Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Aprovada «candidatura de emergência» para praia de Moledo

O Secretário de Estado do Ambiente aprovou uma "candidatura de emergência" para a intervenção de reposição e reforço do cordão dunar em Moledo, Caminha, anunciou o presidente da Administração Regional Hidrográfica do Norte (ARHN).

"A candidatura de emergência ao POVT foi aprovada pelo senhor secretário de Estado e nós vamos submetê-la", disse António Gonçalves de Brito.

No início de Novembro, o mar destruiu parte da duna primária da praia de Moledo, poucos metros a norte de uma zona já afetada este ano, pela subida das águas, e ameaça o Pinhal do Camarido, uma área protegida do concelho de Caminha.

A intervenção está avaliada em cerca de 350 mil euros e, segundo garantiu António Guerreiro, será objeto de uma candidatura ao Plano Operacional de Valorização do Território e ao Fundo de Proteção de Recursos Hídricos, com o título de "urgência", para avançar rapidamente.

Apesar de "para já" não estarem casas em risco, o autarca de Moledo, Joaquim Seixo, garante que a situação "é bastante complicada", já que o mar "galgou a duna".

"O mar está a investir fortemente naquela zona, a duna primária está quase desfeita. Estamos a registar uma erosão bastante acentuada", sublinhou o autarca de Moledo.

Esta situação acontece praticamente em frente ao Forte da Ínsua, alguns metros a norte do local onde em fevereiro uma situação semelhante ameaçou um moinho convertido em habitação.

Na altura, a junta de Moledo, proprietária do edifício, colocou pedras para suportar os alicerces do moinho, mas a intervenção de fundo na praia, que face ao avanço do mar ficou reduzida a cerca de metade da sua extensão, deveria acontecer em setembro.

Em fevereiro, o mar chegou a avançar sobre o arruamento paralelo à praia e esteve perto de outras habitações, além de ter destruído um guarda-corpos do paredão em cerca de trinta metros.

A intervenção de fundo está prevista ao abrigo do Polis do Litoral Norte, mas continua por concretizar numa altura em que o ministério do Ambiente admite avançar apenas com as obras prioritárias.

Aproveitando a presença do presidente da ARHN em Viana do Castelo, para lançar outra obra de urgência, de reposição do cordão dunar em Castelo de Neiva, o autarca local apelou à "rápida reativação" do Polis do Litoral Norte pelo Ministério do Ambiente.

José Maria Costa lembrou que os municípios de Esposende, Viana do Castelo e Caminha elaboraram um plano "consistente e concertado" para o litoral, que só em intervenções de proteção costeira prevê obras de 13,5 milhões de euros, mas que desde o mês de agosto esperam "uma decisão governamental".

"Projetos que são essenciais para a defesa das populações e atividades como a pesca. Não são obras de fachada, mas de intervenção concreta e não podemos estar unicamente à espera que aconteçam as desgraças", apelou o autarca de Viana do Castelo.

FONTE