Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

LISNAVE

Empresa exportou 1.450 milhões desde 1997

O ano passado foi o primeiro da segunda década da Lisnave desde que a empresa foi reestruturada. Com a saída do Grupo José de Mello e a entrada dos actuais accionistas para a empresa gestora dos estaleiros navais da Mitrena, ocorreu um profundo processo de reestruturação, iniciado a partir do segundo semestre de 1997.

Desde essa data e até 2010, a Lisnave reparou e/ou manteve 1.738 navios, provenientes de mais de 50 países. Esta actividade traduziu-se em vendas de 1.530 milhões de euros, dos quais 1.450 milhões foram directamente para exportação.

Nestes anos, segundo a actual administração da empresa, a actividade da Lisnave gerou um valor acrescentado nacional na ordem dos 95%.

A empresa está a resistir à crise que afecta o mercado mundial de manutenção e reparação naval e, assim, atenuar os efeitos da recessão económica. Apesar da quebra, em 2010, das vendas de reparação e dos rendimentos de exploração - que caíram entre 14% e 18,5% respectivamente face ao ano precedente -, o número de navios reparados manteve-se quase igual e a empresa reduziu custos e conquistou ganhos de eficiência. Já o lucro desceu 1,4% para 11,97 milhões de euros.

No ano passado, a Lisnave conseguiu atrair praticamente os mesmos clientes que em 2009, ao reparar 114 navios contra 116 registados no ano anterior.

A empresa da Mitrena registou, em 2010, vendas de reparação naval de 89,5 milhões de euros, montante que representou uma quebra de 18,5% face aos 20 milhões de euros registados no exercício precedente.

O relatório e contas da empresa, relativo à actividade em 2010, revela ainda que os rendimentos de exploração da Lisnave fixaram-se em 105,5 milhões de euros. Menos 16,7 milhões que no ano precedente - uma redução de 13,7%

 

FONTE: DIÁRIO ECONÓMICO