Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

FIGUEIRA DA FOZ (1930-1960)

Apontamentos sobre o turismo balnear

Trindade Coelho permite-nos descobrir os pioneiros da vilegiatura figueirense entre o grosso dos elementos da Academia coimbrã, dando nota de que esta constituía a base da elite social que acorre à praia figueirense, referindo que “os rapazes que frequentavam a Universidade costumavam passar na Figueira, à volta das férias grandes, os primeiros quinze dias do mês de Outubro.”

Na realidade, e nessa altura do ano, a Figueira, “era já Coimbra. Ou cheirava tanto a Coimbra que era como se o fosse”, refere o escritor.

O lento dissipar do “medo do mar”, essa aversão mental muito bem relacionada por Alain Corbin, em Le Territoire du Vide. L’Occident et le désir du rivage, o retomar das referências médicas sobre as propriedades terapêuticas das águas marítimas, o combate higienista da medicina do século XIX, permitiram desenvolver “novo uso” na ocupação do “tempo social”, confluindo, tal como anteriormente na Europa, para a emergência do veraneio em Portugal, ao longo do século XIX.

Atitude que, segundo Rui Cascão, paulatinamente implica a modificação de algumas paisagens litorais portuguesas e da sociabilidade entre a alta sociedade portuguesa, estando na origem da nova utilização do tempo pessoal e das zonas confluentes com o mar e rios.

Excerto da tese de mestrado de Carlos Manuel Nunes, intitulada "FIGUEIRA DA FOZ (1930-1960) - Apontamentos sobre o turismo balnear".

PARA LER NA ÍNTEGRA AQUI (formato pdf, 236 páginas)