Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Fórum do Mar e Arco Ribeirinho Sul apresentam projecto para nova Marina de Almada

O Fórum Empresarial da Economia do Mar e o Arco Ribeirinho Sul apresentaram o projecto para a nova Marina de Almada, cujo investimento será feito em regime de concessão e integralmente suportado por capitais privados.

Nos antigos estaleiros da Lisnave vai nascer aquela que será a primeira marina localizada na Margem Sul do Tejo. Um projecto de forte prestígio pensado para captar turismo de elevada qualidade e com 500 pontos de amarração. A marina funcionará como o projecto âncora da nova Cidade da Água integrada no projecto do Arco Ribeirinho Sul e prevista no Plano de Urbanização de Almada Nascente.

A apresentação deste projecto despertou grande entusiasmo junto de potenciais investidores devido às condições excepcionais que o local apresenta para a náutica de recreio.

Entre os factores de sucesso apontados conta-se a estabilidade dos fundos na zona prevista para a marina. Usando uma carta do Séc. XIX percebe-se que houve pouquíssimas alterações no fundo desta área ao longo dos anos, consequência da situação geográfica abrigada, da pouca corrente e resistência ao assoreamento. Motivos que levaram a que, nos anos 60, esta fosse a zona do Tejo escolhida para a instalação dos Estaleiros da Lisnave, com capacidade para receber super petroleiros.

As embarcações vão assim voltar a animar uma área emblemática da indústria naval Portuguesa. Os terrenos da Lisnave, na Margueira, fazem parte do projecto do Arco Ribeirinho Sul, um plano decisivo de valorização ambiental e urbanística de vasto património do estado que está desaproveitado.

A apresentação da nova Marina de Almada aos investidores serviu, acima de tudo, para ouvir sugestões sobre a forma como o projecto deverá ser desenvolvido e perceber as vantagens comparativas com outras Marinas da Região. Estiveram presentes empresas de construção e gestão de marinas, representantes da banca, consultores, além de membros de câmaras de comércio. A capacidade deste projecto captar turistas e investimento estrangeiro foi realçada por todos os participantes.

“Queremos valorizar estes terrenos que estão numa situação privilegiadíssima, mas sem utilização coerente e degradados do ponto de vista ambiental e urbano”, referiu o presidente do Arco Ribeirinho Sul SA, Eng. Fonseca Ferreira, lançando um desafio aos privados presentes no encontro para que tenham a ousadia de apostar num projecto que será o primeiro sinal da enorme transformação que o Sul do Tejo vai conhecer nos próximos anos.

Fonseca Ferreira explicou ainda a visão do Arco Ribeirinho Sul para aquele território: “transformá-lo na porta de entrada do Sul de Portugal e num prolongamento natural de Lisboa, criando uma verdadeira Cidade de Duas Margens com dimensão europeia. O projecto do Arco Ribeirinho Sul é absolutamente decisivo para esta transformação que estamos a liderar. Termos uma marina como projecto motor desta transformação é importante do ponto de vista da economia e do ponto de vista simbólico. Não só acrescentamos valor ao projecto global e damos resposta a uma procura crescente por este tipo de produto, como permitimos o regresso das embarcações à Lisnave, um espaço que tem fortes tradições navais.”

Também o secretário-geral do Fórum Empresarial da Economia do Mar, Fernando Ribeiro e Castro, realçou a importância deste projecto na economia portuguesa: “se o Mar estivesse cotado em Bolsa, valeria qualquer coisa como 10 mil milhões de euros, tanto como a EDP. Precisamos de iniciativas como esta, da Marina de Almada liderada pelo Arco Ribeirinho Sul, para colocar todo o potencial do mar ao serviço do País”.

Sobre o Fórum do Mar
O Fórum Empresarial da Economia do Mar, é uma associação de empresas, prevista no estudo "Hypercluster da Economia do Mar", elaborado pelo Professor Ernâni Lopes, com os seguintes objectivos:
a) Contribuir para o assumir da economia do mar como um desígnio nacional, por forma a afirmar Portugal como actor marítimo relevante, ao nível global;
b) Contribuir para o desenvolvimento sustentável do mar e valorizar a sua importância como um dos principais recursos económicos, projectando-o como o grande motor do desenvolvimento económico do país;
c) Promover uma estratégia comum e integrada das actividades relacionadas com a economia do mar, bem como criar as condições e fomentar as boas práticas empresariais de excelência e cooperação entre os actores estratégicos nacionais, com vista ao desenvolvimento da economia portuguesa e à produção de riqueza colectiva em todos os sectores de actividade relacionados com a economia do mar.

Sobre o Arco Ribeirinho Sul
O Arco Ribeirinho Sul SA é a empresa que tem como missão a requalificação ambiental e urbanística dos territórios da Margueira em Almada, da Quimiparque no Barreiro e da Siderurgia Nacional no Seixal. O Arco Ribeirinho Sul pode ser definido como:
• Projecto decisivo para a criação da cidade das duas margens
• Oportunidade de reconversão ambiental e urbanística de áreas degradadas
• Aproveitamento e valorização de património do Estado
• Criação de uma cidade de dimensão europeia