Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Lisnave reparou 101 navios em 2011

Apesar da crise financeira que afecta as várias economias do mundo, os estaleiros navais da Mitrena mantiveram um volume de reparações que ultrapassou uma centena. Um decréscimo de treze navios em comparação com 2010.

A Lisnave procedeu à reparação de 101 navios em 2011, apesar dos efeitos negativos da crise económica no sector da reparação naval.

Os primeiros números avançados pela empresa apontam para uma diminuição em relação a 2010, na ordem dos treze navios.

A Grécia foi o melhor cliente com a reparação de 25 navios, seguindo-se a Singapura com 16 e a Alemanha com 12. A Dinamarca e Chipre mandaram seis navios para reparar enquanto Japão e Mónaco 5. A Espanha reparou 3 e os Estados Unidos da América, Inglaterra, Bélgica, Índia e Itália, 2. Países como a Bélgica, Brasil, Canadá, China, Letónia repararam um navio. Ao todo, os estaleiros navais da Mitrena tiveram 59 clientes armadores, oriundos de 21 países. Refira-se, no entanto, que a procura internacional não tem paralelo no mercado português, dado que a Lisnave não reparou nenhum navio português durante o ano passado. Recorde-se que em 2010 tinha sido apenas um.

A Lisnave apresenta como uma mais valia o facto de apostar em todo o tipo de navios, como graneleiros, petroleiros, dragas, porta-contentores, carga geral e ro-ro, entre outros, contribuindo assim significativamente para manter uma procura, embora com uma ligeira descida.

Por outro lado, o facto de a Lisnave ser procurada por armadores de todo o mundo continua a ser um indicador de referência da competitividade da empresa no mercado global da manutenção/reparação naval.

Entre os clientes que têm dado preferência à Lisnave, destaca-se a “AET Shipmanagement”, de Singapura, a “A.P.Moller” da Dinamarca, e a “Unicom Management”, de Chipre.

Quanto aos valores de facturação de 2011, eles só deverão ser divulgados após a assembleia-geral de accionistas que deverá realizar-se em Março.

fonte







Artigos relacionados:

  • EDP investe 20 milhões em projecto eólico que pode criar 8 mil empregos
  • Parpública extingue Fundo Margueira e integra antigos terrenos da Lisnave
  • Workshop sobre «Segurança nos Estaleiros Navais»