda quando os custos da fatia terrestre do transporte porta-a-porta são geralmente superiores aos da parcela marítima e as principais condicionantes ao seu sucesso se encontram no inland; problemas como congestão dos terminais, adequação da infra-estrutura ferroviária ou disponibilidade de canal são frequentes e podem ditar o sucesso de um serviço e o alargamento do hinterland de um porto.

Além disso, o aumento constante das exigências dos carregadores em termos de frequência, pontualidade, cobertura geográfica e a sua progressiva complexidade levaram armadores e portos a alterar o seu padrão. O sucesso está agora na oferta de serviços integrados porta-a-porta onde o transporte inland e as chamadas “pontas” se tornam cada vez mais importantes no ganho de competitividade de um porto.

Como na maioria dos casos, as grandes multinacionais são as que assumem a dianteira. Os grandes armadores foram os primeiros a alargar a sua área de negócio e a apostar na oferta de produtos de logística integrada e de serviços porta-a-porta. Empresas que tradicionalmente se preocupavam apenas com o transporte de mercadorias de um porto para outro são agora operadores logísticos perfeitamente integrados, oferecendo serviços just-in-time e operações de mais-valia à carga, incluindo mesmo a gestão de sistemas de informação e da cadeia de abastecimento.

Não deixa de ser curioso verificar que nem todos optaram pela mesma via: alguns armadores preferiram criar empresas dentro do grupo por forma a controlar todo o negócio, desde o transporte marítimo até aos meios terrestres, passando pela operação portuária; outros há que, por operarem em mercados muitos específicos como o short sea, optaram por manter-se no negócio do shipping tentando aumentar o networking com operadores logísticos locais na comercialização dos seus serviços; por último, existe um grupo que combina uma estratégia de investimentos selectivos em áreas consideradas chave, subcontratando os serviços para os quais não estão vocacionados. Neste caso, o armador não é dono dos meios de transporte terrestres, preferindo realizar contratos de longa duração com operadores muito específicos que cubram as suas necessidades.

Seja qual for o caso, um porto deve adaptar-se às várias realidades por forma a responder ao que os seus clientes lhe impõem, devendo estar ciente que não existe uma solução standard. O mais importante é perceber que além da concorrência entre infra-estruturas, existe agora uma concorrência entre cadeias logísticas cuja qualidade e sucesso dependem do comportamento, da coordenação e da união entre os vários actores. Tal como em Liverpool, que a música inspire os portos: you will never walk alone!

POR RICARDO PAULO
 
Artigo publicado originalmente no "Diário de Aveiro". Leia o artigo em pdf
 


 


Visite o Canal da Associação
dos Portos de Portugal no YOUTUBE

Estamos no Facebook, no Twitter e no Slideshare.


Conheça o portal da Associação dos Portos de Língua Portuguesa (APLOP)







Artigos relacionados:

  • A verdadeira ponte
  • PARA APROVEITAR ALARGAMENTO DO CANAL DO PANAMÁ - Cluster portuário rumo à internacionalização
  • Contra os canhões, exportar, exportar!
  • asrevnI acitíloP
  • ROTERDÃO: Um porto 3D
  • O regresso ao Atlântico perdido
  • 366 X 49 X 15
  • Porta Atlântica da Europa vai entrar nos carris?
  • A ligação Aveiro além Salamanca