Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Serviço SILK estreia-se em Sines

Pela primeira vez, um segundo serviço de ligação da Europa com o Extremo Oriente passou por Sines; aconteceu a 24 de Junho. Como é sabido, Sines está ligado semanalmente com aquela região do mundo através do Lion Service, tocando os portos de Qingdao, Pusan, Ningbo , Shangai, Nansha, Hong Kong, Yantian, Chiwan e Singapura.

Face ao recente disparo de acréscimo de carga entre Sines e o Extremo Oriente, tornou-se necessário recorrer ao serviço SILK para dar escoamento ao enorme volume de contentores. Tratou-se do navio MSC Laurence, com uma capacidade de 12.400 TEU, que utilizou Sines como plataforma giratória de carga entre a Europa e América do Norte (costa atlântica) com o Extremo Oriente.

O serviço SILK, no Extremo Oriente, toca os seguintes portos: Ningbo, Shanghai, Xiamen, Hong Kong, Yantian e Singapura.

Recorde-se que está previsto ainda este mês o inicio do serviço directo de Sines com o Brasil, o que virá ainda mais reforçar o papel que Sines representa enquanto porto de águas profundas, capaz de receber os maiores navios em operação no mundo. Para além do negócio de transhipment entre estes gigantes dos mares, que só com Sines é possível ter em Portugal, a economia nacional fica, assim, ligada directamente aos principais mercados internacionais, eliminando a lógica de dependência de ligações por feedering a outros portos grandes para chegar aqueles mercados.