Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

DECLARAÇÕES FEITAS NA CONFERÊNCIA «POLÍTICA MARÍTIMA PORTUGUESA», NO CASINO FIGUEIRA

Manuel Pinto de Abreu admite a criação de uma «loja do cidadão para os assuntos do mar»

«Re...descobrir o Mar» abriu esta quarta-feira, no Casino Figueira, com a conferência «Política Marítima Portuguesa».
Nesta iniciativa do Casino Figueira, com o apoio da Marinha Portuguesa e da Sic Notícias, participaram o Secretário de Estado do Mar, Manuel Pinto de Abreu e o Contra-almirante António Silva Ribeiro, estando a moderação a cargo do director da Sic Notícias, António José Teixeira.

RE...DESCOBRIR O MAR

O mar como desígnio nacional. A ideia, transversal na sociedade portuguesa, une especialistas e responsáveis de todos os quadrantes políticos, mas deixa em aberto a questão do «como». Na primeira conferência de um ciclo que pretende dar a conhecer as diferentes, e eventualmente complementares, respostas, o Secretário de Estado do Mar deixou claros alguns vectores de orientação: regulamentar de forma integrada todos os sectores ligados ao mar, simplificar procedimentos e licenciamentos de foma a evitar perder oportunidades, por mais pequenas, admitindo mesmo a criação de uma «loja do cidadão para os assuntos do mar»; e coordenar os esforços de todos os agentes envolvidos no desenvolvimento da chamada economia do mar, entendida em sentido lato e sustentável. E, não menos importante, seguir os bons exemplos estrangeiros sem esquecer a capacidade portuguesa instalada, o conhecimento científico existente e a força, mobilizável, de todos e de cada português.

CONTINUE A LER, AQUI, ESTA NOTÍCIA DO SEMANÁRIO "O FIGUEIRENSE"