Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Traficantes usam portos brasileiros para movimentação de drogas

Quatro toneladas de drogas apreendidas em portos brasileiros com destino à Europa, em 2010, apontam para a expansão do tráfico usando infraestrutura brasileira, com a presença crescente no país de máfias italianas, indicam investigações da Polícia Federal.

Entre as atuações detectadas estão facções criminosas como a Sacra Corona Unita, a chamada quarta máfia italiana, a que mais expande sua atuação no Brasil, segundo investigadores da PF.

Em 2010, quase 25 toneladas de cocaína foram achadas no Brasil, quase 3% do total interceptado pelas polícias de todo o mundo –mais de 710 toneladas.

De acordo com investigações da PF, entre outros terminais, portos como o de Suape (PE) e Itaguaí (RJ) são utilizados na exportação da droga.

Segundo a ONU, o Brasil respondia por 10% da origem dos navios apreendidos com drogas com destino à Europa entre 2006 e 2008, atrás apenas de Venezuela (51%), Caribe (11%) e África Ocidental (11%).

FONTE: PORTAL MARÍTIMO