Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Impacto da recessão económica na logística

Na recessão económica que tem afectado o país, e vários países do mundo, a logística é mais uma oportunidade do que um custo. Como referiu Carla Fernandes, presidente da APOL – Associação Portuguesa de Operadores Logísticos durante uma mesa redodnda do Logitrans, “pode e é uma oportunidade de maior margem das companhias”.

Responsáveis de diferentes empresas vieram contar como a logística tem contribuído, ou pesado, nos seus resultados dos últimos anos. Todos reconhecem que o preço é determinante, mas estão conscientes que preço é diferente de custos e há custos negativos, tangíveis ou intangíveis, que podem advir de uma escolha meramente baseada no preço mais baixo. Para Filipe Tomás, diretor de logística da Fiat, a qualidade de serviço não pode ser posta em causa. No caso da indústria automóvel a qualidade do manuseamento é um aspeto essencial. Aqui, a logística representa 2% do PVP.

Nuno França, diretor de logística da Revigrés, defendeu a capacidade de adaptação dos operadores logísticos às necessidades dos seus clientes. Na sua empresa, a logística representa, em média, apenas 2,5% do valor do produto e está adaptada à estratégia da empresa: crescer nas exportações e alcançar maior qualidade de serviço.

Representando a Nutriplus, Teresa Bachrun, responsável de logística, falou dos custos logísticos da exportação, que podem ascender aos 30%, incluindo os transportes, armazenamento e gestão documental. Na sua opinião, “há todo um valor acrescentado que a logística pode oferecer”, e que a empresa está já a pôr em prática, nomeadamente através de uma boa seleção de operadores logísticos.

Em suma, a recessão é uma ótima oportunidade de negócio para os operadores logísticos, que com a sua especialização podem conseguir sinergias e apresentar um custo logístico mais competitivo do que os alcançados com a logística in house. Mas para isso eles têm de agregar inovação ao processo, funcionar como consultores e ter capacidade de serem adaptáveis e flexíveis. Mas que os operadores logísticos podem trazer benefícios às cadeias logísticas complexas, variáveis e complexas, isso é inquestionável.
 

FONTE: LOGÍSTICA HOJE