Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

FIGUEIRA DA FOZ

Simulacro de combate à poluição em meio aquático

Um simulacro de combate à poluição em meio aquático decorreu durante dois dias na Figueira da Foz (3 e 4 de Maio), e envolveu 270 participantes da Marinha Portuguesa e de 19 entidades civis e militares.

O exercício, denominado “Foz 2011”, partiu de um cenário simulado envolvendo o embate nocturno do navio mercante “Mondego” no molhe norte do Porto da Figueira da Foz, com derrame, durante quatro horas, de 500 metros cúbicos de combustível que se dispersou pelo mar e rio e atingiu as praias adjacentes.

“O Mondego bateu no molhe norte… O mar estava mau, com vento forte, vaga três metros e visibilidade reduzida, não viram o molhe, o molhe é recente”, disse aos jornalistas o comandante Quaresma de Lemos, chefe do serviço de Combate à Poluição da Marinha.

Pela manhã, estudantes universitários voluntários e meios materiais e humanos da Armada afadigavam-se na limpeza do poluente – aparas de madeira a fazer as vezes de gasóleo – que atingiu um pequeno areal, situado entre um dos molhes de guiamento do rio e o molhe norte do porto comercial.
“Os voluntários foram triados por uma médica e enfermeira para ver se estavam habilitados a fazer o trabalho”, acrescentou.

No plano de acção estava previsto o socorro, no mesmo local, de um tripulante da embarcação sinistrada, que chegaria à praia com uma perna partida mas, perante a ausência deste, acabou por ser um dos voluntários das operações de limpeza a ser “socorrido”, após “cair” nas pedras.
O simulacro inclui ainda a remoção, na praia do Cabedelinho, a sul da barra, de um golfinho vivo “possivelmente contaminado”, observou Quaresma de Lemos, que foi tratado e transportado para um centro de recuperação de animais marinhos.

Entre outras acções, no rio Mondego foram colocadas barreiras flutuantes para impedir o poluente de atingir o porto de pesca e a marina de recreio.
Já no mar, ao largo, decorreu outra acção de contenção e retirada de hidrocarbonetos – simulados com recurso a centenas de quilos de pipocas – através de meios navais da Marinha, à qual os jornalistas presentes não assistiram por não lhes ter sido facultado transporte.

Portugal “está pronto para fazer face” a um eventual acidente com poluição aquática
O secretário de Estado do Ambiente, Humberto Rosa, marcou presença no simulacro e, no final, à margem das operações, manifestou-se “muito convencido” de que Portugal “está pronto para fazer face” a um eventual acidente com poluição aquática.
Aludiu à coordenação entre as entidades participantes e os meios da Autoridade Marítima Nacional e defendeu a “prática” de simulacros do género.
“Sou muito adepto, mais do que proclamar a relação de Portugal com o mar, praticá-la. Este exercício é isso mesmo, é irmos ao mar e vermos como se faz”, frisou Humberto Rosa.

Foz 2011 “valoriza” Porto e concelho da Figueira

Para o capitão do Porto da Figueira da Foz, Rui Amado, o exercício realizado durante dois dias na cidade “correu francamente bem”. O responsável sublinhou alguns “aspectos menos positivos”, mas destacou que “em situação real nunca existiriam, ao mesmo tempo, todos os cenários aqui simulados”. No entanto, Rui Amado realçou os diversos meios que a capitania e administração portuária possuem de combate à poluição, garantindo que, se fosse num cenário real, os meios que foram utilizados neste exercício chegariam à Figueira da Foz “em menos de 24 horas”.

O presidente da autarquia local, João Ataíde, frisou que este exercício “veio valorizar o Porto e o concelho da Figueira”, sublinhando que “existem condições para activar um processo como este”.

Em caso de necessidade, o autarca considerou que o concelho figueirense “é seguro, há competência das entidades e uma resposta célere”. Este exercício permitiu também verificar “uma plena correlação entre as mais de 20 instituições que integram o Plano de Emergência Local”, disse o edil, acrescentando ainda que existem “condições para preservar o ambiente e a segurança marítima”. João Ataíde manifestou “disponibilidade por parte do município para a realização de outras actividades” desenvolvidas pela Autoridade Marítima.

FONTE: O FIGUEIRENSE