Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

O povo vai aonde a carga está!

É certo que cruzamentos de rotas de comércio foram berços da maioria das cidades. Dito de outra forma, e parafraseando Milton Nascimento, “o povo vai aonde a carga está!”.

Nesse processo, equipamentos logísticos (portos, por exemplo) têm sido decisivos. Mas, curiosamente, não são raras relações amor-ódio; tanto que o tema é objeto de farta literatura, cursos, entidades específicas, publicações e eventos periódicos mundo afora, inclusive no Brasil. Recentemente, voltou à discussão no 18º Congresso Nacional de Municípios Portuários (Itajaí-SC).

Na Europa, exemplo desse processo, pesquisa da “European Sea Ports Organisation – ESPO” com 116 portos, de 26 países, indicou que, independentemente da propriedade ou nível de controle, as autoridades portuárias têm forte interação com os governo locais. E, no passado recente, têm elas se distanciado das operações portuárias, a par de aproximações com comunidades locais.

LEIA A VERSÃO INTEGRAL DESTE ARTIGO