Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

VIAJANDO PELA HISTÓRIA

Cristóvão Colombo fascinado pelos «feijões-do-mar»

Porto Santo foi a primeira ilha do arquipélago da Madeira a ser colonizada.
Provavelmente os primeiros humanos a pisar o solo do Porto Santo, fizeram-no há cerca de 600 anos atrás, depois de terem sido levados até à costa, por uma tempestade, enquanto exploravam a Costa da Guiné.

Estes navegadores desafortunados – comandados por João Gonçalves Zarco e Tristão Vaz Teixeira – tinham sido enviados numa viagem de descoberta pelo Príncipe Henrique, o Navegador e retornaram imediatamente para Portugal para contar o que haviam encontrado. O príncipe enviou um navio, sob comando de Bartolomeu Perestrelo para colonizar a ilha, enviando também de regresso, Zarco e Vaz nos seus próprios navios para continuarem a explorar.

A frota chegou por volta de 1420, e em 1446 Perestrelo foi designado ‘Capitão Donatário’ do Porto Santo, uma posição que se tornou hereditária. Perestrelo mandou plantar vinha e cana-de-açúcar e abateu dragoeiros locais para a produção do “sangue-de-dragão”, uma resina, altamente valiosa, utilizada em fármacos e em tinturaria. Também introduziu coelhos, o que não foi uma boa ideia, pois estes devastaram tudo o resto e o Porto Santo nunca se recompôs totalmente. Zarco e Vaz prosseguiram com o intuito de colonizar a Madeira, tornando-se esta mais importante, continuando o Porto Santo quietamente no obscurantismo até aos dias de hoje. Com uma notável excepção, a filha de Bartolomeu, Filipa Moniz casou com um comerciante de açúcar genovês, chamado Cristóvão Colombo.

Muita da história confunde-se com lendas, mas sabe-se que por volta de 1478, Colombo vivia na Madeira e parece que recebeu de seus parentes, terras no Porto Santo, após ter casado com Filipa em 1479, que veio a falecer durante o parto, um ou dois anos mais tarde. A história diz que aquando da sua estadia no Porto santo, Colombo começou a estudar as correntes oceânicas, fascinado pelos ‘Feijões-do-mar’ (sementes de Entada gigas) trazidos pelas correntes do golfo desde as Caraíbas. Ou (como alguns defendem), recebeu um aviso de alguns navegadores derrotados, que existia terra para além do oceano. O que se sabe, é que em 1480, Colombo traçou o seu plano para uma viagem de travessia do Atlântico, primeiro ao Rei de Portugal, mais tarde a Dona Isabel de Espanha e em 1485 deu início à sua expedição. E o resto, como se diz, é história.

FONTE
 







Artigos relacionados:

  • Festival Colombo regressa ao Porto Santo
  • Casa Colombo