Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

VIAJANDO PELA HISTÓRIA

13 de Junho de 1968 - Lançado à água o primeiro cargueiro nuclear europeu

A 13 de Junho de 1968 foi lançado à água o navio alemão Otto Hahn. Depois de quase cinco anos de desenvolvimento, execução do projecto e fase de testes, o estaleiro em Kiel apresentou o cargueiro.

O projecto do primeiro navio de carga com propulsão nuclear da Europa (e único da Alemanha) foi desenvolvido pelo Centro de Pesquisas de Geesthacht e construído pela Deutsche Babcock, Interatom (Siemens) e pelo Howaldtswerke, estaleiro da cidade de Kiel.

A Alemanha foi o terceiro país do mundo a desenvolver esta tecnologia, depois dos Estados Unidos e da União Soviética. Os custos para sua fabricação envolveram cerca de 54 milhões de marcos (27,6 milhões de euros). Após uma série de panes em alto-mar, seus proprietários resolveram retirar o reator nuclear do cargueiro de minérios em 1978. Transformado em transporte de contêineres, rebatizado e propulsão convencional, a embarcação voltou a navegar em 1982 com bandeira grega.

Mais sobre o patrono do navio

Otto Hahn nasceu em 1879 na cidade de Frankfurt. O químico alemão descobriu a fissão nuclear (divisão do átomo) em 1938 e, em 1944, recebeu o Nobel de Química.

Após estudar Química em Munique e em Marburg, doutorou-se em química orgânica em 1901. Entre 1904 e 1906, trabalhou com William Ramsay, no University College, de Londres (1904-1906), onde descobriu uma nova substância, um isótopo radioativo a que chamou radiotório.

Seguiu depois para o Canadá, onde se aprofundou no estudo da radioatividade com Ernest Rutherford, na Universidade McGill, de Montreal, e descobriu outra substância radioativa, o mesotório (1907) ou radioactínio.

De volta à Alemanha, iniciou com a física austríaca Lise Meitner uma série de pesquisas sobre a química das substâncias radioativas e ambos entraram para o Kaiser-Wilhelm-Institut, hoje Instituto Max-Planck de Química, em Berlim (1912). Em 1917, descobriram o elemento radioativo protactínio.

Entre 1927 e 1946, dirigiu o instituto e, com Meitner e Fritz Strasmann, também alemão, provou a possibilidade da fissão nuclear através do processo químico do bombardeio do núcleo do urânio com nêutrons (1938). Perseguida pelos nazistas, Meitner abandonou as investigações antes das conclusões finais.

Essa descoberta foi essencial para que os Estados Unidos fabricassem a bomba atômica durante a Segunda Guerra Mundial. Hahn ganhou o Prêmio Nobel de Química em 1944 por seu trabalho em fissão nuclear e pela descoberta do núcleo pesado. Impedido por Hitler, só pode receber seu prêmio dois anos depois.

Eleito presidente da Kaiser Wilhelm Society (1947), hoje Sociedade Max Planck para o Progresso da Ciência, combateu o desenvolvimento e os testes de bombas nucleares, e recebeu, junto com Meitner e Strassmann, o Prêmio Enrico Fermi (1966). Otto Hahn faleceu em 28 de julho de 1968, em Göttingen.

FONTE: DW-WORLD

 







Artigos relacionados:

  • Radioactividade de Fukuxima em atum da Califórnia
  • Construído ao abrigo do programa «Átomos pela Paz»
  • Savannah, o primeiro navio mercante atómico do mundo, entra no rio Tejo
  • USS Scorpion - Submarino nuclear americano repousa ao largo dos Açores
  • O desaparecimento do USS SCORPION nas páginas do «Diário de Lisboa»
  • Marinha brasileira anuncia construção de submarinos com tecnologia francesa
  • Navio espião escala Lisboa
  • Otto Hahn O cargueiro com propulsão nuclear
  • Navios evitam porto de Tóquio com receio das radiações
  • Mar junto a Fukushima tem radioactividade 1250 vezes acima do limite de segurança