Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Receitas do turismo batem recorde de 2008

Ainda 2011 ia a meio e era já o melhor ano turístico de sempre em receitas, que em Junho superaram as alcançadas em pleno Euro 2004. A crise não impediu que mais estrangeiros visitassem o País, invertendo a tendência dos últimos anos, em que foram os portugueses a salvar o sector. Mas com a austeridade a apertar, as férias são mais curtas e poupadas.

Apesar da crise, as receitas do turismo em Portugal atingiram no primeiro semestre o seu valor mais alto de sempre, com um total de 3,246 mil milhões de euros, mais 8,8% do que em 2010 e acima do recorde de 3,139 mil milhões obtido em 2008. O mês de Junho, com 660 milhões de euros, foi mesmo melhor do que em 2004, o seu anterior máximo histórico (632 milhões), com a realização do Campeonato Europeu de Futebol.

A manter-se este desempenho na segunda metade do ano, mesmo porque a primeira é habitualmente a mais fraca, 2011 poderá ser o melhor ano de sempre em termos de receitas turísticas para o País, ultrapassando o recorde de 7,601 mil milhões alcançado no ano passado. Não é a salvação nacional, mas ajuda, sobretudo pelo impacto que tem na balança de pagamentos, sendo o turismo a principal actividade exportadora, com 43,3% das receitas das exportações portuguesas de serviços em 2010.

Os números divulgados há dias pelo Banco de Portugal contabilizam os gastos dos turistas estrangeiros em Portugal. Quando comparados com o que os portugueses gastaram lá fora, o excedente é de 1,755 mil milhões de euros a favor das exportações de viagens e turismo, 15% acima de 2010, e mais um recorde para a primeira metade do ano, superando em 2,7% o de 2008. É que, enquanto os estrangeiros deixaram em Portugal mais 8,8% (263 milhões),os portugueses aumentaram as suas despesas no exterior em apenas 1,9% (28,2 milhões). No mês de Junho cortaram mesmo os gastos, que desceram 1,8% face a 2010, resultando na maior queda - cinco milhões- desde Novembro de 2009.

Os mercados emissores que mais contribuíram para o aumento das receitas foram, em termos absolutos, França (+ 48 milhões de euros), Reino Unido (+ 46,2 milhões) e Brasil (+32 milhões), que só em Junho cresceu 40,5%. Os dados do INE sobre a actividade hoteleira até Junho - os últimos disponíveis - já indicavam uma melhoria homóloga em todos os principais indicadores devido ao aumento de turistas estrangeiros, enquanto o turismo interno estagnava, depois de ter sido nos últimos anos a tábua de salvação do sector.

O semestre fechou com 6,3 milhões de hóspedes recebidos, mais 6% do que um ano antes, responsáveis por 17,1 milhões de dormidas, mais 8,8%. Um crescimento que se deveu ao aumento de 11,6% de hóspedes estrangeiros, para 3,3 milhões, a gerarem 11,4 milhões de dormidas (+13,9%). Já o número dos hóspedes residentes em Portugal, pouco mais de três milhões, apenas subiu 0,5%, e as dormidas mantiveram-se sem alteração nos 5,7 milhões.

Os proveitos totais da hotelaria aumentaram 6,5%, para 800 milhões de euros, mas a subida da RevPar (receita por quarto disponível), mais 0,8%, foi marginal, reflectindo a contínua pressão sobre os preços.

Os dados de Julho e Agosto ainda não estão fechados, mas no Algarve, a região mais procurada para as férias de Verão, os números da hotelaria indicam que se repetiu o decréscimo de turistas portugueses e o aumento de estrangeiros. O destaque vai para o mercado espanhol, que "em Julho subiu 28%, devendo o mesmo repetir--se em Agosto", avançou ao DN o presidente da Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA), Elidérico Viegas.

No acumulado do ano, os espanhóis já levam um avanço de 15,5% face a 2010, o que é seguido por alemães (+10,6%), ingleses (+7%) e demais mercados, o que o presidente da AHETA atribui, em parte, "à instabilidade no norte de África". Já os turistas portugueses, que nos últimos cinco anos tinham aumentado 50%, recuaram 11% até Julho, mês em que a queda homóloga foi de 7,2%.

Contas feitas, "a taxa de ocupação que em 2010 tinha sido de 51,1%, a pior dos últimos 16 anos, subiu 1,5%, mas está longe dos 65% para a rendibilidade dos investimentos". Mesmo porque a queda dos preços é outra tendência "para ficar", diz Elidérico Viegas, que aponta uma quebra de 4,9% até Julho nas receitas da hotelaria algarvia, prevendo que no total do ano, "apesar do aumento de hóspedes e da ocupação, deverão ficar ao mesmo nível de 2010".

FONTE: DIÁRIO DE NOTÍCIAS